sexta-feira, 26 de maio de 2017

Parábola do fariseu e o publicano Lucas 18.9-14

9 E falou esta parábola a certos que confiavam em si mesmos que eram justos, e desprezavam os outros. 10 Dois homens subiram ao templo para orar um fariseu eo outro publicano. 1O fariseu levantou-se e orou assim consigo mesmo, Deus, eu te agradeço, que eu não sou como os outros homens , extorsionadores, injustos, adúlteros, ou mesmo como este publicano. 12 Eu jejuo duas vezes na semana, dou o dízimo de tudo o que possuo. 13 E o publicano, estando de longe, não levantava os seus olhos ao céu, mas batia no seu peito, dizendo: Deus seja misericordioso comigo, pecador. 14 Digo-vos que este homem desceu à sua casa, mais do que justificado ,

O escopo desta parábola também é prefixado a ele, e nos é dito ( Lucas 18: 9Lucas 18: 9 ) que eles eram quem foi nivelado, e para quem foi calculado. Ele o projetou para a convicção de alguns que confiaram em si mesmos que eram justos e desprezavam os outros. Eles eram como eles tinham, 1. Um grande orgulho de si mesmos e de sua própria bondade eles se julgavam santos como eles precisavam ser, e mais santos do que todos os seus vizinhos, e que poderiam servir de exemplo para todos eles. Mas isso não era tudo 2. Eles tinham uma confiança em si mesmos diante de Deus, e não só tinha uma alta opinião de sua própria justiça, mas dependia do seu mérito, sempre que se dirigiam a Deus, como sua súplica: Eles confiaram em si mesmos como sendo justos, eles pensaram que tinham feito de Deus seu devedor, e poderiam exigir qualquer coisa dele e, 3. Eles desprezavam os outros, e olharam para eles com desprezo, como não digno de ser comparado com eles. Agora Cristo, por meio desta parábola, mostraria tal loucura, e por isso eles se excluíram da aceitação com Deus. Isto é chamado uma parábola, embora não haja nada de similitude nele, mas é mais uma descrição do temperamento diferente e linguagem daqueles que orgulhosamente se justificam, e aqueles que humildemente condenam a si mesmos e sua posição diferente diante de Deus. É uma questão de fato todos os dias. E olhava para eles com desprezo, como não digno de ser comparado com eles.
 Agora Cristo, por meio desta parábola, mostraria tal loucura, e por isso eles se excluíram da aceitação com Deus. Isto é chamado uma parábola, embora não haja nada de similitude nele, mas é mais uma descrição do temperamento diferente e linguagem daqueles que orgulhosamente se justificam, e aqueles que humildemente condenam a si mesmos e sua posição diferente diante de Deus. É uma questão de fato todos os dias. E olhava para eles com desprezo, como não digno de ser comparado com eles. Agora Cristo, por meio desta parábola, mostraria tal loucura, e por isso eles se excluíram da aceitação com Deus. Isto é chamado uma parábola, embora não há nada de similitude nele, mas é mais uma descrição do temperamento diferente e linguagem daqueles que orgulhosamente se justificam, e aqueles que humildemente condenam a si mesmos e sua posição diferente diante de Deus. É uma questão de fato todos os dias. Embora não haja nada de similitude nele, mas é mais uma descrição do temperamento diferente e linguagem daqueles que orgulhosamente se justificam, e aqueles que humildemente condenam a si mesmos e sua posição diferente diante de Deus. É uma questão de fato todos os dias. Embora não haja nada de similitude nele, mas é mais uma descrição do temperamento diferente e linguagem daqueles que orgulhosamente se justificam, e aqueles que humildemente condenam a si mesmos e sua posição diferente diante de Deus. É uma questão de fato todos os dias.

I. Aqui estão os dois dirigindo-se ao dever de oração no mesmo lugar e tempo ( Lucas 18:10 Lucas 18:10 ): Dois homens subiram ao templo (para o templo estava sobre uma colina) para orar. Não foi a hora da oração pública, mas eles foram lá para oferecer suas devoções pessoais, como era costume com as pessoas boas naquela época, quando o templo não era apenas o lugar, mas o meio de adoração, e Deus tinha prometido, Em resposta ao pedido de Salomão, que, seja qual for a oração feita de maneira correta em ou para aquela casa, deveria, portanto , ser aceita. Cristo é o nosso templo, e para ele devemos ter um olho em todas as nossas abordagens a Deus. Os fariseus e do publicano ambos foram para o templo para orar. Nota: Entre os adoradores de Deus, na igreja visível, há uma mistura de bom e mau, de alguns que são aceitos de Deus, e alguns que não são e assim foi desde que Caim e Abel trouxe sua oferta para o Mesmo altar. O fariseu, orgulhoso como ele era, não podia pensar-se acima da oração nem o publicano, humilde como ele era, pensa-se fechado fora do benefício dele, mas temos razões para pensar que estes foram com diferentes pontos de vista. 1. O fariseu foi ao templo orar porque era um lugar público , mais público do que os cantos das ruas, e por isso ele deveria ter muitos olhos sobre ele, que aplaudia sua devoção, Que talvez foi mais do que era esperado. O caráter que Cristo deu aos fariseus, que todas as suas obras que eles fizeram para ser visto dos homens, nos dá ocasião para esta suspeita. Note, Hipócritas manter os desempenhos externos da religião apenas para salvar ou ganhar crédito. Há muitos que vemos todos os dias no templo, que, é de temer, não veremos no grande dia à direita de Cristo. 2. O publicano foi ao templo porque foi nomeado para ser uma casa de oração para todos os povos, Isaías 56: 7 . O fariseu veio ao templo em um elogio, o publicano em cima do negócio o Pharisee para fazer sua aparência, o publican para fazer seu pedido.Isaías 56: 7

II. Aqui está o discurso do fariseu a Deus (para uma oração que eu não posso chamá-lo): Ele se levantou e orou assim consigo mesmo ( Lucas 18: 11,12 ): de pé por si mesmo, orou assim, de modo que alguns leram que ele estava inteiramente atento Ele mesmo, não tinha nada em seu olho senão o próprio, seu próprio louvor, e não a glória de Deus, ou, estando em algum lugar visível, onde ele se distinguiu ou, colocando- se com uma grande quantidade de estado e formalidade, orou assim. Ora, o que ele deve aqui dizer é o que mostra,Lucas 18:11 , 12

1. Que confiava em si mesmo que era justo. Um monte de coisas boas ele disse de si mesmo, o que vamos supor para ser verdade. Ele estava livre de pecados grosseiros e escandalosos, não era um extorsionador, nem um usurário, nem opressivo para devedores ou inquilinos, mas justo e bondoso para com todos os que dependiam dele. Ele não era injusto em nenhum de seus negócios e não fez nenhum homem que ele pudesse dizer algo errado, como Samuel, cujo boi ou cujas bundas eu tomei? Ele não era adúltero, mas possuía seu vaso em santificação e honra. No entanto, não era tudo o que ele jejuava duas vezes na semana, como um ato parcialmente de temperatura, em parte de devoção. Os fariseus e seus discípulos jejuavam duas vezes por semana, segunda-feira e quinta-feira. Assim, ele glorificava a Deus com seu corpo; contudo, não era tudo o que ele dava o dízimo de tudo o que possuía, de acordo com a lei, e assim glorificava a Deus com sua propriedade mundana. Agora tudo isso era muito bom e louvável. Miserável é a condição daqueles que ficam aquém da justiça deste fariseu; contudo, ele não foi aceito e por que ele não foi? (1) O seu agradecimento a Deus por isso, embora em si mesmo uma coisa boa, ainda parece ser uma mera formalidade. 
Ele não diz: Pela graça de Deus eu sou o que sou, como fez Paulo, mas o desligo com um leve Deus, agradeço-te, o qual não é mais do que uma introdução plausível a uma orgulhosa ostentação vaidosa de si mesmo. (2) Ele se orgulha disto, e habita com deleite sobre este assunto, Isaías 58: 3Como se todos os seus negócios para o templo fosse dizer ao Deus Todo-Poderoso quão bom ele era e ele está pronto para dizer, com os hipócritas de que lemos ( Isaías 58: 3 ): Por que temos jejuado e não vês? (3) Ele confiou nele como uma justiça, e não só mencionou, mas implorou, como se por este meio ele tinha merecido nas mãos de Deus, e fez dele seu devedor. (4) Aqui não há uma palavra de oração em tudo o que ele diz. Ele subiu ao templo para orar, mas esqueceu-se de sua missão, estava tão cheio de si mesmo e de sua própria bondade que achou que não precisava de nada, não do favor e da graça de Deus, que, ao que parece, ele Não acho que vale a pena perguntar. Com os hipócritas de que lemos ( Isaías 58: 3 ), por que temos jejuado, e não vês? (3) Ele confiou nele como uma justiça, e não só mencionou, mas implorou, como se por este meio ele tinha merecido nas mãos de Deus, e fez dele seu devedor. (4) Aqui não há uma palavra de oração em tudo o que ele diz. Ele subiu ao templo para orar, mas esqueceu-se de sua missão, estava tão cheio de si mesmo e de sua própria bondade que achou que não precisava de nada, não do favor e da graça de Deus, que, ao que parece, ele Não acho que vale a pena perguntar. Com os hipócritas de que lemos ( Isaías 58: 3 ), por que temos jejuado, e não vês? (3) Ele confiou nele como uma justiça, e não só mencionou, mas implorou, como se por este meio ele tinha merecido nas mãos de Deus, e fez dele seu devedor. (4) Aqui não há uma palavra de oração em tudo o que ele diz. Ele subiu ao templo para orar, mas esqueceu-se de sua missão, estava tão cheio de si mesmo e de sua própria bondade que achou que não precisava de nada, não do favor e da graça de Deus, que, ao que parece, ele Não acho que vale a pena perguntar. E não apenas o mencionou, mas o suplicou, como se por este meio ele tivesse merecido nas mãos de Deus, e fez dele seu devedor. (4) Aqui não há uma palavra de oração em tudo o que ele diz. Ele subiu ao templo para orar, mas esqueceu-se de sua missão, estava tão cheio de si mesmo e de sua própria bondade que achou que não precisava de nada, não do favor e da graça de Deus, que, ao que parece, ele Não acho que vale a pena perguntar. E não apenas o mencionou, mas o suplicou, como se por este meio ele tivesse merecido nas mãos de Deus, e fez dele seu devedor. (4) Aqui não há uma palavra de oração em tudo o que ele diz. Ele subiu ao templo para orar, mas esqueceu-se de sua missão, estava tão cheio de si mesmo e de sua própria bondade que achou que não precisava de nada, não do favor e da graça de Deus, que, ao que parece, ele Não acho que vale a pena perguntar.

2. Que desprezava os outros. (1.) Ele pensou mal de toda a humanidade, mas ele mesmo: Eu te agradeço que eu não sou como os outros homens são. Ele fala indefinidamente, como se fosse melhor do que qualquer outro. Podemos ter razão para agradecer a Deus que não somos como alguns homens são, que são notoriamente perverso e vil, mas para falar aleatoriamente, assim, como se nós só éramos bons, e todos, além de nós, eram réprobos, é julgar por atacado. (2) Ele pensou de modo particular em um modo particular deste publicano, que ele tinha deixado para trás, é provável, no tribunal dos gentios, e cuja companhia ele tinha caído como ele veio ao templo. Ele sabia que ele era um publicano e, portanto, muito carinhosamente concluiu que ele era um extorsionador, injusto, e tudo isso não é nada. Suponhamos que tivesse sido assim, e ele soubesse, que negócio teria ele de tomar conhecimento disso? Não podia dizer suas orações (e isso era tudo o que os fariseus faziam) sem censurar seus vizinhos? Ou isso era uma parte de seu Deus, eu te agradeço? E ele estava tão satisfeito com a maldade do publicano como com sua própria bondade? Não poderia haver uma evidência mais clara, não só da falta de humildade e caridade, mas de orgulho reinante e malícia, do que isso. Eu te agradeço E ele estava tão satisfeito com a maldade do publicano como com sua própria bondade? Não poderia haver uma evidência mais clara, não só da falta de humildade e caridade, mas de orgulho reinante e malícia, do que isso. Eu te agradeço E ele estava tão satisfeito com a maldade do publicano como com sua própria bondade? Não poderia haver uma evidência mais clara, não só da falta de humildade e caridade, mas de orgulho reinante e malícia, do que isso.

III. Aqui está o endereço do publicano a Deus, que era o inverso do fariseu de, tão cheio de humildade e humilhação como a sua era de orgulho e ostentação tão cheia de arrependimento pelo pecado, e desejo para Deus, como seu era de confiança em si mesmo e sua Própria justiça e suficiência.

1. Ele expressou seu arrependimento e humildade no que fez e seu gesto, quando se dirigiu a suas devoções, expressava grande seriedade e humildade, e a roupa adequada de um coração quebrado, penitente e obediente. (1.) Ele ficou de longe. O fariseu, de pé, mas cheia até o mais alto que podia, para a extremidade superior do tribunal, o publicano mantidos a uma distância sob um senso de sua indignidade de se aproximar de Deus, e talvez por medo de ofender o fariseu, a quem ele observou Para olhar com desprezo sobre ele, e de perturbar suas devoções. Por este meio ele possuía que Deus poderia justamente contemplá-lo longe, e enviá-lo para um estado de eterna distância dele, E que era um grande favor que Deus se agradou de admiti-lo assim perto. (2) Ele não levantaria tanto quanto seus olhos para o céu, muito menos suas mãos, como era usual na oração. Ele elevou seu coração a Deus nos céus, em desejos santos, mas, por meio da vergonha e humilhação prevalecentes, não levantou os olhos em santa confiança e coragem. Seus iniqüidades são ido sobre a sua cabeça, como um fardo pesado, de modo que ele é não é capaz de olhar para cima, Salmos 40:12 Salmo 40:12 . O abatimento de seus olhares é uma indicação do abatimento de sua mente ao pensar no pecado. (3) Ele feriu em seu peito, em uma santa indignação de si mesmo para o pecado: "Assim que eu iria ferir esse coração maligno da mina, a fonte envenenada do qual fluem todas as correntes do pecado, se eu poderia vir para ele." O coração do pecador o feriu pela primeira vez em repreensão penitente, 2 Samuel 24:10 .
 O coração de David o feriu. Pecador, que fizeste? E então ele fere o coração de remorso penitente: Miserável homem que eu sou? Efraim é dito a ferir em sua coxa, Jeremias 31:19 . Os grandes pesarosos são representados alimentando seus seios, Nahum 2: 7 . Que fizeste? E então ele fere seu coração com remorso arrependido: Ó homem miserável que eu sou? Efraim é dito a ferir em sua coxa, Jeremias 31:19 . Os grandes pesarosos são representados alimentando seus seios, Nahum 2: 7 . Que fizeste? E então ele fere o coração com remorso arrependido: Ó homem miserável que eu sou? Efraim é dito a ferir em sua coxa, Jeremias 31:19 . Os grandes pesarosos são representados alimentando seus seios, Nahum 2: 7 .2 Samuel 24:10 Jeremias 31:19 Naum 2: 7

2. Ele expressou o que ele disse. Sua oração era curta. O medo e a vergonha o impediram de dizer muitos suspiros e gemidos engolindo suas palavras, mas o que ele disse foi para o propósito: Deus, tenha misericórdia de mim, um pecador. E abençoado seja Deus que temos esta oração registrada como uma oração respondida, e que estamos seguros de que aquele que orou foi para sua casa justificado e assim nós, se orarmos, como ele fez, por meio de Jesus Cristo: Deus, tem misericórdia de mim, pecador, o Deus de infinita misericórdia seja misericordioso para comigo, pois, se ele não for, eu sou para sempre desfeito, para sempre miserável ... Deus tenha misericórdia de mim, pois fui cruel comigo mesmo. (1) Ele próprio é um pecador por natureza, pela prática, culpado perante Deus. Eis que sou vil, como te responderei? O fariseu nega-se a ser um pecador, nenhum dos seus vizinhos pode acusá-lo, e ele não vê razão para se auto-acusar, com qualquer coisa errado , ele é puro do pecado. Mas o publicano não dá a si mesmo outro caráter senão o de um pecador, um criminoso condenado na barra de Deus. (2) Ele não tem dependência, mas sobre a misericórdia de Deus, que, e só isso, ele confia. 
O fariseu insistiu sobre o mérito de seus jejuns e dízimos, mas o pobre publicano desmente todo pensamento de mérito e voa para a misericórdia como sua cidade de refúgio, e toma o chifre daquele altar. "Justiça me condena nada vai me salvar, mas misericórdia, misericórdia." (3.) Ele sinceramente ora para o benefício de que a misericórdia: " Ó Deus, sê propício, seja propício, me perdoe meus pecados ser reconciliado para me levar-me em teu favor me receber graciosamente me amar livremente." Ele vem como um mendigo para uma esmola, quando ele está pronto para perecer por causa da fome. Provavelmente, ele repetiu esta oração com afetos renovados, e talvez disse mais com o mesmo propósito, fez uma confissão particular de seus pecados, e mencionou as misericórdias particulares que ele queria, e esperou por Deus, mas ainda assim essa era a carga do canto: Deus , Tenha misericórdia de mim, um pecador.

IV. Aqui está a aceitação do publicano com Deus. Vimos quão diferente esses dois se dirigiam a Deus, agora vale a pena inquirir como eles aceleraram. Havia quem gritasse o fariseu, por quem iria a sua casa aplaudido, e que olharia com desprezo para este publicano choramingando furtivamente. Mas nosso Senhor Jesus, a quem todos os corações estão abertos, todos os desejos conhecidos, e de quem nenhum segredo está escondido, que está perfeitamente familiarizado com todos os procedimentos no tribunal do céu, nos assegura que esta pobre penitente, publicano, com o coração partido foi Para sua casa justificada, e não a outra. O fariseu pensou que se um deles deve ser justificado, e não o outro, certamente ele deve ser ele e não o publicano. "Não", diz Cristo, " A razão dada para isso é porque a glória de Deus é resistir aos soberbos e dar graça aos humildes. 1. Os homens orgulhosos , que se exaltam, são rivais com Deus, e , portanto , certamente serão humilhados . Deus, em seu discurso com Jó, apela a essa prova de que ele é Deus, que olha para todo o que é orgulhoso, e o abaixa , Jó 40:12 . 2. Homens humildes, que abaixam-se, estão sujeitos a Deus, e eles serão exaltados . Deus tem preferência na loja para aqueles que vão levá-lo como um favor, e não para aqueles que exigem isso como uma dívida. Ele será exaltado no amor de Deus, e a comunhão com Ele será exaltada em uma satisfação em si mesma, e exaltada por fim tão alta como o céu. Veja como o castigo responde ao pecado: aquele que se exalta será humilhado. Veja como a recompensa responde ao dever: aquele que se humilha será exaltado. Veja também o poder da graça de Deus em trazer o bem do mal, o publicano tinha sido um grande pecador, e pela grandeza de seu pecado foi trazido a grandeza de seu arrependimento para fora do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse um extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína.
 E a comunhão com ele, será exaltado em uma satisfação em si mesmo, e exaltado por fim tão alto quanto o céu. Veja como o castigo responde ao pecado: aquele que se exalta será humilhado. Veja como a recompensa responde ao dever: aquele que se humilha será exaltado. Veja também o poder da graça de Deus em trazer o bem do mal, o publicano tinha sido um grande pecador, e pela grandeza de seu pecado foi trazido a grandeza de seu arrependimento para fora do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse um extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. E a comunhão com ele, será exaltado em uma satisfação em si mesmo, e exaltado por fim tão alto quanto o céu. Veja como o castigo responde ao pecado: aquele que se exalta será humilhado. Veja como a recompensa responde ao dever: aquele que se humilha será exaltado. Veja também o poder da graça de Deus em trazer o bem do mal, o publicano tinha sido um grande pecador, e pela grandeza de seu pecado foi trazido a grandeza de seu arrependimento para fora do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse um extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. E exaltado por fim tão alto como o céu.
 Veja como o castigo responde ao pecado: aquele que se exalta será humilhado. Veja como a recompensa responde ao dever: aquele que se humilha será exaltado. Veja também o poder da graça de Deus em trazer o bem do mal, o publicano tinha sido um grande pecador, e pela grandeza de seu pecado foi trazido a grandeza de seu arrependimento para fora do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse um extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. E exaltado por fim tão alto como o céu. Veja como o castigo responde ao pecado: aquele que se exalta será humilhado. Veja como a recompensa responde ao dever: aquele que se humilha será exaltado. Veja também o poder da graça de Deus em trazer o bem do mal, o publicano tinha sido um grande pecador, e pela grandeza de seu pecado foi trazido a grandeza de seu arrependimento para fora do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse um extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. Veja como a recompensa responde ao dever: aquele que se humilha será exaltado. Veja também o poder da graça de Deus em trazer o bem do mal, o publicano tinha sido um grande pecador, e pela grandeza de seu pecado foi trazido a grandeza de seu arrependimento para fora do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. Veja como a recompensa responde ao dever: aquele que se humilha será exaltado. Veja também o poder da graça de Deus em trazer o bem do mal, o publicano tinha sido um grande pecador, e pela grandeza de seu pecado foi trazido a grandeza de seu arrependimento para fora do comedor veio carne. 
Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. E da grandeza de seu pecado foi trazida a grandeza de seu arrependimento do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse um extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. E da grandeza de seu pecado foi trazida a grandeza de seu arrependimento do comedor veio carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em tirar o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse extorsionador, nem injusto, mas o diabo o fez orgulhoso disso, para sua ruína. Jó 40:12 (notas Mathew Henrys),
fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com


Parabola Jesus a videira verdadeira João 15



                            Professor Escritor Mauricio Berwald

É geralmente concordado que o discurso de Cristo neste e no próximo capítulo foi no final da última ceia, a noite em que ele foi traído, e é um discurso contínuo, não interrompido como o que foi no capítulo anterior e o que ele escolheu Ao discurso de é muito pertinente à presente triste ocasião de um sermão de despedida. Agora que ele estava prestes a deixá-los, I. Eles seriam tentados a deixá-lo, e voltar a Moisés novamente e, portanto, ele lhes diz o quão necessário foi que eles devem pela fé aderir a ele e permanecer nele. II. Seriam tentados a crescer estranhos uns aos outros e, por isso, pressiona-os a amar-se mutuamente ea manter essa comunhão quando ele se foi, o que até então fora seu conforto. III. Eles seriam tentados a se afastar de seu apostolado quando enfrentassem dificuldades e, portanto, ele os preparava para suportar o choque da má vontade do mundo. Há quatro palavras às quais seu discurso neste capítulo pode ser reduzido. 1. Fruto, João 15: 1-8 . 2. Amor, João 15: 9-17 . 3. Ódio, João 15: 18-25 . 4. O Consolador, João 15: 26,27 .

Versículos 1-8 
Cristo a videira verdadeira.

1 Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador. 2 Todo ramo em mim que não dá fruto, tira-o; e todo ramo que dá fruto, purga-o, para que produz mais fruto. 3 Vós estais purificados pela palavra que vos tenho dito. 4 Permanecei em mim, e eu em vós. Como o ramo não pode dar fruto de si mesmo, a não ser que permaneçam na videira, não mais podeis, se não permanecerdes em mim. 5 Eu sou a videira, vós são os ramos: Aquele que permanece em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. 6 Se alguém não permanecer em mim, será lançado fora, como um ramo, e secará e os colhem, e lançou -os no fogo, e ardem. 7 Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, Pedireis o que quiserdes, e vos será feito. 8 Aqui é glorificado o meu Pai, que deis muito fruto, e assim sereis meus discípulos.

Aqui Cristo discorre sobre o fruto, os frutos do Espírito, que os seus discípulos deveriam produzir, à semelhança de uma videira. Observe aqui,

I. A doutrina desta semelhança que noção devemos ter dela.

1. Que Jesus Cristo é a videira, a videira verdadeira. É um exemplo da humildade de Cristo que ele se alegra em falar de si mesmo sob comparações baixas e humildes. Aquele que é o Sol da justiça, ea estrela brilhante e da manhã, compara-se a uma videira. A igreja, que é Cristo místico, é uma videira ( Salmo 80: 8 ), assim é Cristo, que é a igreja seminal. Cristo e sua igreja estão assim estabelecidos. (1) Ele é a videira plantada na vinha, e não um produto espontâneo plantado na terra, porque a sua é o Verbo feito carne. A videira tem um exterior feio e pouco promissor e Cristo não tinha forma nem beleza, Isaías 53: 2 . A videira é uma planta que se espalha, e Cristo será conhecido como salvação até os confins da terra. O fruto da videira honra a Deus e alegra o homem ( Juízes 9:13 ), assim o fruto da mediação de Cristo é melhor do que o ouro, Provérbios 8:19 . (2) Ele é a videira verdadeira , como a verdade se opõe à pretensão e falsificação é realmente uma planta frutífera, uma planta de renome. Ele não é como aquela videira selvagem que enganou aqueles que se juntaram dela ( 2Rs 4:39 ), mas uma videira verdadeira. Árvores infrutíferas são ditas mentir ( Habacuque 3:17 . Marg. ), Mas Cristo é uma videira que não vai enganar. Qualquer excelência que exista em qualquer criatura, útil ao homem, É apenas uma sombra daquela graça que está em Cristo para o bem do seu povo. Ele é a videira verdadeira tipificada pela videira de Judá, que o enriqueceu com o sangue da uva ( Gênesis 49:11 ), pela videira de José, cujos ramos atravessaram a parede ( Gênesis 49:22 ), pela videira de Israel. Que habitava em segurança, I Reis 4:25 .

2. Que os crentes são ramos desta videira, o que supõe que Cristo é a raiz da videira. A raiz é invisível, e nossa vida está escondida com Cristo, a raiz carrega a árvore ( Romanos 11:18 ), difunde seiva para ela e é tudo em tudo para seu florescimento e fecundidade e em Cristo são todos suportes e suprimentos. Os ramos da videira são muitos, alguns de um lado da casa ou parede, outros do outro lado ainda, encontrando na raiz, são todos, mas uma videira assim todos os bons cristãos, embora no lugar e opinião distante um do outro, Mas se encontram em Cristo, o centro de sua unidade. Os crentes, como os ramos da videira, são fracos e insuficientes para se sustentarem, mas à medida que se elevam. Veja Ezequiel 15: 2 .

3. Que o Pai é o lavrador, georgos - o trabalhador da terra. Embora a terra seja do Senhor, não lhe dá fruto a não ser que trabalhe. Deus não tem apenas uma propriedade, mas um cuidado, da videira e de todos os ramos. Ele plantou, e regou, e dá o aumento, pois somos criação de Deus, 1 Coríntios 3: 9 . Veja Isaías 5: 1,2,27: 2,3 . Ele tinha um olho em Cristo, a raiz, eo sustentava, e o fazia florescer de uma terra seca. Ele tem um olho em todos os ramos, e os poda, e vigia sobre eles, para que nada os machuque. Nunca foi qualquer lavrador tão sábio, tão atento, sobre a sua vinha, como Deus é sobre a sua igreja,

II. O dever nos ensinou esta semelhança, que é produzir fruto, e, para isso, permanecer em Cristo.

1. Devemos ser frutíferos. De uma videira procuramos uvas ( Isaías 5: 2 ), e de um cristão procuramos o cristianismo, este é o fruto, temperamento e disposição cristã, uma vida cristã e conversa, devoções cristãs e projetos cristãos. Devemos honrar a Deus, fazer o bem e exemplificar a pureza e o poder da religião que professamos e isso está dando fruto. Os discípulos aqui devem ser fecundos, como cristãos, em todos os frutos da justiça, e como apóstolos, para difundir o sabor do conhecimento de Cristo. Para persuadi-los a isso, ele insta,

(1.) O castigo dos infrutíferos ( João 15: 2 ): Eles são levados. [1] É aqui sugerido que há muitos que passam por ramos em Cristo que ainda não dão fruto. Se eles estivessem realmente unidos a Cristo pela fé, dariam fruto, mas estando apenas ligados a ele pelo fio de uma profissão externa, embora pareçam ser ramos, logo serão vistos como secos. Professores infrutíferos são professores infiéis professores, e não mais. Pode-se ler: Todo ramo que não dá fruto em mim, e vem muito para um para aqueles que não dão fruto em Cristo, e em seu Espírito e graça, são como se eles não deram fruto em tudo, Oséias 10: 1 . [2. ] É aqui ameaçado que eles serão levados, em justiça a eles e em gentileza para o resto dos ramos. Daquele que não tiver verdadeira união com Cristo, e fruto produzido por ela, será tirado até o que parecia ter, Lucas 8:18 . Alguns pensam que isso se refere principalmente a Judas.

(2) A promessa feita ao fecundo: Ele purgeth-los, para que possam trazer mais fruto. Note, [1.] Outra fecundidade é a recompensa abençoada da fecundidade futura. A primeira bênção foi: Seja fecundo e ainda é uma grande bênção. [2.] Mesmo ramos frutíferos, para sua fecundidade posterior, precisam de purgar ou podar kathairei - ele tira o que é supérfluo e luxuriante, o que dificulta o seu crescimento e fecundidade. O melhor é ter neles o que é peccant, aliquid amputandum - algo que deve ser tirado algumas noções, paixões ou humores, que querem ser purgados, o que Cristo prometeu fazer pela sua palavra e Espírito, E a providência e estes serão removidos gradualmente na estação apropriada. [3.] A purificação dos ramos férteis, para sua maior fecundidade, é o cuidado e a obra do grande lavrador, para a sua própria glória.

(3) Os benefícios que os crentes têm pela doutrina de Cristo, o poder de que eles devem trabalhar para exemplificar em uma conversa fecunda: Agora você está limpo, João 15: 3 . [1.] Sua sociedade estava limpa, agora que Judas foi expulso por aquela palavra de Cristo, O que tu fazes, faze depressa e até que eles foram libertados dele eles não estavam todos limpos. A palavra de Cristo é uma palavra distintiva, e separa entre o precioso e vil que irá purificar a igreja do primeiro-nascido no grande dia de divisão. [2.] Eram cada um deles limpo, ou seja, santificado, pela verdade de Cristo ( João 17:17 ) que a fé pela qual receberam a palavra de Cristo purificou seus corações, Atos 15: 9 . O Espírito da graça, pela palavra, os refinou da escória do mundo e da carne, e purificou dentre eles o fermento dos escribas e fariseus, de onde, ao verem sua raiva e inimizade inveteradas contra o seu Mestre, estavam agora Muito bem limpos. Aplique isso a todos os crentes. A palavra de Cristo lhes é dita, há uma virtude purificadora nessa palavra, assim como ela opera a graça, e opera a corrupção. Ele purifica como o fogo limpa o ouro de sua escória, e como física limpa o corpo de sua doença. Então, provamos que somos purificados pela palavra quando damos fruto para a santidade. Talvez aqui seja uma alusão à lei sobre as vinhas em Canaã, o fruto deles era como imundo e incircunciso, Os três primeiros anos depois de ter sido plantada, eo quarto ano foi para ser santidade de louvor ao Senhor e, em seguida, foi limpo, Levítico 19: 23,24 . Os discípulos tinham agora três anos sob a instrução de Cristo e agora vocês estão limpos.

(4.) A glória que redundará para Deus pela nossa fecundidade, com a consolação e honra que virá a nós por meio dela, João 15: 8 . Se tivermos muito fruto, [1] Nisto nosso Pai será glorificado. A fecundidade dos apóstolos, como tais, no cumprimento diligente de seu ofício, seria para a glória de Deus na conversão das almas, ea oferta delas até ele, Romanos 15: 9,16 . A fecundidade de todos os cristãos, em uma esfera inferior ou mais estreita, é para a glória de Deus. Pelas boas obras eminentes dos cristãos, muitos são trazidos para glorificar nosso Pai que está nos céus. [2.] Assim seremos os discípulos de Cristo de fato, aprovando-nos assim, e fazendo-o parecer que somos realmente o que nós nos chamamos. Assim, nós dois iremos provar nosso discipulado e adorná-lo, e sermos ao nosso Mestre por um nome, um louvor e uma glória, isto é, discípulos, Jeremias 13:11 . Assim seremos possuídos por nosso Mestre no grande dia, e teremos a recompensa dos discípulos, uma parte na alegria de nosso Senhor. E quanto mais fruto produzimos, mais abundamos naquilo que é bom, mais ele é glorificado.

2. A fim de nossa fecundidade, devemos permanecer em Cristo, manter a nossa união com ele pela fé, e fazer tudo o que fazemos na religião na virtude dessa união. Aqui está,

(1) O dever ordenado ( João 15: 4 ): Permanecei em mim, e eu em vós. Note-se, É a grande preocupação de todos os discípulos de Cristo constantemente manter uma dependência de Cristo e comunhão com ele, habitualmente a aderir a ele, e, na verdade, para obter fornecimentos dele. Aqueles que vieram a Cristo devem habitar nele: " Permanecei em mim, pela fé e eu em vós, pelo meu Espírito habite em mim, e então não temais, mas eu habitaré em vós ", porque a comunhão entre Cristo e os crentes nunca falha Do seu lado. Devemos permanecer na palavra de Cristo por uma consideração a ela, e isto em nós como uma luz a nossos pés. Devemos permanecer no mérito de Cristo como nossa justiça e nosso apelo, E isso em nós como nosso apoio e conforto. O nó do ramo permanece na videira, e a seiva da videira permanece no ramo, e assim há uma comunicação constante entre eles.

(2.) A necessidade de nossa permanência em Cristo, a fim de nossa fecundidade ( João 15: 4,5 ): " Você não pode dar fruto, exceto vós permanecerdes em mim , mas, se o fizer, você trazer muito fruto para , em suma, sem mim, ou separado de mim, nada podeis fazer. "Então necessária é para o nosso conforto e felicidade que ser fecundo, que o melhor argumento para envolver-nos permanecer em Cristo é, que de outra forma não podemos ser Frutífero. [1.] Permanecer em Cristo é necessário para que possamos fazer muito bem. Aquele que é constante no exercício da fé em Cristo e do amor a ele, que vive em suas promessas e é conduzido pelo seu Espírito, produz muito fruto, é muito útil para a glória de Deus, E seu próprio relato no grande dia. Note, União com Cristo é um princípio nobre, produtivo de todo o bem. Uma vida de fé no Filho de Deus é incomparavelmente a vida mais excelente que um homem pode viver neste mundo é regular e mesmo, pura e celestial é útil e confortável, e tudo o que responde ao fim da vida. [2.] É necessário que façamos algum bem. Não é apenas um meio de cultivar o bem, mas é a raiz ea fonte de todo o bem: " Sem mim, nada podes fazer: não só não há grande coisa, curar os doentes, Morto, mas nada. Nota, Temos como necessidade e constante uma dependência da graça do Mediador para todas as ações da vida espiritual e divina como temos sobre a providência do Criador para todas as ações da vida natural para, como para ambos, é em O poder divino que vivemos, nos movemos e temos nosso ser. Abstraído do mérito de Cristo, nada podemos fazer para a nossa justificação e do Espírito de Cristo nada para a nossa santificação. Sem Cristo nada podemos fazer direito, nada que seja fruto agradável a Deus ou proveitoso para nós mesmos, 2 Coríntios 3: 5 . Dependemos de Cristo, não apenas como a videira sobre a parede, para o apoio, mas, como o ramo na raiz, para a seiva. É no poder divino que vivemos, nos movemos e temos nosso ser. Abstraído do mérito de Cristo, nada podemos fazer para a nossa justificação e do Espírito de Cristo nada para a nossa santificação. Sem Cristo nada podemos fazer direito, nada que seja fruto agradável a Deus ou proveitoso para nós mesmos, 2 Coríntios 3: 5 . 
Dependemos de Cristo, não apenas como a videira sobre a parede, para o apoio, mas, como o ramo na raiz, para a seiva. É no poder divino que vivemos, nos movemos e temos nosso ser. Abstraído do mérito de Cristo, nada podemos fazer para a nossa justificação e do Espírito de Cristo nada para a nossa santificação. Sem Cristo nada podemos fazer direito, nada que seja fruto agradável a Deus ou proveitoso para nós mesmos, 2 Coríntios 3: 5 . Dependemos de Cristo, não apenas como a videira sobre a parede, para o apoio, mas, como o ramo na raiz, para a seiva. Nada que seja fruto agradável a Deus ou proveitoso para nós mesmos, 2 Coríntios 3: 5 . Dependemos de Cristo, não apenas como a videira sobre a parede, para o apoio, mas, como o ramo na raiz, para a seiva. Nada que seja fruto agradável a Deus ou proveitoso para nós mesmos, 2 Coríntios 3: 5 . Dependemos de Cristo, não apenas como a videira sobre a parede, para o apoio, mas, como o ramo na raiz, para a seiva.

(3) As conseqüências fatais de abandonar Cristo ( João 15: 6 ): Se alguém não permanece em mim, é lançado fora como um ramo. Esta é uma descrição do estado terrível dos hipócritas que não estão em Cristo, e dos apóstatas que não permanecem em Cristo. [1] Eles são lançados como ramos secos e secos, que são arrancados, porque eles pesam sobre a árvore. É justo que aqueles não devem ter nenhum benefício por Cristo que pensam que eles não precisam dele e que aqueles que o rejeitam devem ser rejeitados por ele. Aqueles que não permanecem em Cristo serão abandonados por ele, deixados a si mesmos, a cair em pecado escandaloso, e então são justamente expulsos da comunhão dos fiéis. [2.] Eles estão secos, como um ramo quebrado da árvore. Aqueles que não permanecem em Cristo, embora possam florescer por algum tempo em uma profissão plausível, pelo menos um passável, mas em pouco tempo murchar e vir a nada. Suas partes e presentes murcham seu zelo e devoção murcham seu crédito e reputação murcham suas esperanças e confortos, Job 8: 11-13 . Note: Aqueles que não dão fruto, depois de algum tempo não terão folhas. Quão logo a figueira secou, que Cristo amaldiçoou! [3] Os homens os recolhem. Os agentes e emissários de Satanás os apanham e fazem deles uma presa fácil. Aqueles que caem de Cristo atualmente caem com os pecadores e as ovelhas que vagueiam do aprisco de Cristo, o diabo está pronto para tomá-los por si mesmo. Quando o Espírito do Senhor se afastou de Saul, Um espírito maligno o possuía. [4] Eles os lançam no fogo, isto é, são lançados no fogo, e aqueles que os seduzem e os atraem para o pecado, os lançam ali, de facto, para os fazerem filhos do inferno. 
O fogo é o lugar mais apto para os ramos secos, pois eles são bons para nada mais, Ezequiel 15: 2-4 . [5] Eles são queimados isso segue, é claro, mas é aqui adicionado muito enfaticamente, e torna a ameaça muito terrível. Eles não serão consumidos em um momento, como espinhos debaixo de uma panela ( Eclesiastes 7: 6 ), mas kaietai , eles estão queimando para sempre em um fogo, que não só não pode ser extinguido, mas nunca vai gastar. Isto vem de abandonar Cristo, Este é o fim de árvores estéreis. Os apóstatas são duas vezes mortos ( Judas 1:12 ), e quando é dito: Eles são lançados no fogo e são queimados, ele fala como se fossem duas vezes condenado. Alguns aplicam homens que os ajuntam ao ministério dos anjos no grande dia, quando ajuntarem do reino de Cristo todas as coisas que ofendem e juntarem a joia para o fogo.

4. O abençoado privilégio que têm os que habitam em Cristo ( John 15:7João 15: 7 ): Se as minhas palavras residirem em vós, pedireis o que quiserdes de meu Pai em meu nome, e será feito. [1] Como a nossa união com Cristo é mantida - pela palavra: Se você permanece em mim, ele disse antes, e eu em você aqui ele se explica, e minhas palavras permanecem em você, pois está na Palavra que Cristo está posto diante de nós, e oferecido a nós, Romans 10:6-8Romanos 10: 6-8 . É na palavra que recebemos e abraçamos, e onde a palavra de Cristo habita ricamente ali habita Cristo. Se a palavra é o nosso guia constante e monitor, se ele está em nós como em casa, Então permanecemos em Cristo, e ele em nós. [2.] Como a nossa comunhão com Cristo é mantida - pela oração: Você deve pedir o que quiser, e isso será feito para você. E o que podemos desejar mais do que ter o que queremos para pedir? Note: Aqueles que permanecem em Cristo como o deleite do seu coração terão, através de Cristo, o desejo de seu coração. Se temos a Cristo, não queremos nada que seja bom para nós. Duas coisas estão implícitas nessa promessa: - Primeiro, que se permanecermos em Cristo e sua palavra em nós, não pediremos nada além do que deve ser feito por nós. As promessas que permanecem em nós estão prontas para serem transformadas em orações e as orações assim reguladas não podem senão acelerar. Em segundo lugar,

Versículos 9-17 
O Amor de Cristo aos Seus Discípulos.

9 Como o Pai me amou, assim também eu vos amei; permanecei no meu amor. 10 Se guardardes os meus mandamentos, permanecerdes no meu amor, assim como tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor. 11 Estas coisas vos tenho dito, para que o meu gozo permaneça em vós, e para que o vosso gozo seja completo. 12 Este é o meu mandamento: Que vos ameis uns aos outros, como eu vos amei. 13 Ninguém tem maior amor do que este, para dar a vida por seus amigos. 14 Vós sois meus amigos, se fizerdes o que eu vos ordeno. 15 De agora em diante eu não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas eu vos chamei amigos, pois tudo o que ouvi de meu Pai vos tenho dado a conhecer. 16 Não me escolhestes, mas eu vos escolhi, e vos ordenei, Para que vades e dêem fruto, e para que o vosso fruto permaneça; para que tudo o que pedirdes ao Pai em meu nome, ele vos dê. 17 Estas coisas vos ordeno que vos ameis uns aos outros.

Cristo, que é o próprio amor, está aqui discursando sobre o amor, um amor quádruplo.

I. Sobre o amor do Pai a ele e sobre isso, ele nos diz: 1. Que o Pai o amou ( John 15:9João 15: 9 ): Como o Pai me amou. Ele o amava como Mediador: Este é o meu Filho amado. Ele era o Filho do seu amor. Ele o amou, e entregou tudo na sua mão , mas amou o mundo de tal maneira que o entregou por todos nós. Quando Cristo estava entrando em seus sofrimentos, ele se consolou com isto, que seu Pai o amava. Aqueles a quem Deus ama como Pai podem desprezar o ódio de todo o mundo. 2. Que permaneceu no amor de seu Pai, John 15:10João 15:10 . Ele amava continuamente o seu Pai, e era amado por ele. Mesmo quando ele foi feito pecado e uma maldição para nós, E agradou ao Senhor feri-lo, mas ele permaneceu no amor de seu Pai. Veja Psalm 89:33Salmos 89:33 . Porque ele continuou a amar seu Pai, ele foi alegremente através de seus sofrimentos, e, portanto, seu Pai continuou a amá-lo. 3. Que, portanto, ele permaneceu no amor de seu Pai, porque ele manteve a lei de seu Pai. Tenho guardado os mandamentos de meu Pai, como Mediador, e assim permaneço em seu amor. Por isso ele mostrou que continuava a amar o seu Pai, que prosseguiu, e prosseguiu, com sua empreitada, e, portanto, o Pai continuou a amá-lo. Sua alma se deleitou nele, porque não falhou, nem se desanimou, Isaiah 42:1-4Isaías 42: 1-4 . Nós, tendo quebrado a lei da criação,

II. Quanto ao seu próprio amor aos seus discípulos. Embora os deixe, ele os ama. E observe aqui,

1. O padrão deste amor: Como o Pai me amou, assim também eu vos amei. Uma expressão estranha da graça condescendente de Cristo! Como o Pai o amava, que era muito digno, ele os amava, que eram os mais indignos. O Pai o amou como seu Filho, e os ama como seus filhos. O Pai deu todas as coisas em sua mão , assim, com ele mesmo, ele livremente nos dá tudo. O Pai o amava como Mediador, como cabeça da igreja, e grande depositário da graça e do favor divinos, que ele não tinha para si só, mas para o benefício daqueles para quem foi confiado e, diz ele, "Eu tenho Fiel depositário, como o Pai me confiou o seu amor, assim vos o transmito. Por isso o Pai se agradou dele, Ephesians 1:6

2. As provas e os produtos deste amor, que são quatro: -

(1.) Cristo amou seus discípulos, para que ele deu a sua vida por eles ( John 15:13João 15:13 ): Maior prova de amor Ninguém tem para mostrar do que isso, para dar a sua vida para o seu amigo. E este é o amor com que Cristo nos amou, ele é o nosso antipsicósio - fiança para nós, corpo para corpo, vida para vida, embora ele soubesse nossa insolvência, e previu quanto o compromisso lhe custaria. Observe aqui, [1.] A extensão do amor dos filhos dos homens uns aos outros. A maior prova disto é que estabelece a própria vida para um amigo, para salvar sua vida, e talvez tenha havido algumas conquistas tão heróico de amor, mais do que arrancar um ' Galatians 4:15Seus próprios olhos, Gálatas 4:15 . Se tudo o que um homem tem, ele dará por sua vida, quem dá isto por seu amigo dá tudo e não pode dar mais, às vezes isso pode ser nosso dever, 1 John 3:161 João 3:16 . Paulo era ambicioso da honra ( Philippians 2:17Filipenses 2:17 ) e para um homem bom alguns até se atreverão a morrer, Romanos 5: 7 Romanos 5: 7 . É o amor no mais alto grau, que é forte como a morte. [2.] A excelência do amor de Cristo além de todo o outro amor. Ele não só igualou, mas superou, os amantes mais ilustres. Outros deram suas vidas, contentes que eles deveriam ser tirados deles, mas Cristo deu a sua, não foi apenas passivo, mas fez dele o seu próprio ato e ação. 
A vida que outros estabeleceram tem sido de igual valor com a vida para a qual foi estabelecida, e talvez menos valiosa, mas Cristo é infinitamente mais valioso do que dez mil de nós. Outros, assim, deram a vida por seus amigos, mas Cristo colocou a sua para nós quando éramos inimigos, Romanos 5: 8,10 . Estes corações devem ser mais duros do que o ferro ou a pedra, que não são suavizados por uma doçura tão incomparável do amor divino. - Calvin. Mas Cristo colocou o seu para nós quando éramos inimigos, Romanos 5: 8,10 . Estes corações devem ser mais duros do que o ferro ou a pedra, que não são suavizados por uma doçura tão incomparável do amor divino. - Calvin. Mas Cristo colocou o seu para nós quando éramos inimigos, Romanos 5: 8,10 . Estes corações devem ser mais duros do que o ferro ou a pedra, que não são suavizados por uma doçura tão incomparável do amor divino. - Calvin.Romanos 5: 8 , 10

(2) Cristo amou seus discípulos, porque os levou a um pacto de amizade consigo mesmo, João 15: 14,15 . "Se vos aprovardes pela vossa obediência, meus discípulos, verdadeiramente, sois meus amigos, e sereis tratados como amigos". Note, Os seguidores de Cristo são os amigos de Cristo, e ele está graciosamente satisfeito de chamar e conta-los assim. Aqueles que fazem o dever de seus servos são admitidos e avançados para a dignidade de seus amigos. Davi tinha um servo na sua corte, e Salomão um no seu, que era de uma maneira particular o amigo do rei (2 Samuel 15:37, 1 Reis 4: 5 ), mas esta honra tem todos os servos de Cristo. Podemos, em algum caso particular fazer amizade com um estranho, mas defendemos todos os interesses de um amigo, E nos preocupamos em todos os seus cuidados: assim Cristo leva os crentes a serem seus amigos. Ele os visita e conversa com eles como seus amigos, os leva com eles e faz o melhor deles, é aflito em suas aflições, e se alegra em sua prosperidade, ele suplica para eles no céu e cuida de todos os seus interesses lá. Ter amigos, mas uma alma? Aquele que está unido ao Senhor é um só espírito, 1 Coríntios 6:17 . Embora eles muitas vezes se mostram hostis, ele é um amigo que ama em todos os momentos. 

Observe quão afetuosamente isso é expresso aqui. [1.] Ele não os chamará servos, embora o chamem Mestre e Senhor. Aqueles que seriam como Cristo em humildade não devem se orgulhar de insistir em todas as ocasiões com sua autoridade e superioridade, mas lembrem-se de que seus servos são seus companheiros de serviço. Mas, [2.] Ele os chamará de seus amigos , não só os amará, mas os fará saber, pois em sua língua é a lei da bondade. Depois de sua ressurreição, ele parece falar com ternura mais afetuosa de e para com seus discípulos do que antes. Vai aos meus irmãos, João 20:17 . Filhos, você tem alguma carne? João 21: 5 . Mas observem, embora Cristo os chamasse seus amigos, eles se chamavam seus servos: Pedro, Um servo de Cristo ( 1 Pedro 1: 1 ), e assim Tiago, Tiago 1: 1 . Quanto mais honra Cristo coloca sobre nós, mais honra devemos estudar para fazer-lhe o mais elevado em seus olhos, o mais baixo no nosso próprio.João 15:14 , 15 (2 Samuel 15:37 1 Reis 4: 5 1 Coríntios 6:17 João 20:17 João 21: 5 1 Pedro 1: 1 Tiago 1: 1

(3) Cristo amou seus discípulos, porque ele era muito livre em comunicar-lhes a mente ( João 15:15 João 15:15 ): "De agora em diante, não se guardará tanto na escuridão como vocês foram, como servos que só são contados Sua obra atual, mas, quando o Espírito for derramado, vocês conhecerão os projetos de seu Mestre como amigos. Tudo o que ouvi de meu Pai, eu lhes declarei. "Quanto à vontade secreta de Deus, há muitas coisas que Devemos nos contentar em não saber, mas, quanto à vontade revelada de Deus, Jesus Cristo nos entregou fielmente o que recebeu do Pai, João 1:18 ; Mateus 11:27 . As grandes coisas relacionadas com a redenção do homem Cristo declarou aos seus discípulos, João 1:18 Mateus 11:27 Mateus 13:11

(4) Cristo amou seus discípulos, porque ele os escolheu e os ordenou para serem os principais instrumentos de sua glória e honra no mundo ( João 15:16João 15:16 ): Eu vos escolhi, e vos designei ;

[1.] Na sua eleição, a sua eleição para o seu apostolado ( João 6:70 João 6:70 ): Eu escolhi vocês doze. Não começou do seu lado: Você não me escolheu, mas primeiro escolhi você. Por que eram admitidos a tal intimidade com ele, empregados em tal embaixada para ele, e dotados de tal poder do alto? Não foi devido à sua sabedoria e bondade ao escolhê-lo para o seu Mestre, mas a seu favor e graça ao escolhê-los para seus discípulos. É adequado que Cristo tenha a escolha de seus próprios ministros, mas ele o faz por sua providência e Espírito. Embora os ministros façam essa chamada sagrada sua própria escolha, a escolha de Cristo é anterior à deles e a dirige e determina. Deuteronômio 7: 7 , 8

[2] Em sua ordenação: Eu te ordenei hetheka hymas - " Eu te coloquei no ministério ( 1 Timóteo 1:12 1 Timóteo 1:12 ), colocá-lo em comissão." Parecia que ele os tomava por seus amigos, quando coroava a cabeça com tal honra, e enchia suas mãos de tal confiança. Era uma confiança poderosa que ele depositava neles, quando os fez embaixadores para negociar os assuntos de seu reino neste mundo inferior, e os primeiros ministros de Estado na administração dele. O tesouro do evangelho foi cometido a eles, Primeiro, Que possa ser propagado: que você deve ir, hina hymeis hypagete - " que você deve ir como sob um jugo ou fardo, Porque o ministério é uma obra, e vós que fazes isso deves resolver submeter- vos a muitas coisas para que vades de um lugar para outro todo o mundo, e produzais fruto. "Eles foram ordenados, não para ficar quietos, mas para ir, para ser diligente em seu trabalho, e para colocar-se incansavelmente em fazer o bem.Eles foram ordenados, não para bater o ar, mas para ser instrumental na mão de Deus para A trazer as nações para a obediência a Cristo, Romanos 1:13 Note: Aqueles que Cristo ordena devem e devem ser frutíferos devem trabalhar e não trabalhar em vão. Segundo, para perpetuar que o fruto permaneça, Bom efeito de seus trabalhos pode continuar no mundo de geração em geração, Até o fim dos tempos. A igreja de Cristo não deveria ser uma coisa de curta duração, como muitas das seitas dos filósofos, que eram uma maravilha de nove dias que não surgiu em uma noite, nem deve perecer em uma noite, mas ser como Os dias do céu. 
Os sermões e escritos dos apóstolos são transmitidos a nós, e nós, neste dia, são construídos sobre esse fundamento, desde que a igreja cristã foi fundada pela primeira vez pelo ministério dos apóstolos e setenta discípulos como uma geração de ministros e cristãos já passou , Ainda outro veio. Em virtude dessa grande carta ( Mateus 28:19 ), Cristo tem uma igreja no mundo, que, como dizem os nossos advogados dos corpos corporativos, não morre,Romanos 1:13 Mateus 28:19

[3] Seu amor a eles apareceu no interesse que eles tinham no trono da graça: Tudo o que você pedir ao meu Pai, em meu nome, ele o dará. Provavelmente isso se refere, em primeiro lugar, ao poder de operar milagres com os quais os apóstolos estavam vestidos, o que seria extraído pela oração. "Quaisquer que sejam os dons necessários para o avanço de seus trabalhos, qualquer ajuda do céu que você tenha ocasião para em qualquer momento, é apenas pedir e ter". Três coisas aqui são sugeridas para nós para nosso encorajamento na oração, e muito encorajadoras são. Primeiro, Que temos um Deus para ir a quem é um Pai Cristo aqui o chama de Pai, tanto meu como seu, eo Espírito na Palavra e no coração nos ensina a chorar, Abba, Pai. Em segundo lugar, Que nós vimos em um bom nome. Qualquer que seja a missão que nos encontremos no trono da graça de acordo com a vontade de Deus, podemos, com humilde ousadia, mencionar o nome de Cristo nele, e implorar que estamos relacionados com ele, e ele está preocupado por nós. Em terceiro lugar, Que uma resposta de paz nos é prometida. O que você veio para você será dado. Esta grande promessa feita a esse grande dever mantém uma relação confortável e lucrativa entre o céu ea terra.

III. Quanto ao amor dos discípulos a Cristo, ordenado em consideração do grande amor com que os tinha amado. Três coisas que ele exorta a: -

1. Continuar em seu amor, João 15: 9João 15: 9 . "Continue em seu amor para mim, e no meu para você." Devemos colocar nossa felicidade na continuidade do amor de Cristo para conosco, e tornar nosso trabalho dar provas contínuas de nosso amor a Cristo, para que nada nos tente a retirar-se, ou provocá-lo a retirar-se de nós. Note: Todos os que amam a Cristo devem continuar em seu amor para com ele, isto é, estar sempre amando-o, e tomando todas as ocasiões para mostrá-lo, e amar até o fim. Os discípulos deveriam ir ao serviço de Cristo, no qual eles encontrariam muitos problemas, mas, diz Cristo: " Continuai em meu amor, mantenham o vosso amor para mim, e então todos os problemas que encontrardes serão amor fácil Sete anos de serviço duro fácil para Jacob.

2. Que a sua alegria permaneça neles, e os encha, João 15:11João 15:11 . Isso ele projetou naqueles preceitos e promessas que lhes foram dadas.

(1.) Que sua alegria poderia permanecer neles. As palavras são colocadas assim, no original, que podem ser lidas ou, [1.] Que minha alegria em você pode permanecer. Se eles produzem muito fruto e continuam em seu amor, ele continuará se alegrando neles como tinha feito. Nota, os discípulos fecundos e fiéis são a alegria do Senhor Jesus, ele descansa em seu amor a eles, Sofonias 3:17 Sofonias 3:17 . Como há um transporte de alegria no céu na conversão dos pecadores, assim há uma alegria restante na perseverança dos santos. Ou, [2.] Que a minha alegria, isto é, a sua alegria em mim, possam permanecer. É a vontade de Cristo que seus discípulos se regozijem continuamente e continuamente nele, Filipenses 4: 4 . A alegria do hipócrita é apenas por um momento, mas a alegria daqueles que permanecem no amor de Cristo é uma festa contínua. A palavra do Senhor, que permanece para sempre, as alegrias que dela derivam, e se fundam nela, também o fazem.Filipenses 4: 4

(2) Para que a vossa alegria esteja cheia, não só para que sejais cheios de alegria, mas para que a vossa alegria em mim e no meu amor possa elevar-se cada vez mais, até que ela chegue à perfeição, quando entrardes na alegria da vossa Senhor. "Note, [1] Aqueles e só esses que têm a alegria de Cristo permanecendo neles têm as suas alegrias mundanos cheios alegria estão vazios, logo surfeit mas nunca satisfazer É alegria única de sabedoria que vai encher a alma,. Salmo 36: 8 Salmo 36: 8 . [ 2.] O projeto de Cristo em seu mundo é preencher a alegria de seu povo ver 1 João 1: 4. Este e o outro tem dito, para que nosso gozo seja cada vez mais completo e perfeito.1 João 1: 4

3. Para evidenciar seu amor a ele, guardando os seus mandamentos: " Se guardares os meus mandamentos, permanecerás no meu amor, João 15:10 João 15:10 . Isto será uma prova da fidelidade e constância do teu amor para mim, e então Você pode ter certeza da continuidade do meu amor para você. " Observe aqui, (1.) A promessa " Você permanecereis no meu amor como em um lugar de habitação, em casa no amor de Cristo como em um lugar de descanso, à vontade no amor de Cristo como em uma fortaleza, seguro nele. Permanecereis Em meu amor, terás graça e força para perseverar em amar-me ". Se a mesma mão que derramou pela primeira vez o amor de Cristo em nossos corações não nos manteve nesse amor, não devemos longamente permanecer nele, mas, através do amor do mundo, Deve sair do amor com o próprio Cristo. (2) A condição da promessa: Se guardares os meus mandamentos. Os discípulos deveriam cumprir os mandamentos de Cristo, não só por uma constante conformidade com eles mesmos, mas por uma entrega fiel deles a outros, eles deveriam mantê-los como depositários, em cujas mãos se depositou aquele grande depósito , pois eles deveriam ensinar a todos Coisas que Cristo havia ordenado, Mateus 28:20 . Este mandamento deve manter-se sem mancha ( 1 Timóteo 6:14 ), e assim eles devem mostrar que eles permanecem em seu amor. Os discípulos deveriam cumprir os mandamentos de Cristo, não só por uma constante conformidade com eles mesmos, mas por uma entrega fiel deles a outros, eles deveriam mantê-los como depositários, em cujas mãos se depositou aquele grande depósito , pois eles deveriam ensinar a todos Coisas que Cristo havia ordenado, Mateus 28:20 . Este mandamento deve manter-se sem mancha ( 1 Timóteo 6:14 ), e assim eles devem mostrar que eles permanecem em seu amor. Os discípulos deveriam cumprir os mandamentos de Cristo, não só por uma constante conformidade com eles mesmos, mas por uma entrega fiel deles a outros, eles deveriam mantê-los como depositários, em cujas mãos se depositou aquele grande depósito , pois eles deveriam ensinar a todos Coisas que Cristo havia ordenado, Mateus 28:20 . Este mandamento deve manter-se sem mancha ( 1 Timóteo 6:14 ), e assim eles devem mostrar que eles permanecem em seu amor. Porque eles deveriam ensinar tudo o que Cristo havia ordenado, Mateus 28:20 . Este mandamento deve manter-se sem mancha ( 1 Timóteo 6:14 ), e assim eles devem mostrar que eles permanecem em seu amor. Porque eles deveriam ensinar tudo o que Cristo havia ordenado, Mateus 28:20 . Este mandamento deve manter-se sem mancha ( 1 Timóteo 6:14 ), e assim eles devem mostrar que eles permanecem em seu amor.Mateus 28:20 1 Timóteo 6:14

Para induzi-los a guardar os seus mandamentos, ele insiste, [1.] Seu próprio exemplo: Como eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permanecem em seu amor. Cristo submeteu-se à lei da mediação e assim preservou a honra eo conforto dela, para nos ensinar a submeter-nos às leis do Mediador, pois não podemos de outro modo preservar a honra e o conforto de nossa relação com ele. [2.] A necessidade dele a seu interesse nele ( João 15:14John 15:14 ): " Você é meus amigos se você fizer tudo o que eu o mando e não de outra maneira." Note-se, primeiro, que só serão considerados os fiéis amigos de Cristo que se aprovam de seus servos obedientes para aqueles que não querem que ele reine sobre eles serão tratados como seus inimigos. Idem velle et idem nolle ea demum vera est amicitia - A amizade envolve uma comunhão de aversões e apegos. - Salvo. Em segundo lugar, é a obediência universal a Cristo que é a única obediência aceitável para obedecê-lo em tudo o que ele nos ordena, não exceção, muito menos exceção contra, qualquer comando.

IV. Em relação ao amor dos discípulos uns aos outros, prescrito como uma prova de seu amor a Cristo, e um retorno grato por seu amor para eles. Devemos guardar os seus mandamentos, e este é o seu mandamento, que nos amemos uns aos outros, João 15: 12,17 . Nenhum dever de religião é mais freqüentemente inculcado, nem mais pateticamente exortado a nós, por nosso Senhor Jesus, do que o de amor mútuo, e por boas razões. 1. É aqui recomendado pelo padrão de Cristo ( João 15:12 ): como eu vos amei. O amor de Cristo para conosco deve dirigir e envolver nosso amor uns para com os outros dessa maneira, e por esse motivo, devemos amar uns aos outros, porque e porque, Cristo nos amou. Ele aqui especifica algumas das expressões de seu amor para eles que ele chamou de amigos, comunicou sua mente para eles, estava pronto para dar-lhes o que eles pediram. 
Vá e faça o mesmo. 2. É exigido por seu preceito. Ele interpõe sua autoridade, tornou-a uma das leis estatutárias de seu reino. Observem quão diferente é expressa em João 15: 12,17 , e ambas muito enfáticas. (1) Este é o meu mandamento ( João 15:12 ), como se este fosse o mais necessário de todos os mandamentos. Como sob a lei a proibição da idolatria era o mandamento mais insistente do que qualquer outro, prevendo o viciado do povo a esse pecado, assim Cristo, prevendo o vício da igreja cristã à uncaritableness, Tem colocado mais estresse sobre este preceito. (2.) Estas coisas vos ordeno, João 15:17 . Ele fala como se estivesse prestes a dar-lhes muitas coisas a seu cargo, e, no entanto, nomeia isso apenas, que você ama uns aos outros não só porque isso inclui muitos deveres, mas porque terá uma boa influência sobre todos.João 15:12 , 17 João 15:12 João 15:12 , 17 João 15:12 João 15:17.(notas Mathew Henrys).
fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Parábola do semeador MT 13.1-13


                      PARABOLA DO SEMEADOR Mateus 13.1-15


                            Professor Escritor Mauricio Berwald


Neste capítulo, temos, I. O favor que Cristo fez a seus compatriotas na pregação do reino dos céus para eles, Mateus 13: 1-2 . Ele pregou-lhes em parábolas, e aqui dá a razão pela qual ele escolheu esse modo de instruir, Mateus 13: 10-17 . E o evangelista dá outra razão, Mateus 13: 34,35 . Há oito parábolas registradas neste capítulo, que são projetadas para representar o reino dos céus, o método de plantar o reino do evangelho no mundo, e de seu crescimento e sucesso. As grandes verdades e leis desse reino estão em outras escrituras colocadas claramente, e sem parábolas: mas algumas circunstâncias de seu início e progresso estão aqui abertas em parábolas. 1. Aqui está uma parábola para mostrar quais são os grandes impedimentos das pessoas lucrando com a palavra do evangelho, e em quantos ele vem curto de seu fim, através de sua própria loucura, e que é a parábola dos quatro tipos de terra, entregue , Mateus 13: 3-9 , e exposto, Mateus 13: 18-23 . 2. Aqui estão duas parábolas destinadas a mostrar que haveria uma mistura de bons e maus na igreja do evangelho, que continuaria até a grande separação entre eles no dia do juízo: a parábola da joia colocada adiante ( Mateus 13:24 -30 ), e expôs a pedido dos discípulos ( Mateus 13: 36-43 ) ea da rede lançada no mar, Mateus 13: 47-50 . 3. Aqui estão duas parábolas destinadas a mostrar que a igreja evangélica deve ser muito pequena no começo, mas que no decorrer do tempo ela deve se tornar um corpo considerável: o do grão de mostarda ( Mateus 13: 31,32 ), e que Do fermento, Mateus 13:33 . 4. Aqui estão duas parábolas destinadas a mostrar que aqueles que esperam a salvação pelo evangelho devem estar dispostos a arriscar tudo e deixar tudo, na perspectiva dele, e que eles não serão perdedores pelo negócio que do tesouro escondeu O campo ( Mateus 13:44 ), e o da pérola de grande preço, Mateus 13: 45,46 . 5. Aqui está uma parábola destinada a orientar os discípulos, Para fazer uso das instruções que ele tinha dado para o benefício dos outros e que é a parábola do bom chefe de família, Mateus 13: 51,52 . II. O desprezo que seus compatriotas lhe impuseram por causa da mesquinhez de sua filiação, Mateus 13: 53-58 .

Versículos 1-23 
A parábola do semeador Por que Cristo ensinou nas parábolas do semeador e da semente.
1 Nesse mesmo dia saiu Jesus da casa, e assentou-se ao lado do mar. 2 E grande multidão se ajuntaram a ele, de modo que ele entrou em um barco, e sentou-se e toda a multidão estava na praia. 3 E falou-lhes muitas coisas por parábolas, dizendo: Eis que um semeador saiu para semear 4 E, quando semeou, algumas sementes caíram ao lado do caminho, e as aves vieram e as devoraram. 5 Algumas caíram em lugares pedregosos , Onde eles não tinham muita terra; e logo surgiram, porque não tinham terra profunda. 6 E, levantando-se o sol, queimaram-se e porque não tinham raiz, secaram-se. 7 E alguns caíram entre os espinhos, e os espinhos brotaram, e os sufocaram. 8 Mas outros caíram em boa terra, e deram fruto, uns cem vezes, sessenta, Cerca de trinta vezes. 9 Quem tem ouvidos para ouvir, ouça. 10 E vieram os discípulos, e disseram-lhe: Por que lhes falas por parábolas? 11 Ele respondeu e disse-lhes: Porque vos é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não é dado. 12 Pois aquele que tem, a ele será dado, e ele terá mais abundância; mas qualquer que não tiver, dele será tirado até o que tem. 13 Por isso falo-lhes em parábolas; porque, vendo não vêem e ouvindo, não ouvem, nem entendem. 14 E neles se cumpriu a profecia de Isaías, que diz: Ouvindo, ouvireis, e não entendereis, e vereis, e não perceberás. 15 Pois o coração deste povo é grosseiro, E os seus ouvidos estão abafados, e os seus olhos fecharam-se, para que nunca vissem com os olhos, e ouvisse com os ouvidos, e entendessem com o coração, e se convertessem, e eu os curasse. 16 Bem-aventurados os vossos olhos, porque vêem; e os vossos ouvidos, porque ouvem. 17 Porque em verdade vos digo que muitos profetas e justos homens desejaram ver aquelas coisas que vós vedes, e não o viram -los e ouvir aquelas coisas que ouvis e não ouviram eles. 18 Ouvi, pois, a parábola do semeador. 19 Quando alguém ouvir a palavra do reino e não a entender , então virá o ímpio , e arrancará o que foi semeado no seu coração. Este é ele que recebeu a semente pelo caminho. 20 Mas aquele que recebeu a semente em lugares pétreos, aquele é o que ouve a palavra, e com alegria a recebe; 21 contudo não se enraizou em si mesmo, mas durou por algum tempo; porque quando a tribulação ou a perseguição se levantam por causa da Palavra, de vez em quando ele se ofende. 22 O que recebeu a semente entre os espinhos, é aquele que ouve a palavra e os cuidados deste mundo, e o engano das riquezas, sufoca a palavra, e torna-se infrutífero. 23 Mas aquele que recebeu semente na boa terra é aquele que ouve a palavra,

Temos aqui a pregação de Cristo, e podemos observar,

1. Quando Cristo pregou este sermão, foi o mesmo dia em que ele pregou o sermão no capítulo precedente: tão incansável ele estava fazendo o bem, e trabalhando as obras daquele que o enviou. Note-se que Cristo foi para pregar as duas extremidades do dia, e que por seu exemplo recomendou que a prática de sua igreja, temos de manhã semear a nossa semente, e à noite não reter a nossa mão, Eclesiastes 11: 6Eclesiastes 11: 6 . Um sermão da tarde bem ouvido, será tão longe de expulsar o sermão da manhã, que ele vai bastante apertar, e aperte o prego em um lugar seguro. Embora Cristo estivesse na parte da manhã contra e cavied em por seus inimigos, perturbado e interrompido por seus amigos, contudo continuou com seu trabalho e na última parte do dia, Não achamos que ele tenha enfrentado tais desânimos. Aqueles que com coragem e zelo romper as dificuldades ao serviço de Deus, talvez os encontre não tão aptos a recorrer como eles temem. Resistam a eles, e eles fugirão.

2. A quem ele pregou, havia grandes multidões reunidas a ele, e eles eram os auditores que não achamos que algum dos escribas ou fariseus estavam presentes. Eles estavam dispostos a ouvi-lo quando ele pregava na sinagoga ( Mateus 12: 9,14 ), mas eles achavam que estava abaixo deles ouvir um sermão à beira-mar, embora Cristo fosse o pregador; Seu quarto do que sua companhia, porque agora estavam ausentes, continuou silenciosamente e sem contradição. Nota, Às vezes há a maior parte do poder da religião onde há menos de sua pompa : os pobres recebem o evangelho. Quando Cristo foi para o mar, Multidões estavam reunidas para ele. Onde está o rei, há o tribunal onde Cristo está, há a igreja, embora seja pelo lado do mar. Note, Aqueles que se tornariam bons pela palavra, devem estar dispostos a segui-lo em todas as suas remoções quando a arca mudar, mudar depois dela. Os fariseus haviam trabalhado, por calúnias e sugestões básicas, para afastar o povo de seguir a Cristo, mas ainda assim o seguiam como sempre. Note-se, Cristo será glorificado apesar de toda oposição que ele será seguido. Depois disso. Os fariseus haviam trabalhado, por calúnias e sugestões básicas, para afastar o povo de seguir a Cristo, mas ainda assim o seguiam como sempre. Note-se, Cristo será glorificado apesar de toda oposição que ele será seguido. Depois disso. Os fariseus haviam trabalhado, por calúnias e sugestões básicas, para afastar o povo de seguir a Cristo, mas ainda assim o seguiam como sempre. Note-se, Cristo será glorificado apesar de toda oposição que ele será seguido.Mateus 12: 9 , 14

3. Onde ele pregou este sermão.

(1.) Seu lugar de reunião era o lado do mar. Ele saiu da casa (porque não havia espaço para o auditório) ao ar livre. Era pena, mas tal Pregador deveria ter tido o lugar mais espaçoso, suntuoso e conveniente para pregar, que poderia ser concebido, como um dos teatros romanos, mas ele estava agora em seu estado de humilhação, e neste, como em Outras coisas, negou-se a si mesmo as honras devidas a ele como ele não tinha uma casa própria para viver, por isso ele não tinha uma capela própria para pregar dentro Por isso ele nos ensina nas circunstâncias externas de adoração não para Cobiçar o que é majestoso, mas fazer o melhor das conveniências que Deus em sua providência nos concede. Quando Cristo nasceu, ele foi aglomerado no estábulo, e agora ao lado do mar, sobre a vertente, onde todas as pessoas poderiam vir a ele com liberdade. Aquele que era a própria verdade não buscava cantos (nenhum adyta ), como fizeram os mistérios pagãos. A sabedoria clama fora, Provérbios 1:20 Provérbios 1:20João 13:20 ; João 13:20 .

(2) Seu púlpito era um navio não como o púlpito de Esdras, que foi feito para o propósito ( Neemias 8: 4Neemias 8: 4 ), mas convertido para este uso por falta de um melhor. Nenhum lugar errado para um tal Pregador, cuja presença dignificou e consagrou qualquer lugar: que aqueles que pregam Cristo não se envergonhem, embora tenham lugares ruins e inconvenientes para pregar. Alguns observam que o povo estava em terreno seco e terreno firme, Enquanto o Pregador estava sobre a água em mais perigo. Os ministros estão mais expostos a problemas. Aqui estava uma verdadeira tribuna, um púlpito de um navio.

4. O que e como ele pregou. (1) Falou-lhes muitas coisas. É muito mais provável do que aqui está registrado, mas todas as coisas excelentes e necessárias, coisas que pertencem à nossa paz, coisas que pertencem ao reino dos céus: não eram bagatelas, mas coisas de eterna conseqüência, de que Cristo falou. Preocupa-nos dar uma atenção mais séria, quando Cristo tem tantas coisas a dizer-nos, que não perca nenhuma delas. (2) O que ele falava era em parábolas. Uma parábola, por vezes, significa qualquer sábio e pesado dizer que é instrutivo, mas aqui nos evangelhos que geralmente significa uma continuada similitude ou comparação, pelo qual espiritual ou celestial coisas foram descritas em linguagem emprestada das coisas desta vida. Era uma maneira de ensinar muito usada, Não só pelo rabino judeu, mas pelos árabes, e os outros sábios do Oriente e foi achado muito proveitoso, e mais ainda por ser agradável. Nosso Salvador o usou muito, e nisto condescendeu às capacidades das pessoas, e balbuciou para elas em sua própria língua. Deus há muito usou similitudes por seus servos os profetas ( Oséias 12:10 Oséias 12:10João 3:12 ), e com pouco propósito agora ele usa semelhitudes por seu Filho certamente reverenciarão aquele que fala do céu e das coisas celestiais e ainda as veste com expressões emprestadas Das coisas terrenas. Veja João 3:12 . Então, descendo em uma nuvem. Agora, Nosso Salvador o usou muito, e nisto condescendeu às capacidades das pessoas, e balbuciou para elas em sua própria língua. Deus há muito usou similitudes por seus servos os profetas ( Oséias 12:10 ), e com pouco propósito agora ele usa similitudes por seu Filho certamente reverenciarão aquele que fala do céu e das coisas celestiais e ainda as veste com expressões emprestadas Das coisas terrenas. Veja João 3:12 . Então, descendo em uma nuvem. Agora, Nosso Salvador o usou muito, e nisto condescendeu às capacidades das pessoas, e balbuciou para elas em sua própria língua. Deus há muito usou similitudes por seus servos os profetas ( Oséias 12:10 ), e com pouco propósito agora ele usa similitudes por seu Filho certamente reverenciarão aquele que fala do céu e das coisas celestiais e ainda as veste com expressões emprestadas Das coisas terrenas. Veja João 3:12 . Então, descendo em uma nuvem. Agora, E com pouco propósito agora ele usa semelhanças por seu Filho certamente reverenciarão aquele que fala do céu e das coisas celestiais e ainda as veste com expressões emprestadas das coisas terrenas. Veja João 3:12 . Então, descendo em uma nuvem. Agora, E com pouco propósito agora ele usa semelhanças por seu Filho certamente reverenciarão aquele que fala do céu e das coisas celestiais e ainda as veste com expressões emprestadas das coisas terrenas. Veja João 3:12 . Então, descendo em uma nuvem. Agora,

I. Temos aqui a razão geral por que Cristo ensinou em parábolas. Os discípulos ficaram um pouco surpresos, pois até agora, em sua pregação, não os tinha usado muito, e, portanto, perguntam: Por que lhes falas por parábolas ? Porque eles estavam verdadeiramente desejosos de que o povo pudesse ouvir com compreensão. Eles não dizem: Por que falas tu a nós? (Eles sabiam como explicar as parábolas), mas a eles. Nota: Devemos nos preocupar com a edificação dos outros, bem como com a nossa, pela palavra pregada e se nos formos fortes, contudo para suportar as fraquezas dos fracos.

A esta pergunta Cristo responde em grande parte, Mateus 13: 11-17Mateus 13: 11-17 , onde ele lhes diz, que por isso ele pregou por parábolas , porque assim as coisas de Deus foram tornadas mais claras e fáceis para aqueles que estavam voluntariamente ignorantes e assim o evangelho seria Um sabor de vida para alguns, e de morte para outros. Uma parábola, como a coluna de nuvem e fogo, vira um lado escuro para os egípcios, o que os confunde, mas um lado leve para os israelitas, que os conforta, e assim responde a uma dupla intenção. A mesma luz dirige os olhos de alguns, mas deslumbra os olhos dos outros. Agora,

1. Esta razão é estabelecida ( Mateus 13:11 Mateus 13:11 ): Porque lhes é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não é dado. Isto é, (1.) Os discípulos tinham conhecimento, mas o povo não tinha. Vocês já sabem alguma coisa desses mistérios, e não precisam deste modo familiar de ser instruídos, mas o povo é ignorante, ainda assim são apenas bebês, e devem ser ensinados como tais por simples semelhanças, sendo ainda incapazes de receber instrução de qualquer outra maneira: Pois embora tenham olhos, não sabem como usá-los para alguns. Ou, (2.) Os discípulos estavam bem inclinados ao conhecimento dos mistérios do evangelho, e procurariam nas parábolas, e por eles seriam levados a um conhecimento mais íntimo com aqueles mistérios, mas os ouvintes carnal que descansavam ao ouvido, E não estariam com as dores para olhar mais longe, nem para perguntar o significado das parábolas, nunca seria o mais sábio, e assim iria justamente sofrer por suas remissões. Uma parábola é uma casca que mantém bom fruto para o diligente, mas mantém-lo do preguiçoso. Nota: Há mistérios no reino dos céus, e sem controvérsia, grande é o mistério da piedade: a encarnação de Cristo, satisfação, intercessão, nossa justificação e santificação pela união com Cristo e, de fato, toda a obra da redenção, do primeiro ao último , São mistérios, que nunca poderiam ter sido descobertos, mas pela revelação divina ( 1 Coríntios 15:51 ), foram descobertos neste momento, mas em parte aos discípulos, E nunca será descoberto completamente até que o véu seja alugado, mas o mistério da verdade do evangelho não deve nos desencorajar, mas acelerar-nos em, as nossas investigações depois dele e procura nele. [1.] É graciosamente dado aos discípulos de Cristo para estar familiarizado com esses mistérios. O conhecimento é o primeiro dom de Deus, e é um dom distintivo (Provérbios 2: 6 ) que foi dado aos apóstolos, porque eles eram seguidores e acompanhantes constantes de Cristo. Nota: Quanto mais próximos estivermos de Cristo, e quanto mais conversarmos com ele, mais conhecidos estaremos com os mistérios do evangelho. [2] É dado a todos os crentes verdadeiros, que têm um conhecimento experimental dos mistérios do evangelho, e que é sem dúvida o melhor conhecimento: um princípio de graça no coração, É o que torna os homens de compreensão rápida no temor do Senhor e na fé de Cristo, e assim no significado das parábolas e por falta disso, Nicodemos, um mestre em Israel, falou do novo nascimento como um cego Homem de cores. [3] Há aqueles a quem este conhecimento não é dado, e um homem não pode receber nada a menos que lhe seja dado de cima ( João 3:27 ) e ser lembrado que Deus não é devedor a ninguém, sua graça é sua Ele o dá ou o retém com prazer ( Romanos 11:35 ), a diferença deve ser resolvida na soberania de Deus, como antes, Mateus 11: 25,26 . E assim no significado das parábolas e por falta disso, Nicodemos, um mestre em Israel, falou do novo nascimento como um cego de cores. [3] Há aqueles a quem este conhecimento não é dado, e um homem não pode receber nada a menos que lhe seja dado de cima ( João 3:27 ) e ser lembrado que Deus é devedor de ninguém, sua graça é sua Ele o dá ou o retém com prazer ( Romanos 11:35 ), a diferença deve ser resolvida na soberania de Deus, como antes, Mateus 11: 25,26 . E assim no significado das parábolas e por falta disso, Nicodemos, um mestre em Israel, falou do novo nascimento como um cego de cores. [3] Há aqueles a quem este conhecimento não é dado, e um homem não pode receber nada a menos que lhe seja dado de cima ( João 3:27 ) e ser lembrado que Deus não é devedor a ninguém, sua graça é sua Ele o dá ou o retém com prazer ( Romanos 11:35 ), a diferença deve ser resolvida na soberania de Deus, como antes, Mateus 11: 25,26 .1 Coríntios 15:51 Provérbios 2: 6 João 3:27 Romanos 11:35 Mateus 11:25 , 26

2. Esta razão é ilustrada ainda mais pela regra que Deus observa ao distribuir seus dons, ele os concede àqueles que os aperfeiçoam, mas os leva para longe daqueles que os enterram. É uma regra entre os homens, que preferem confiar o seu dinheiro com aqueles que aumentaram as suas propriedades por sua indústria, do que com aqueles que têm diminuído por sua preguiça.

(1) Esta é uma promessa para aquele que tem, que tem a verdadeira graça, de acordo com a eleição da graça, que tem, e usa o que ele tem, terá mais abundância: os favores de Deus são earnests de outros favores onde ele coloca a Fundação, ele edificará sobre ela. Os discípulos de Cristo usaram o conhecimento que tinham agora, e eles tiveram mais abundância no derramamento do Espírito, Atos 2: 1-13Atos 2: 1-13 . Aqueles que têm a verdade da graça, terão o aumento da graça, até a abundância em glória, Provérbios Provérbios 4:18 4:18 . José - ele acrescentará , Gênesis 30:24 .Gênesis 30:24

(2) Aqui está uma ameaça para aquele que não tem, que não tem desejo de graça, que não faz uso correto dos dons e graças que tem: não tem raiz, nenhum princípio sólido que tem, mas não usa o que tem Dele será tirado o que tem ou parece ter. Suas folhas secarão, suas dádivas decairão os meios de graça que ele tem, e não faz uso de, será tirado dele Deus chamará em seus talentos fora de suas mãos que são susceptíveis de se tornar falidos rapidamente.

3. Esta razão é particularmente explicada, com referência aos dois tipos de pessoas com quem Cristo tinha a ver.

(1) Alguns eram voluntariamente ignorantes e tais eram divertidas pelas parábolas ( Mateus 13:13Mateus 13:13 ) porque eles vendo, não vêem. Eles haviam fechado seus olhos contra a luz clara da pregação mais clara de Cristo, e, portanto, agora eram deixados na escuridão. Vendo a pessoa de Cristo, eles não vêem a sua glória, não vêem diferença entre ele e outro homem vendo os seus milagres, e ouvindo a sua pregação, eles não vêem, não ouvem com qualquer preocupação ou aplicação que não entendem. Note, [1.] Há muitos que vêem a luz do evangelho, e ouvem o evangelho, mas nunca chega ao seu coração, nem tem nenhum lugar neles. [2] É justamente com Deus para tirar a luz daqueles que fecham os olhos contra ela que tal como será ignorante, pode ser assim e Deus '

Agora, nesta Escritura seria cumprida, Mateus 13: 14,15 . É citado de Isaías 6: 9,10 . O profeta evangélico que falava mais claramente da graça do evangelho, predisse o desprezo dela, e as conseqüências desse desprezo. É referido no mínimo seis vezes no Novo Testamento, o que indica que, nos tempos do evangelho, os julgamentos espirituais seriam os mais comuns, que fazem menos barulho, mas são mais terríveis. Aquilo que foi falado dos pecadores no tempo de Isaías foi cumprido naqueles no tempo de Cristo, e ainda está cumprindo todos os dias, enquanto o coração ímpio do homem mantém o mesmo pecado, a justa mão de Deus inflige o mesmo castigo. Aqui está,Mateus 13:14 , 15 Isaías 6: 9 , 10

Primeiro. Uma descrição da cegueira deliberada e dureza dos pecadores, que é o seu pecado. O coração deste povo está endurecido é engordados, assim que a palavra é o que denota tanto sensualidade e insensatez ( Salmos 119: 70 Salmo 119: 70 ) seguro sob a palavra e vara de Deus, e desdenhosa como Jesurum, que encerado gordura e chutou, Deuteronômio 32:15 . E quando o coração está tão pesado, não é de admirar que os ouvidos estão aborrecidos de ouvir os sussurros do Espírito, eles não ouvem de todos os gritos da palavra, embora a palavra esteja perto deles, eles não consideram nem são afetados Por eles: eles param os seus ouvidos, Salmo 58: 4,5 . E porque eles estão resolvidos a ser ignorante,Deuteronômio 32:15 Salmo 58: 4 , 5 João 3:19 2 Pedro 3: 5

Em segundo lugar, uma descrição dessa cegueira judicial, que é a justa punição disto. " Ouvindo, ouvireis e não entenderás quais os meios de graça que tendes, não vos servirá de nada, porém, em misericórdia para com os outros, eles continuam, mas em juízo para vós, a bênção sobre eles é negada. " A condição mais triste em que um homem pode estar neste inferno do lado, é sentar sob as ordenanças mais vivas com um coração morto, estúpido, intocado. Ouvir a palavra de Deus, e ver suas providências, e ainda não entender e perceber sua vontade, seja no um ou no outro, é o maior pecado e o maior julgamento que pode ser. Observe, É a obra de Deus dar um coração compreensivo, e ele muitas vezes, em um caminho de julgamento justo, Nega-o àqueles a quem deu ouvidos, e o olho que vê, em vão. Isaías 66: 4 Assim que Deus escolhe delírios (pecadores Isaías 66: 4 ), e atá-los para o maior ruína, dando-lhes até os seus próprios corações dos desejos ( Salmo 81: 11,12 ) deixá-los sozinhos ( Oséias 04:17 ) O meu Espírito não se esforçará sempre, Gênesis 6: 3 .Salmos 81:11 , 12 Oséias 4:17 Gênesis 6: 3

Em terceiro lugar, o efeito lamentável e conseqüência deste Lest em qualquer momento eles deveriam ver. Eles não verão porque não se voltarão e Deus diz que não verão, porque não se voltarão, para que não se convertam e eu os cure.

Note: 1. Que a visão, a audição ea compreensão são necessárias à conversão de Deus, na graça de trabalho, trata dos homens como homens, como agentes racionais que ele desenha com as cordas de um homem, muda o coração abrindo os olhos e Se do poder de Satanás a Deus, voltando-se primeiro das trevas para a luz ( Atos 26:18 Atos 26:18 ). 2. Todos aqueles que são verdadeiramente convertidos a Deus, certamente serão curados por ele. "Se eles se converterem, eu os curarei, os salvarei", para que, se os pecadores perecem, não deve ser imputado a Deus, mas para si mesmos eles esperavam tolamente ser curados, sem serem convertidos. 3. É justo com Deus negar a sua graça aos que há muito tempo recusaram as suas propostas e resistiram ao seu poder. Faraó, por um bom tempo, Endureceu seu próprio coração ( Êxodo 8: 15,32 ), e depois Deus o endureceu, Mateus 9: 12,10: 20 . Portanto, temamos, para que, pecando contra a graça divina, pecamos.Êxodo 8:15 , 32 Mateus 9:12 , 10 :

(2) Outros foram efetivamente chamados a serem discípulos de Cristo, e verdadeiramente desejavam ser ensinados por Ele e foram instruídos e feitos para melhorar grandemente em conhecimento, por essas parábolas, especialmente quando foram expostos e por eles a As coisas de Deus foram tornadas mais claras e fáceis, mais inteligíveis e familiares, e mais aptas a serem lembradas ( Mateus 13: 16,17 ). Seus olhos vêem, seus ouvidos ouvem. Eles viram a glória de Deus na pessoa de Cristo, eles ouviram a mente de Deus na doutrina de Cristo que eles viram muito, e estavam desejosos de ver mais, e assim estavam preparados para receber instrução mais adicional eles tiveram oportunidade para isto, sendo assistentes constantes em Cristo, E eles devem tê-lo de dia para dia, e graça com ele. Ora, este Cristo fala de,Mateus 13:16 , 17

[1.] Como uma bênção " Bem -aventurados os vossos olhos porque eles vêem, e os vossos ouvidos, porque eles ouvem que é a vossa felicidade, e é uma felicidade pela qual estáis endividados ao favor e bênção peculiares de Deus". É uma bênção prometida, que nos dias do Messias os olhos dos que vêem não serão escurecidos, Isaías 32: 3 Isaías 32: 3 . Os olhos do crente mais humilde que conhece experimentalmente a graça de Cristo são mais abençoados do que os dos maiores estudiosos, os maiores mestres da filosofia experimental, que são estranhos a Deus que, como os outros deuses que servem, têm olhos e vêem não. Bem-aventurados os teus olhos. Note, a verdadeira bem-aventurança é inerente ao entendimento correto e melhoria devida dos mistérios do reino de Deus. A orelha que escuta e o olho que vê são obra de Deus naqueles que são santificados, eles são a obra da sua graça (Provérbios 20:12 ), e eles são uma obra abençoada, que será cumprida com poder, quando aqueles que agora vêem através de uma Vidro escuro, deve ver face a face. Foi para ilustrar esta bem-aventurança que Cristo disse tanto da miséria daqueles que são deixados na ignorância que eles têm olhos e não vêem, mas são abençoados os seus olhos. Note: O conhecimento de Cristo é um favor distintivo para aqueles que o possuem, e por isso ele está sob as maiores obrigações, ver João 14:22 . Os apóstolos deveriam ensinar os outros e, portanto, foram abençoados com as descobertas mais claras da verdade divina.Provérbios 20:12 João 14:22 Isaías 52: 8

[2] Como uma bênção transcendente, desejada por, mas não concedida a, muitos profetas e justos, Mateus 13:17Mateus 13:17 . Os santos do Antigo Testamento, que tinham alguns vislumbres, alguns lampejos de luz do evangelho, cobiçavam fervorosamente mais descobertas. Eles tinham os tipos, as sombras e as profecias dessas coisas, mas ansiavam por ver a Substância, o fim glorioso daquelas coisas que não podiam fixamente olhar para aquele glorioso dentro daquelas coisas que não podiam olhar. Eles desejavam ver a grande Salvação, a Consolação de Israel, mas não a viram, porque a plenitude dos tempos ainda não havia chegado. Note, Primeiro, Aqueles que sabem algo de Cristo, não podem deixar de desejar saber mais. Em segundo lugar, as descobertas da graça divina são feitas, Até os profetas e os justos, mas segundo a dispensação que estão sob. Embora fossem os favoritos do céu, com quem estava o segredo de Deus, ainda não viram as coisas que desejavam ver, porque Deus havia decidido não trazê-los à luz ainda e seus favores não anteciparão os seus conselhos. Havia então, como ainda há, uma glória a ser revelada algo em reserva, para que eles sem nós não sejam aperfeiçoados , Hebreus 11:40 Hebreus 11:40 . Em terceiro lugar, para o entusiasmo de nossa gratidão, e para o avivamento de nossa diligência, é bom para nós considerar o que significa que desfrutamos, e que descobertas são feitas para nós, agora sob o evangelho, acima do que tinham, Vivido sob a dispensação do Antigo Testamento,2 Coríntios 3: 7 Hebreus 12:18

II. Nós temos, em Mateus 13: 1-23 Mateus 13: 1-23 , uma das parábolas que nosso Salvador apresentou é que do semeador e da semente tanto a parábola em si, ea explicação do mesmo. As parábolas de Cristo são emprestadas de coisas comuns e comuns, não de quaisquer noções ou especulações filosóficas, nem dos fenômenos incomuns da natureza, embora aplicáveis ​​o suficiente à matéria em questão, mas das coisas mais óbvias, que são da observação diária, e vêm Dentro do alcance da mais mesquinha capacidade, muitos deles são extraídos do chamado do lavrador, como este do semeador, e do joio. Cristo escolheu fazer assim: 1. Que as coisas espirituais pudessem tornar-se mais claras e, por meio de semelhanças familiares, tornar-se-iam mais fáceis de deslizar em nossos entendimentos. 2. Que as ações comuns possam espiritualizar-se, e poderíamos aproveitar-nos das coisas que se vêem tão freqüentemente sob nosso ponto de vista, para meditar com prazer sobre as coisas de Deus e assim, quando nossas mãos estão mais ocupadas com o mundo, podemos não só não obstante Que, mas mesmo com a ajuda de que, ser levado a ter o nosso coração no céu. Assim, a Palavra de Deus falará conosco, fale familiarmente conosco, Provérbios 6:22 .Provérbios 6:22

A parábola do semeador é bastante clara, Mateus 13: 3-9 Mateus 13: 3-9 . A exposição que temos do próprio Cristo, que sabia melhor o que era seu próprio significado. Os discípulos, quando perguntaram: Por que lhes falas por parábolas ? ( Mateus 13:10 ), insinuou um desejo de ter a parábola explicada por causa do povo, nem foi qualquer depreciação de seu próprio conhecimento de desejá-lo para si. Nosso Senhor Jesus, gentilmente, tomou a dica e deu o senso, e os fez entender a parábola, dirigindo seu discurso aos discípulos, mas ao ouvido da multidão, pois não temos o relato de que ele os demitiu até Mateus 13: 36 . " Ouvi, pois, a parábola do semeador ( Mateus 13: Para ouvir novamente o que ouvimos ( Filipenses 3: 1 ) "Vocês ouviram, mas ouvem a interpretação dela". Note, Então só ouvimos a palavra corretamente, e com bom propósito, quando entendemos o que ouvimos, não é ouvido, se não for com entendimento, Neemias 8: 2 . É realmente a graça de Deus que dá a compreensão, mas é nosso dever dar a nossa mente para entender. Para ouvir novamente o que ouvimos ( Filipenses 3: 1 ) "Vocês ouviram, mas ouvem a interpretação dela". Note, Então só ouvimos a palavra corretamente, e com bom propósito, quando entendemos o que ouvimos, não é ouvido, se não for com entendimento, Neemias 8: 2 . É realmente a graça de Deus que dá a compreensão, mas é nosso dever dar a nossa mente para entender.Mateus 13:10 Mateus 13:36 Mateus 13:18 Filipenses 3: 1 Neemias 8: 2

Comparemos, portanto, a parábola ea exposição.

(1) A semente semeada é a palavra de Deus, aqui chamada a palavra do reino ( Mateus 13:19Mateus 13:19 ): o reino dos céus, que é o reino dos reinos do mundo, em comparação com isso, não devem ser Chamados reinos. O evangelho vem a partir daquele reino, e conduz a que o reino a palavra do evangelho é a palavra do reino é a palavra do rei, e onde isto é, não há poder é uma lei, pelo qual devamos ser descartada E governado. Esta palavra é a semente semeada, que parece uma coisa morta, seca, mas todo o produto está virtualmente nela. É semente incorruptível ( 1 Pedro 1:23 1 Pedro 1:23 ) é o evangelho que produz frutos nas almas, Colossenses 1: 5 , 6

(2) O semeador que dispersa a semente é nosso Senhor Jesus Cristo, ou por si mesmo, ou por seus ministros, veja Mateus 13:37Mateus 13:37 . O povo é a criação de Deus, o seu cultivo, assim a palavra é e os ministros são cooperadores com Deus, 1 Coríntios 3: 9 1 Coríntios 3: 9 . Pregar a uma multidão é semear o milho que não sabemos onde deve luz só ver que é bom, que seja limpo, e não se esqueça de dar-lhe semente suficiente. A semeadura da palavra é a semeadura de um povo para o campo de Deus, o milho do seu chão, Isaías 21:10 .Isaías 21:10

(3) O solo em que esta semente é semeada é o coração dos filhos dos homens, que são diferentemente qualificados e dispostos, e, portanto, o sucesso da palavra é diferente. Note-se, o coração do homem é como o solo, capaz de melhorar, de ter bons frutos é pena que ele deve ficar em pousio, ou ser como o campo do preguiçoso, Provérbios Provérbios 24:3024:30 . A alma é o lugar apropriado para a palavra de Deus habitar, e trabalhar, e governar em seu funcionamento é sobre a consciência, é para acender aquela vela do Senhor. Agora, como estamos, assim a palavra é para nós: Recipitur ad modum recipientis - A recepção depende do receptor. Como é com a terra algum tipo de terreno, tomar sempre tantas dores com ele, e lançar sempre tão boa semente nela, Mas não dá fruto a nenhum propósito, enquanto o solo bom produz abundantemente; assim é com o coração dos homens, cujos diferentes caracteres são aqui representados por quatro tipos de terra, dos quais três são ruins e um só bem. Nota: O número de ouvintes infrutíferos é muito grande, mesmo daqueles que ouviram o próprio Cristo. Quem acreditou no nosso relatório? É uma perspectiva melancólica que esta parábola nos dá das congregações dos que ouvem o evangelho pregado, que quase um em cada quatro produz frutos à perfeição. Muitos são chamados com o chamado comum, mas em poucos é a escolha eterna evidenciada pela eficácia desse chamado, Mateus 20:16Mateus 20:16 . Cujos personagens diferentes são aqui representados por quatro tipos de terra, dos quais três são ruins, e apenas um bem. Nota: O número de ouvintes infrutíferos é muito grande, mesmo daqueles que ouviram o próprio Cristo. Quem acreditou no nosso relatório? É uma perspectiva melancólica que esta parábola nos dá das congregações dos que ouvem o evangelho pregado, que quase um em cada quatro produz frutos à perfeição. Muitos são chamados com o chamado comum, mas em poucos é a escolha eterna evidenciada pela eficácia desse chamado, Mateus 20:16 . Cujos personagens diferentes são aqui representados por quatro tipos de terra, dos quais três são ruins, e apenas um bem. Nota: O número de ouvintes infrutíferos é muito grande, mesmo daqueles que ouviram o próprio Cristo. Quem acreditou no nosso relatório? É uma perspectiva melancólica que esta parábola nos dá das congregações dos que ouvem o evangelho pregado, que quase um em cada quatro produz frutos à perfeição. Muitos são chamados com o chamado comum, mas em poucos é a escolha eterna evidenciada pela eficácia desse chamado, Mateus 20:16 . Mesmo daqueles que ouviram o próprio Cristo. Quem acreditou no nosso relatório? É uma perspectiva melancólica que esta parábola nos dá das congregações dos que ouvem o evangelho pregado, que quase um em cada quatro produz frutos à perfeição. Muitos são chamados com o chamado comum, mas em poucos é a escolha eterna evidenciada pela eficácia desse chamado, Mateus 20:16 . Mesmo daqueles que ouviram o próprio Cristo. Quem acreditou no nosso relatório? É uma perspectiva melancólica que esta parábola nos dá das congregações dos que ouvem o evangelho pregado, que quase um em cada quatro produz frutos à perfeição. Muitos são chamados com o chamado comum, mas em poucos é a escolha eterna evidenciada pela eficácia desse chamado, Mateus 20:16 .

Agora observe os caracteres desses quatro tipos de terra.

[1.] O caminho da estrada, Mateus 13: 4-10 Mateus 13: 4-10 . Eles tinham caminhos através de seus campos de milho ( Mateus 12: 1Mateus 12: 1 ), e a semente que caiu sobre eles nunca entrou, e assim os pássaros pegaram. O lugar onde os ouvintes de Cristo agora estavam representavam os personagens da maioria deles, a areia no litoral, que era para a semente como a estrada do solo.

Observe Primeiro, Que tipo de ouvintes são comparados ao terreno da estrada , como ouvir a palavra e não compreendê-la e é sua própria culpa que eles não. Eles não prestam atenção a ele, não se agarram a ele, eles não vêm com qualquer projeto para ficar bom, como a rodovia nunca foi destinado a ser semeado. Eles vêm diante de Deus como o seu povo vem e se sentam diante dele enquanto o seu povo se senta, mas é meramente por causa da moda, ver e ser visto não se importar com o que é dito, ele vem de um ouvido e sai do outro , E não faz nenhuma impressão.

Em segundo lugar, como eles vêm a ser ouvintes não rentáveis. O ímpio, isto é, o diabo, vem e arranca o que foi semeado. - Esses ouvintes estúpidos, descuidados e insignificantes são uma presa fácil para Satanás, que, como ele é o grande assassino de almas, então ele é o grande ladrão de sermões, e com certeza roubará a palavra, se não tomarmos Cuidado para mantê-lo: como os pássaros pegar a semente que cai no chão que não é nem arado antes nem herse depois. Se não rompermos o terreno em pousio, preparando nossos corações para a palavra, e humilhando-os a ela, e chamando nossa própria atenção e se não cobrimos a semente depois, pela meditação e oração se não dermos uma atenção mais séria a As coisas que ouvimos, nós somos como a terra da estrada.

[2.] O solo pedregoso. Alguns caíram em lugares pétreos ( Mateus 13: 5,6 ), o que representa o caso de ouvintes que vão mais longe do que o primeiro, que recebem algumas boas impressões da palavra, mas eles não são duradouros, Mateus 13: 20,21 . Nota: É possível que possamos ser muito melhores do que alguns outros, e ainda assim não sermos tão bons como devemos ser podem ir além de nossos vizinhos, e ainda assim ficarmos aquém do céu. Agora observe, a respeito destes ouvintes que são representados pela terra pedregosa,Mateus 13: 5 , 6 Mateus 13:20 , 21

Primeiro, como eles foram. 1. Eles ouvem a palavra que não lhes dão volta nem as costas nem o ouvido surdo. Note, ouvir a palavra, embora sempre tão freqüentemente, sempre tão gravemente, se descansarmos nisso, nunca nos trará para o céu. 2. Eles são rápidos na audição, rápidos para ouvir, ele anon recebe, euthys , ele está pronto para recebê-lo, imediatamente surgiu ( Mateus 13: 5 Mateus 13: 5 ), mais cedo apareceu acima do solo do que foi semeado no bom solo. Note, Hipócritas muitas vezes começam o início de verdadeiros cristãos nos shows de profissão, e muitas vezes são demasiado quente para segurar. Ele a recebe imediatamente, sem tentar engolir sem mastigar, e então nunca pode haver uma boa digestão. Aqueles são mais susceptíveis de segurar o que é bom, que provar todas as coisas, 1 Tessalonicenses 5:21 . 3. Eles a recebem com alegria. Nota: Muitos são os que estão muito felizes em ouvir um bom sermão, que ainda não se aproveitam dele, podem estar satisfeitos com a palavra, e ainda não mudou e governada por ela o coração pode derreter sob a palavra, e ainda não ser Derretida pela palavra, muito menos nela, como num molde. Muitos saboreiam a boa palavra de Deus ( Hebreus 6: 5 ), e dizem que acham doçura nela, mas alguma luxúria amada é enrolada sob a língua, com a qual ela não concordaria, e então a cuspiram novamente . 4. Eles persistem por algum tempo, como um movimento violento, Que continua enquanto a impressão da força permanece, mas cessa quando isso se gasta. Notem: Muitos aguentam por algum tempo, que não perdurem até o fim, e assim ficam aquém da felicidade que lhes é prometida somente que perseveram ( Mateus 10:22 ) eles correram bem, mas algo os impediu, Gálatas 5: 7 .1 Tessalonicenses 5:21 Hebreus 6: 5 Mateus 10:22 Gálatas 5: 7

Em segundo lugar, como eles caíram afastado, de modo que nenhum fruto foi trazido à perfeição, não mais do que o milho, que sem ter profundidade de terra de que para tirar umidade, é queimado e murchado pelo calor do sol. E a razão é,

1. Eles não têm raiz em si mesmos, nem princípios fixos e fixos em seus julgamentos, nem resoluções firmes em suas vontades, nem hábitos enraizados em suas afeições: nada firme que seja a seiva ou a força de sua profissão. Nota: (1) É possível que haja a lâmina verde de uma profissão, onde ainda não há a raiz da graça dureza prevalece no coração, e o que há de solo e maciez é apenas na superfície interiormente eles são Não mais afetados do que uma pedra eles não têm raiz, eles não são pela fé unida a Cristo, que é a nossa Raiz eles não derivam dele, eles não dependem dele. (2) Onde não há um princípio, embora haja uma profissão, não podemos esperar perseverança. Aqueles que não têm nenhuma raiz resistirão por algum tempo. Um navio sem lastro,

2. Tempos de julgamento vêm, e então eles vêm a nada. Quando a tribulação e a perseguição surgem por causa da palavra, ele se ofende , é um obstáculo em seu caminho que ele não pode superar, e assim ele voa, e isso é tudo o que sua profissão vem. Note, (1) Depois de um vendaval justo oportunidade geralmente segue uma tempestade de perseguição, para tentar quem recebeu a palavra em sinceridade, e quem não tem. Quando a palavra do reino de Cristo vier a ser a palavra da Apocalipse 3:10 paciência de Cristo ( Apocalipse 3:10 ), então é o julgamento , que o guarda, e quem não, Apocalipse 1: 9 Apocalipse 1: 9 . É sabedoria preparar-se para tal dia. (2) Quando os tempos difíceis vêm, aqueles que não têm nenhuma raiz logo se ofendem, primeiro discutem com sua profissão, e então saem dela, primeiro a culpam, E depois jogá-lo fora. Por isso lemos sobre a ofensa da cruz, Gálatas 5:11 . Observe, A perseguição é representada na parábola pelo sol escaldante, ( Mateus 13: 6 ) o mesmo sol que aquece e acalenta o que estava bem enraizado, murchando e queimando o que queria raiz. Como a palavra de Cristo, assim a cruz de Cristo, é para alguns um sabor de vida para vida, para outros um sabor de morte para morte: a mesma tribulação que leva alguns a apostasia e ruína, obras para os outros muito mais e Eterno peso da glória. Ensaios que abalam alguns, confirmam outros, Filipenses 1:12 . Observe como logo eles caem,Gálatas 5:11 Mateus 13: 6 Philippians 1:12

[3.] A terra espinhosa, alguns caíram entre espinhos (que são uma boa guarda para o milho quando estão na sebe, mas um preso mau quando estão no campo) e os espinhos surgiram, o que indica que eles fizeram Não apareceu, ou pouco, quando o milho foi semeado, mas depois eles se mostraram sufocados, Matthew 13:7Mateus 13: 7 . Isso foi mais longe do que o primeiro, pois tinha raiz e representa a condição de quem não abandonou sua profissão e, no entanto, não tem nenhum benefício econômico com o bem que ganha com a palavra, sendo insensivelmente superado e superado Pelas coisas do mundo. A prosperidade destrói a palavra no coração, tanto quanto a perseguição faz e mais perigosamente, porque mais silenciosamente: as pedras estragadas a raiz,

Agora, quais são esses espinhos sufocantes?

Primeiro, Os cuidados deste mundo. O cuidado com outro mundo aceleraria o surgimento dessa semente, mas o cuidado com este mundo o sufoca. Os cuidados mundanos são perfeitamente comparados aos espinhos, pois eles vieram com o pecado, e são um fruto da maldição que são bons em seu lugar para impedir um vazio, mas um homem deve estar bem armado que trata muito neles ( 2 Samuel 23: 6,7 ) eles estão emaranhados, irritantes, arranhando, e seu fim é ser queimado, Hebreus 6: 8 . Estes espinhos sufocam a boa semente. Note, Cuidados mundanos são grandes obstáculos para a nossa profissão pela palavra de Deus, e nossa proficiência em religião. Eles comem o vigor da alma que deve ser gasto em coisas divinas nos desviar do dever, nos distrair no dever, e fazer-nos mais mal de todos, depois de extinguir as faíscas de bons afetos,2 Samuel 23: 6 , 7 Hebrews 6:8

Em segundo lugar, O engano das riquezas. Aqueles que, por seu cuidado e indústria, criaram fazendas, e assim o perigo que surge do cuidado parece ter terminado, e eles continuam ouvintes da palavra, ainda estão em um laço ( Jeremias 5: 4,5 ) é É difícil para eles entrarem no reino dos céus: eles estão dispostos a prometer-se que em riquezas que não está neles confiar neles, e tomar uma complacência desordenada neles e isso bloqueia a palavra tanto quanto o cuidado. Observe: Não são tantas riquezas, como o engano das riquezas, que faz o mal: agora não se pode dizer que elas sejam enganosas para nós, a menos que ponhamos nossa confiança nelas, e elevemos nossas expectativas delas, e então é que Eles sufocam a boa semente.Jeremiah 5:4,5

[4.] O bom terreno ( Mateus 13:18 Mateus 13:18Mateus 13:23 ) Outros caíram em boa terra, e é piedade, mas a boa semente deve sempre encontrar-se com bom solo, e então não há perda, tais são bons ouvintes da palavra, Mateus 13. : 23 . Note: Embora muitos recebam a graça de Deus e a palavra da sua graça, em vão, contudo Deus tem um remanescente por quem é recebido para um bom propósito, porque a palavra de Deus não retornará vazia, Isaías 55: 10,11. .Isaiah 55:10,11

Ora, o que distinguia este bom terreno do resto era, em uma palavra, fecundidade. Por isso os verdadeiros cristãos se distinguem dos hipócritas, para que produzam os frutos da justiça, assim vós sereis meus discípulos, João 15: 8.João 15: 8 . Ele não diz que esta boa terra não tem pedras nele, ou nenhum espinho, mas não havia ninguém que prevaleça para impedir sua fecundidade. Os santos, neste mundo, não estão perfeitamente livres dos restos do pecado, mas felizmente libertos do seu reino.

Os ouvintes representados pelo bom chão são,

Primeiro, os ouvintes inteligentes ouvem a palavra e compreendem que eles entendem não só o sentido eo significado da palavra, mas a sua própria preocupação em que eles entendem como um homem de negócios entende seu negócio. Deus em sua palavra trata dos homens como homens, de uma maneira racional, e ganha a posse da vontade e afeições, abrindo o entendimento: enquanto Satanás, que é um ladrão e um ladrão, não entra por essa porta, mas subiu outro caminho.

Em segundo lugar, ouvintes frutuosos, que é uma prova de seu bom entendimento: que também frutifica . O fruto é para cada semente seu próprio corpo, um produto substancial no coração e na vida, agradável à semente da palavra recebida. Nós então damos fruto, quando praticamos de acordo com a palavra, quando o temperamento de nossas mentes eo nível de nossas vidas são conformes ao evangelho que recebemos e fazemos como somos ensinados.

Em terceiro lugar, nem todos são tão fecundos como cem vezes, uns sessenta, outros trinta. Nota: Entre os cristãos fecundos, alguns são mais frutíferos do que outros: onde há verdadeira graça, ainda há graus de que alguns são de maiores realizações em conhecimento e santidade do que outros todos os estudiosos de Cristo não estão na mesma forma. Devemos apontar para o mais alto grau, produzir cem vezes, como fez Isaac ( Gênesis 26:12 Gênesis 26:12João 15: 8 ), abundante na obra do Senhor, João 15: 8 . Mas se o solo for bom, eo fruto correto, o coração honesto e a vida de um pedaço com ele, aqueles que produzem trinta vezes serão graciosamente aceitos de Deus, e será um fruto abundante em sua conta.(notas Mathew Henrys).
fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com