quinta-feira, 18 de maio de 2017

Lições Betel 2 trimestre 2017 1 a 7

                               
  Atualização lições Betel 2 trimestre 2017
                              Lições 1 a 7




Atributos indispensáveis de um profeta
30 de abril de 2017
Texto Áureo
“Não tomarás para ti mulher, nem terás filhos nem filhas neste lugar”. Jr 16.2
Verdade Aplicada
O cerco de Jerusalém causou uma carnificina, eliminando famílias inteiras. Jeremias foi poupado da dor de perder a esposa e os filhos.
Textos de Referência.
Jeremias 16.3, 5, 8, 14
2 Não tomarás para ti mulher, nem terás filhos nem filhas neste lugar.
5 Porque assim diz o Senhor: Não entres na casa do luto, nem vás a lamentar, nem te compadeças deles; porque deste povo, diz o Senhor, retirei a minha paz, benignidade e misericórdia.
8 Nem entres na casa do banquete, para te assentares com eles a comer e a beber.
14 Portanto, eis que dias vêm, diz o Senhor, em que nunca mais se dirá: Vive o Senhor, que fez subir os filhos de Israel da terra do Egito.
Introdução

Nesta lição, veremos que o profeta Jeremias só teve uma opção: falar a verdade! Seja qual for a palavra pronunciada por Deus, ela jamais cairá por terra e se cumprirá fielmente (Nm 23.19).

1. Coragem atributo indispensável.
Jeremias foi preso covardemente após se recusar a profetizar o que o Senhor não lhe havia mandado. Após ser solto pelo rei, e posto em uma cisterna, onde não havia água, senão lama e Jeremias se atolou na lama (Jr 38.6). Para cumprir bem a missão transmitida por Deus, é necessário passar alguns sofrimentos e aflições.

1.1. Vai e fale aos ouvidos de Jerusalém.

As ordens de Deus, num primeiro momento, parecem descabidas de amor ao povo de Judá. No entanto, se formos observar cada juízo que Deus transmitiu a Jeremias, percebemos que tinham como objetivo fazer com que o povo obedecesse e voltasse seu coração a Ele. Deus é justo e o povo sofreu as consequências dos seus atos. A rebeldia, ingratidão e autossuficiência do povo levou-o a passos largos para a destruição. Jeremias não teve prazer nestas mensagens. Ele é conhecido como o profeta que chorava, pois sofria profundamente ao ver a angústia do povo, mesmo sabendo que o castigo era merecido. Obedecer a Deus é a melhor coisa que podemos fazer na nossa vida. Somente um profeta obediente à vontade de Deus, em meio à intensidade de tamanha desgraça, poderia anunciar a salvação e graça no juízo divino (Jr 29.4, 7).

1.2. Uma genuína submissão.

As narrativas históricas indicam que jeremias foi submisso à vontade de Deus em tudo. O Senhor deu algumas ordens árduas ao profeta, como: não casar (Jr 16.1-4); não entrar em funeral (Jr 16,5, 7); não entrar em numa festa (Jr 16.8-9); pregar no portão da cidade (Jr 17.19, 21); ir a casa de um oleiro para vê-lo trabalhando (Jr 18.1, 6); comprar uma botija e fazer uma representação (Jr 19.1, 3). Jeremias sabia que para se ter comunhão autêntica com Deus ele precisaria se submeter à Sua vontade. O aspecto importante que aprendemos com o profeta é que quando seguimos a Deus os resultados são duradouros e eficazes.

1.3. Assumindo a responsabilidade.

Jamais desista de sua chamada. Jeremias em certo momento pensou em gerenciar uma pousada no deserto em vez de cumprir sua chamada (Jr 9.2). Jeremias havia se esquecido que o Senhor o separou para ser um valioso profeta perante as nações. Entretanto, Deus explicou a Jeremias o que Ele queria que fosse feito: “Assim diz o Senhor: Põe-te no átrio da casa do Senhor, e dize a todas as cidades de Judá, que vêm adorar na casa do Senhor, todas as palavras que te mandei que lhes dissesses; não te esqueças nem uma palavra”. (Jr 26.2).

2. Uma única missão: falar a verdade.

Quando o Senhor escolheu a Jeremias, era para que ele alertasse aos que estavam em pecados a abandonarem e se converterem ao Senhor de todo o coração, que deixassem de ser apenas religiosos. Esta é a verdadeira missão de um profeta: falar a verdade (Jr 26.3).

2.1. Abandonado pelos próprios amigos.

Nos dias de hoje, assim como nos dias de Jeremias, existe uma geração cruel, que não sabe ouvir a voz do Senhor. Os profetas são alvos de escárnio por confrontarem a mentira com a verdade. Os negócios pessoais estão acima da fé cristã, Jeremias foi desprezado pelos amigos (Jr 20.10. Jeremias era um homem solitário e abandonado, mas isso não impediu que o seu ministério tivesse êxito. Ele foi um dos mais ousados e destemidos profetas do Antigo Testamento.

2.2. Como Jeremias levava a vida.

Querendo ou não, um homem como Jeremias incomodava muita gente. A atitude de muitos era dar risadas do profeta (Jr 20.7). Outros o perseguiam (Jr 11.21; 18.18). Outros, ainda o amaldiçoaram (Jr 15.10). Por causa da sua missão, ele não casou, não ia a festas e nem a velórios (Jr 16.5, 7-8). Ele realizou várias ações simbólicas, como: comprar um cinto e escondê-lo até apodrecer (Jr 13.1, 11); comprar um pote e quebrá-lo logo em seguida (Jr 19.1, 15). Andar com uma canga nas costas pelas ruas de Jerusalém (Jr 27.2; 28.10, 14). Vivia como um estranho (Jr 23.9).

2.3. Contaminados pelo adultério.

A imaginação do povo de Judá estava pautada em adultérios generalizados. A fantasia sexual afastava o reino de Judá do Senhor com seus pensamentos lascivos (Jr 5.7-8; 13.27; 23.10, 14; 29.23). Com estas práticas, o caminho da destruição era questão de dias, haja vista que a miséria espiritual estava intensa neste momento. Judá descia cada vez mais a ladeira da perversão, esquecendo-se do Senhor, buscando um prazer desenfreado no sexo, que os afastava do verdadeiro Deus. Jeremias, ao pregar contra esta prática insana, foi rejeitado por todo o povo, que preferiu continuar em suas desordens espirituais.

3. Assumindo riscos.

Jeremias foi um profeta admirável, prova disso foi que Deus notou nele alguém que seria leal à Sua missão (Jr 1.7-8). Por quarenta anos, Jeremias teve a responsabilidade de profetizar como porta-voz do Senhor. Em um tempo de idolatria, impureza e luxuria sem comparação, o profeta deveria servir de exemplo na vida e no caráter, adorando ao verdadeiro Deus de Israel.

3.1. Deus está no controle.

Quando os sacerdotes, profetas e a população ouviram a mensagem a respeito da ruina do templo e a destruição de Jerusalém, eles ficaram furiosos e levaram o profeta na presença dos príncipes para ser morto (Jr 26.8). Jeremias repetiu novamente suas palavras aos príncipes (Jr 26.12-14), que não viram mal algum nelas (Jr 26.16). O Senhor quer apenas que confiemos nEle e o mais Ele fará. Ele sempre envia alguém para nos socorrer. Não duvidemos. Creiamos somente Êx 23.20).

3.2. O valor de um sábio conselho.

Jeremias em meio ao abandono de todos, continua a falar com firmeza que toda aquela destruição era culpa do próprio povo de Judá e de seus líderes, que deveriam admitir suas responsabilidades pelos seus pecados. Assim como o reino do Norte que havia sido derrotado pelos assírios em 722 a.C., o povo de Judá sofreria uma derrota esmagadora, se tentasse afrontar a Babilônia. Neste momento Jeremias aconselha a se render a esta potência para não sofrer um dano maior (Jr 27.11-12). O povo, obstinado por seus pecados, não ouviu seus conselhos. A situação da liderança era tão grave que Deus disse que nenhum dos filhos diretos de Joaquim, rei de Judá, se assentaria no trono de Davi (Jr 22.30).

3.3. A destruição de Judá era uma questão de tempo.

Jeremias faz uma análise da realidade, criticando em sua totalidade o povo por seus pecados (Jr 9.14; 17.19; 27; 22.1). Jeremias enumera uma série de atos cometidos pelo povo de Judá: desonestidade, assassinatos, injustiças com os pobres, transgressão do sábado, perseguições aos verdadeiros profetas, etc. Pecados deste tipo eram vistos com bons olhos pela população da época, mas decididamente não eram normais aos olhos do Senhor. Se eles pudessem antevir o que estava para acontece, as coisas seriam diferentes. A destruição deste povo para Deus era uma questão de tempo.

Conclusão.

A mensagem do profeta Jeremias é impregnada de palavras árduas ao povo de Judá. Percebemos ainda que suas pregações foram rejeitadas por um povo rebelde, que insistiu em caminhar para o castigo divino: a destruição pelas mãos dos babilônios.

Questionário.


1. O que tinha na cisterna que Jeremias foi lançado?

2. Cite duas ordens árduas que o Senhor deu a Jeremias?


3. Qual é a verdadeira missão de um profeta?


4. Cite uma ação simbólica realizada por Jeremias?


5. Qual a nação que Jeremias aconselhou que Judá tinha que se render para não sofrer um dano maior?

 Conteúdo da Lição 6  Revista Betel
O Senhor, Justiça Nossa
7 de maio de 2017
Texto Áureo
“Nos seus dias, Judá será salvo, e Israel habitará seguro; e este será o nome, com que o nomearão: O Senhor, Justiça Nossa. Jr 23.6
Verdade Aplicada
Em Jesus somos perdoados e recebemos justificação por intermédio de Seu sangue.
Textos de Referência.
Jeremias 23.1-2, 5
1 Ai dos pastores que destroem e dispersam as ovelhas do meu pasto, diz o Senhor.
2 Portanto, assim diz o Senhor, o Deus de Israel, acerca dos pastores que apascentam o meu povo: Vós dispersastes as minhas ovelhas, e as afugentastes, e não as visitastes; eis que visitarei sobre vós a maldade das vossas ações, diz o Senhor.
5 Eis que vêm dias, diz o Senhor, em que levantarei a Davi um Renovo justo; e,sendo rei, reinará, e prosperará, e praticará o juízo e a justiça na terra.
Introdução
Nesta lição estudaremos, dentro do livro do profeta Jeremias, sobre a grandiosa e magnífica justiça do Eterno Deus, isto é, o Seu modo de agir. Em outras palavras, o Seu proceder em favor dos homens.

1. Deus é a nossa justiça.
Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus. Não há justo, nem um sequer (Rm 3.23). Fomos declarados justos por causa da obra de Cristo em nosso lugar e em nosso benefício. Agora, estamos quites com a justiça divina e nenhuma condenação pesa mais sobre nós (Rm 8.1).

1.1. Quem ainda não sofreu uma injustiça?
Injustiça é a prática de violar padrões do que é justo. Sofrer injustiça é uma das coisas mais doloridas de lidar. Quando isso acontece, a revolta toma conta de quem é alvo de injustiças. Na Bíblia, há muitos relatos de pessoas que sofreram injustiças. Jeremias, por exemplo, foi posto em um calabouço (Jr 37.16), jogado na lama (Jr 38.6), desprezado pelos amigos e familiares, apenas por ser justo diante de Deus. Jeremias nos adverte que “ai daquele que edifica a sua casa com injustiça” (Jr 22.13). Por isso Jeremias vivia na presença de Deus (Jr 12.3).

1.2. Os líderes destruíam o povo.
Jeremias conhecia muito bem o sacerdócio, pois nasceu neste ambiente religioso. Ele lamenta que os falsos líderes tenham feito a cabeça do povo (Jr 5.30-31). Jeremias descreve os falsos líderes assim: “Ai dos pastores que destroem e dispersam as ovelhas do meu pasto, diz o Senhor.” (Jr 23.1). Esta passagem mostra a conduta errada dos líderes de Judá. Eles não amavam o povo como o Senhor os ama! O interesse deles era o dinheiro (Jr 5.31; 6.13). Para eles, ser profeta era uma posição de destaque e honra. Eram sábios para o mal e não para o bem (Jr 4.22). Deus não aprova líderes assim. Ele chama homens que amem e para que guiem Suas ovelhas na graça e no conhecimento (2Pe 3.18).

1.3. Encher o povo de falsas esperanças.
Os sacerdotes e profetas contemporâneos a Jeremias viviam uma situação não muito confortável diante de Deus: “Cometem adultérios, e andam com falsidade, e esforçam as mãos dos malfeitores, para que não se convertam da sua maldade; eles têm-se tornado para mim como Sodoma, e os moradores dela, como Gomorra.” (Jr 23.14). Esta situação perversa deixava o Senhor indignado: “Portanto, assim diz o Senhor dos Exércitos acerca dos profetas: Eis que lhes darei a comer alosna, e lhes farei beber águas de fel.” (Jr 23.15). Os falsos profetas enchiam o povo de falsas esperanças, prometendo recompensas sem mudança de vida. Deus nos chama sempre ao arrependimento (2Co 5.17, 20).

2. O Senhor é Justo Juiz.
A justiça é um dos valores mais desejados pelas pessoas de bem. O salmista Davi sabia muito bem disso (Sl 28.7). Deus em toda a história sempre deixou provas que devemos confiar nEle incondicionalmente.

2.1. Chorar era preciso.
O profeta Jeremias é um dos profetas de Judá que não se cansava de chorar pelo povo. Isso aconteceu numa época em que o juízo de Deus já havia sido comunicado ao povo através do próprio Jeremias. Diante de tamanha destruição que estava por vir, o desprezo do povo pela verdade fez Jeremias se ver em prantos diversas vezes em decorrência de amar a sua nação. São elas: quando o povo abandona o Senhor (Jr 2.3) e foi enganado com palavras falsas (Jr 7.4); quando os falsos profetas profetizaram palavras fingidas (Jr 28.11); quando as mulheres piedosas cozeram seus próprios filhos e lhes serviram de alimento na destruição (Lm 4.10); quando viu a aflição por causa dos juízos do Senhor sobre o povo (Lm 3.1). Jeremias deu a resposta de tanto choro: “Por estas coisas, choro eu; os meus olhos, os meus olhos se desfazem em águas; porque se afastou de mim o consolador que devia restaurar a minha alma; os meus filhos estão desolados, porque prevaleceu o inimigo”. (Lm 1.16).

2.2. O Senhor que nos encoraja.
Jeremias não encontrou o Senhor mostrando-se valente. Deus o fez valente. A força verdadeira não vem de quem o Senhor chama e sim do Senhor (Sl 28.7)! Paulo disse: “Posso todas as coisas naquele que me fortalece”. (Fp 4.13). Grande parte das nossas vidas passamos por lutas e provações, mas não podemos admitir que o Diabo entre na brecha e nos afaste de Deus (Ef 4,27, 32). Deus encorajou Jeremias, dizendo: “Assim diz o Senhor: Põe-te no átrio da casa do Senhor, e dize a todas as cidades de Judá, que vêm adorar na casa do Senhor, todas as cidades de Judá, que vêm adorar na casa do Senhor, todas as palavras que te mandei que lhes dissesses; não esqueças nem uma palavra”. (Jr 26.2).

2.3. O profeta não pode desanimar em meio às adversidades.
Jesus disse que um profeta não é honrado na sua própria terra (Jo 4.44). Isso aconteceu com Jeremias (Jr 26.8-9). O profeta Jeremias tinha expectativas que muitos poderiam acordar do sono espiritual que estavam e ainda poder usufruir das bênçãos de Deus em meio àquela conjuntura tão humilhante (Jr 13.9-10). O profeta não desiste da palavra de esperança e aconselha o povo: “Bendito o varão que confia no Senhor, e cuja esperança é o Senhor”; “Ó Senhor, Esperança de Israel!” (Jr 17.7, 13ª).

3. Deus protege os injustiçados.
Podemos confiar na justiça de Deus sempre! Ele está atento a todo mal que possa vir sobre nós (Is 41.10). Seu amor não tem fim. Que estejamos seguros quanto ao cuidado do nosso Senhor (Sl 55.22). No momento oportuno, o Senhor nos livrará, pois não se agrada de injustiça praticada contra Seus filhos.

3.1. Sua missão era maior que sua dor.
Jeremias ocupou posição de grande destaque como profeta. Os reis se sucediam no trono, o ambiente era de intrigas e apostasia. Durante quarenta anos, o profeta passou por diversos tormentos em Judá: “Ah! Entranhas minhas, entranhas minhas! Estou ferido no meu coração! O meu coração ruge; não me posso calar, porque tu, ó minha alma, ouviste o som da trombeta e o alarido da guerra”. (Jr 4.19). Com todo sofrimento, com toda a sua dor, com toda angústia, ele não desistiu. Ele sabia que sua missão era maior do que sua dor.

3.2. As tentativas de calar Jeremias.
A deportação do povo Judeu para a Babilônia estava às portas e Jeremias sentiu muito o peso da responsabilidade de ser o último mensageiro de Deus para chamar este povo ao arrependimento. Pelo fato de sua mensagem ser muito pessimista, ele foi chamado de falso profeta por todos. Um dos fatores que mais agravaram esta situação foi que os falsos profetas anunciavam paz e prosperidade a todos (Jr 14.11-16). Embora acusado por todos, Jeremias não se calou. A Bíblia diz que obedecer é melhor do que sacrificar (1Sm 15.22).

3.3. Jesus Cristo é o preço pago para nossa justiça.
É impossível nos apresentarmos diante de Deus sem que seja por intermédio do Senhor Jesus (1Tm 2.5). Apenas pela justiça do Pai em Cristo, o pecador pode ser considerado inocente. No tribunal celestial, Jesus é o Advogado que comparece diante do Juiz (Deus), com o intuito de inocentar o réu de sua merecida culpa (1Jo 2.1). A justiça redentora de Deus é testemunhada na obra do Mestre na cruz do Calvário, mostrando Seu imenso amor pela humanidade.

Conclusão.
Nós temos um advogado! Não porque aspiremos pecar sucessivamente, mas porque sabemos que somos fracos e que, por isso, o Senhor colocou um Salvador sobre nós. Jesus Cristo, o advogado fiel, nos livra do peso e das decorrências do pecado.

Questionário.

1. O que Deus exige dos líderes?

2. Quais eram os pecados dos profetas e sacerdotes contemporâneos de Jeremias?

3. Quem disse que um profeta não é honrado em sua terra?

4. O que a Bíblia diz sobre a obediência?

5. Onde está escrito que Cristo é o mediador entre Deus e os homens?
 Conteúdo da Lição 7 - Revista Betel
A coragem de um profeta levantado por Deus
14 de maio de 2017
Texto Áureo
“Toma o rolo de um livro, e escreve nele todas as palavras que te tenho falado de Israel, e de Judá, e de todas as nações, desde o dia em que eu te falei a ti, desde os dias de Josias até hoje”. Jr 36.2
Verdade Aplicada
Poucas pessoas nas Sagradas Escrituras exibiram fé, coragem e resiliência como Jeremias.
Textos de Referência.
Jeremias 36.1-3
1 Sucedeu, pois, no ano quarto de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá, que veio esta palavra do Senhor a Jeremias, dizendo:
2 Toma o rolo de um livro e escreve nele todas as palavras que te tenho falado sobre Israel, e de Judá, e de todas as nações, desde o dia em que eu te falei a ti, desde os dias de Josias até hoje.
3 Ouvirão, talvez, os da casa de Judá todo o mal que eu intento fazer-lhes, para que cada qual se converta do seu mau caminho, e eu perdoe a sua maldade e o seu pecado.
Introdução
A lição a ser ministrada hoje fala que o profeta Jeremias amava ao Senhor de Israel. Para ele, Deus era a realidade suprema. Jeremias imputa a Deus, a quem servia, as mais altas honrarias (Jr 32.17, 25).

1. Coragem para decidir qual lado ficar.
Estudando o livro de Jeremias, percebemos que ele tinha convicção do seu chamado (Jr 1.4). Um fogo ardia dentro dele, misturado com entusiasmo e desejo de querer fazer a vontade de Deus até o fim (Jr 20.9).

1.1. A loucura do rei Jeoaquim.
Deus chamou o profeta Jeremias e lhe orientou a escrever um livro sobre todas as palavras que o Senhor havia dito sobre Israel, Judá e todas as nações (Jr 36.2). Como estava proibido de ir ao templo (Jr 36.5), ordenou ao seu escrivão que fosse e lesse os escritos em voz alta, de modo que eles escutassem tudo o que o Senhor Deus havia dito (Jr 36.8). Estas palavras chegaram ao conhecimento do rei Jeoaquim. A Bíblia relata que era tempo de friagem e o rei estava no seu palácio de inverno, sentado perto do fogo. Depois de ouvir a leitura de três ou quatro folhas, o rei ficou muito irritado, pegou um canivete, cortou o rolo em pedaços e jogou no fogo (Jr 36.23). Que triste para um povo ter um rei insano. Nem o rei e nenhum de seus servos que ouviram todas aquelas coisas ficaram com medo ou mostraram qualquer sinal de arrependimento (Jr 36.24).

1.2. Jeremias se esconde do rei.
Em vez de obedecer à voz de Deus, o rei ordenou que prendessem Jeremias e o seu escriba. Mas o Senhor já os tinha escondido (Jr 36.26). Esconderijo é o lugar onde alguém ou algo se esconde. Uma espécie de abrigo, um refúgio. Em algumas situações, a fuga é a melhor decisão a ser tomada. José fugiu da mulher de Potifar (Gn 39.7, 12). O anjo do Senhor aconselhou a José e Maria a fugirem com o menino para o Egito (Mt 2.13). Elias fugiu para o deserto (1Rs 19.3-4). No momento de perseguição, necessitamos ir ao ambiente da intimidade, o esconderijo de Deus. É para lá que o Soberano quer nos conduzir para palestrar conosco.

1.3. Resiliência.
Resiliência é a capacidade de uma pessoa lidar com seus próprios problemas vencer obstáculos e não ceder à pressão, seja qual for a situação. A resiliência demonstra se uma pessoa sabe ou não funcionar bem sob pressão. Depois que o rei queimou o rolo, Jeremias se saiu bem sob pressão. Ele pegou outro rolo e escreveu tudo o que estava escrito naquele que o rei havia queimado e mandou pronunciar o seguinte: “Tu queimaste este rolo, dizendo: Por que escreveste nele anunciando: Certamente virá o rei da Babilônia, e destruirá esta terra, e fará cessar nela homens e animais?” (Jr 36.29). O rei pensava que, queimando o rolo, fosse calar a Palavra de Deus. O que ele não sabia é que o profeta Jeremias não se calaria diante das adversidades.

2. A importância da cooperação.
Deus e o povo eram como noivo e noiva, como marido e esposa (Jr 2.2). Mas a aliança entre os dois havia falhado e eles se separaram (Jr 3.8) A esposa (povo) largou o marido (Deus) e foi atrás de outros amantes (deuses) (Jr 2.25; 4.30) e adulterou (Jr 2.20; 3.20; 5.7). Por isso, Deus, o marido, não queria, mais saber da esposa (Jr 2.22; 5.7).

2.1. O sucesso de Jeremias estava na sua atitude.
A atitude é o critério para o sucesso. Quando procuramos nas Escrituras Sagradas alguém que se encaixe neste perfil, nossos olhos sobrevêm sobre a vida do profeta Jeremias. Mesmo com o casamento rompido entre Deus e o povo, Jeremias decide ficar do melhor lado: o lado de Deus. Poderíamos citar muitos outros, no entanto, enxergamos na vida desse homem um exemplo de quem tomou a atitude correta em se tornar um profeta é extremamente mais do que pregar sobre as coisas que sobrevirão. Profetizar é ver o Senhor convocando Seu povo de volta para Si (1Pe 2.9).

2.2. Deus sempre coloca pessoas para nos ajudar.
Deus sempre coloca pessoas em nossos caminhos para nos ajudar. Com Jeremias não foi diferente. O Senhor havia dado ordem a Jeremias “para arrancar, despedaçar, arruinar e destruir”, mas também “para edificar e plantar” (Jr 1.10). Mesmo estando encarcerado (Jr 36.5), ele não poderia se calar. Por isso, pede que seu escriba, Baruque, leia a mensagem de Deus ao povo, a fim de encorajá-lo a abandonar os seus pecados (Jr 36.6). Baruque sem dúvida, estava a par dos riscos envolvidos nessa missão. Mesmo assim, ele se dispôs a escrever todas as palavras do Senhor pronunciadas por Jeremias e a lê-las na casa do Senhor para todo o povo (Jr 36.5-8).

2.3. Baruque: um amigo na alegria e na dor.
Ainda que seja mencionado em apenas quatro capítulos em toda a Bíblia, Baruque é bem conhecido doa amantes da Escrituras Sagradas como secretário, escriba, porta-voz, companheiro e amigo de Jeremias. Notamos que depois de ter escrito o livro, Baruque teve um conflito e desabafou: “Ai de mim agora, porque me acrescentou o Senhor tristeza à minha dor! Estou cansado do meu gemido e não acho descanso”. (Jr 45.3). No caso de Baruque, este conflito o levou à oração e a oração ao desabafo. O desabafo era o ralo por onde fluíam suas lágrimas. O Senhor Deus estava atento à aflição de Baruque e prometeu preservá-lo (Jr 54.5).

3. Cumprindo a missão em tempos difíceis.
Em nenhum momento, Deus deixou o profeta Jeremias iludido. Quando chamou o profeta para anunciar a Sua Palavra, declarou que o mesmo sofreria oposição e perseguição, mas não temesse: “...porque eu sou contigo, diz o Senhor, para te livrar” (Jr 1.17-19).

3.1. Convicção da chamada de Deus.
Um aspecto muito importante no cumprimento da missão dada por Deus é ter convicção quanto ao chamado divino. Muito contribui para resistir diante das oposições, rejeições e aparentes fracassos. Vide o exemplo de Amós: “Eu não era profeta...mas o Senhor me tirou...e me disse...” (Am 7.14-15). O profeta Amós sabia que tinha sido comissionado por Deus.

3.2. Crer na Palavra de Deus.
A certeza de que a Palavra de Deus é a verdade, sustentou Jeremias, mesmo quando estava preso, ou enfrentando os falsos profetas, ou sendo conduzido ao Egito contra a sua vontade (Jr 43.5, 8). Ele não se calou! O apóstolo Paulo assim escreveu: “Cri, por isso falei” (2Co 4.13).

3.3. Perseverança.
O profeta Jeremias é um exemplo de perseverança. O povo não atendeu ao chamado de Deus, os líderes o rejeitaram, o rei destruiu o rolo contendo os escritos da Palavra de Deus e, no final, ainda foi levado ao Egito pelos rebeldes judeus. Todavia, ele não se calou. Continuou profetizando. Foi perseverante. No Novo Testamento, os discípulos de Jesus Cristo “foram dispersos pelas terras da Judéia e de Samaria”, mas, por onde andaram, mesmo espalhados, “iam por toda a parte anunciando a palavra” (At 8.1, 4). É preciso perseverança no cumprimento da missão.

Conclusão.
O profeta Jeremias foi grandemente usado por Deus num momento crucial da história de Israel. Deus ainda hoje quer usar a mim e a você. Precisamos ter a mesma atitude do profeta Jeremias, isto é, escolher ficar ao lado de Deus, abandonando os prazeres do mundo.

Questionário.

1. O que percebemos ao estudar o livro de Jeremias?

2. O que o rei Jeoaquim fez com o rolo após escutar o que estava escrito?

3. Cite um personagem da Bíblia que fugiu?

4. O que é profetizar?


5. O que sustentou Jeremias?

Nenhum comentário:

Postar um comentário