domingo, 8 de janeiro de 2017

Subsidio primários a criação da mulher n.3 2017








                                           Introdução 

                              Professor Escritor Mauricio Berwald


Neste capítulo estão contidos um resumo das obras da criação nos seis dias, e Deus está descansando de suas obras no sétimo dia, ea santificação de que, Gênesis 2: 1 e um relato de várias coisas relacionadas com várias partes do A criação ampliada e explicada, e de várias circunstâncias omitidas no capítulo precedente, que não poderiam tão bem ser notadas lá; Como de uma névoa que surgiu da terra, que regava as ervas e as plantas antes que houvesse alguma chuva para cair sobre elas, ou um homem para cultivá-las, Gênesis 2: 5 e da matéria e modo de formação do homem, Gênesis 2: 7 e da plantação do jardim do Éden, e das árvores que nele estavam, e dos rios que a regavam, e brotou dela, e do curso que eles dirigiram, dos países que lavaram, e do que esses países abundaram, Gênesis 2: 8 do homem foi colocado nela para vesti-la, e guardá-la, e da concessão que teve de comer do fruto de qualquer das árvores nele, exceto um, que foi proibido sob pena de morte, Gênesis 2 : 15 e de todas as criaturas, bestas e aves foram trazidos a ele, para dar-lhes nomes, Gênesis 2:18 e de Deus providenciar uma ajuda se encontrar para ele, e formando Eva de uma das suas costelas, e de seu casamento Juntos, ea instituição do casamento, Gênesis 2:21 eo capítulo é concluído com a observação do estado atual e circunstâncias dos nossos primeiros pais antes que eles caíram, Gênesis 2:25.

O sétimo dia é consagrado para um sábado, e as razões atribuídas, Gênesis 2: 1-3. Uma recapitulação dos seis dias de obra da criação, Gênesis 2: 4-7. O jardim do Éden plantado, Gênesis 2: 8. Suas árvores, Gênesis 2: 9. Seus rios, e os países regados por eles, Gênesis 2: 10-14. Adão colocou no jardim, eo comando dado para não comer da árvore do conhecimento sobre a dor da morte, Gênesis 2: 15-17. Deus propósitos para formar um companheiro para o homem, Gênesis 2:18. Os diferentes animais trouxeram a Adão para lhes atribuir seus nomes, Gênesis 2:19, Gênesis 2:20. A criação da mulher, Gênesis 2:21, Gênesis 2:22. A instituição do casamento, Gênesis 2:23, Gênesis 2:24. A pureza ea inocência de nossos primeiros pais, Gênesis 2:25.

Este capítulo é um apêndice à história da criação, explicando e ampliando sobretudo aquela parte da história que se relaciona imediatamente com o homem, o favorito deste mundo inferior. Nós temos nele, I. A instituição e santificação do sábado, que foi feito para o homem, para continuar a sua santidade e conforto ( Gênesis 2: 1-3 ). II. Um relato mais detalhado da criação do homem, como o centro e um resumo de toda a obra ( Gênesis 2: 1-7 ). III. A descrição do jardim do Éden, e a colocação do homem na-a com as obrigações de uma lei e aliança ( Gênesis 2: 8-17 ). IV. A criação da mulher, de seu casamento com o homem, e a instituição da ordenança do casamento ( Gênesis 2: 18-25 ., & C).

Versículos 1-3

A criação.  
1Os céus e a terra foram acabados, e todo o exército deles. 2 E no sétimo dia Deus terminou a obra que fizera, e descansou no sétimo dia de toda a obra que fizera. 3E Deus abençoou o sétimo dia e o santificou; porque nisso descansou de toda a obra que Deus criou e fez.

Temos aqui, I. A liquidação do reino da natureza, no repouso de Deus a partir da obra da criação, Gênesis 2: 1,2 . Aqui observar, 1. As criaturas feitas tanto no céu e terra são os anfitriões ou exércitos deles, o que denota que eles sejam numerosos, mas empacotadas, disciplinado, e sob comando. Quão grande é a soma deles! E ainda cada um sabe e mantém seu lugar. Deus usa-los como seus anfitriões para a defesa do seu povo e da destruição dos seus inimigos, porque é o Senhor dos Exércitos, de todos esses exércitos, Daniel 4:35 . 2. Os céus ea terra são peças acabadas, e assim são todas as criaturas neles. Tão perfeito é obra de Deus que nada pode ser adicionado a ele, nem se lhe deve tirar, Eclesiastes 3:14 . Deus que começou a construir se mostrou bem capaz de terminar. 3. Depois do fim dos primeiros seis dias Deus cessou de todas as obras da criação. Ele tem assim terminou o seu trabalho como que, embora, na sua providência, ele trabalha até agora ( João 5:17 ), de preservar e governar todas as criaturas e, particularmente, formando o espírito do homem dentro dele, mas ele não faz quaisquer novas espécies de criaturas. Em milagres, ele controlou e anulou a natureza, mas nunca mudou seu curso estabelecido, nem revogou nem adicionou a nenhum de seus estabelecimentos. 4. O Deus eterno, embora infinitamente feliz no gozo de si mesmo, mas teve uma satisfação no trabalho de suas próprias mãos. Ele não descansou, como um cansado, mas como um bem-satisfeito com os exemplos de sua própria bondade e as manifestações de sua própria glória.

II. O início do reino da graça, na santificação do sábado, Gênesis 2: 3 . Ele descansou naquele dia, e tomou uma complacência em suas criaturas, e então o santificou, e nos designou, naquele dia, para descansar e tomar uma complacência no Criador e seu descanso é, no quarto mandamento, fez uma razão para Nosso, depois de seis dias de trabalho. Observe, 1. A solene observância de um dia em sete, como um dia de santo descanso e trabalho santo, para a honra de Deus, é o dever indispensável de todos aqueles a quem Deus revelou seus sábados santos. 2. A maneira de sábado-santificação é a boa maneira antiga, Jeremias 06:16 . Os sábados são tão antigos quanto o mundo e não vejo razão para duvidar de que o sábado, sendo agora instituído na inocência, foi religiosamente observado pelo povo de Deus ao longo da era patriarcal. 3. O sábado do Senhor é verdadeiramente honroso, e temos razão para honrá-lo - honra-o por causa de sua antiguidade, seu grande Autor, a santificação do primeiro sábado pelo próprio Deus santo e pelos nossos primeiros pais Em inocência, em obediência a ele. 4. O dia de sábado é um dia abençoado, porque Deus o abençoou, e o que ele abençoa é abençoado. Deus colocou uma honra sobre ela, nos designou, naquele dia, para abençoá-lo, e prometeu, naquele dia, encontrar-se conosco e nos abençoar. 5. O dia do sábado é um dia santo, porque Deus o santificou. Separou-a e distinguiu-a dos demais dias da semana, e a consagrou e separou para si e para o seu próprio serviço e honra. Embora comummente se considere que o sábado cristão que observamos, contando da criação, não é o sétimo mas o primeiro dia da semana, ainda que seja um sétimo dia, e nós nela, celebrando o resto de Deus, o Filho, E o acabamento da obra de nossa redenção, podemos e devemos agir fé nesta instituição original do dia do sábado, e comemorar a obra da criação, para a honra do grande Criador, que é, portanto, digno de receber, sobre Naquele dia, bênção, honra e louvor de todas as assembléias religiosas.

Versículos 4-7
A criação.  

4These são as gerações dos céus e da terra, quando foram criados, no dia em que o L ORD Deus fez a terra e os céus, 5 E toda a planta do campo que ainda não estava na terra, e toda a erva do campo antes de crescer: para o L ORD Deus não tinha feito chover sobre a terra, e não havia nenhum homem para lavrar a terra. 6 Mas subiu uma névoa da terra, e regou toda a face da terra. 7 E o L ORD Deus formou o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida eo homem foi feito alma vivente.

Nestes versos, I. Aqui é um nome dado ao Criador que ainda não se encontraram com, e que é o Senhor --o Senhor, em letras maiúsculas, que são constantemente utilizados em nossa tradução Inglês dar a entender que no-o original é Jeová. Tudo junto, no primeiro capítulo, ele foi chamado Elohim - um Deus de poder , mas agora o Senhor Deus - um Deus de poder e perfeição, um Deus de acabamento. Como vamos encontrá-lo conhecido pelo seu nome Jeová quando ele apareceu para realizar o que havia prometido ( Êxodo 6: 3 ), então agora nós tê-lo conhecido por esse nome, quando ele tinha aperfeiçoado o que ele tinha começado. Jeová é grande e incomunicável nome de Deus o que denota sua tendo o seu ser de si mesmo, e sua doação sendo a todas as coisas adequadamente, portanto, que ele é chamado por esse nome agora que o céu ea terra estão acabados.

II. Novo aviso tomada em consideração a produção de plantas e ervas, porque eles foram feitos e designado para ser alimento para o homem, Gênesis 2: 5,6 . 1. A terra não produziu seus frutos por si mesma, por qualquer virtude inata, mas puramente pelo onipotente poder de Deus, que formou toda planta e toda erva antes de crescer na terra. Assim, a graça na alma, aquela planta de renome, não cresce por si mesma no solo da natureza, mas é obra das próprias mãos de Deus. 2. A chuva também é o dom de Deus não veio até que o Senhor Deus fez chover. Se a chuva ser querido, é Deus que detém-lo se a chuva vêm com abundância a seu tempo, é Deus que envia-lo se ele veio de uma forma distintiva, é Deus que faz que chover sobre uma cidade e não em cima de outro, Amos 4: 7 . 3. Embora Deus, ordinariamente, trabalhe por meios, ainda assim ele não está ligado a eles, mas quando ele quiser, pode fazer sua própria obra sem eles. Como as plantas foram produzidas antes do sol foi feito, então eles estavam antes de haver chuva para regar a terra ou o homem para lavá-lo. Portanto, embora não devemos tentar a Deus na negligência dos meios, contudo, devemos confiar em Deus na falta de meios. 4. alguma forma ou de outra Deus cuidará para regar as plantas que são de sua própria plantação. Embora ainda não havia chuva, Deus fez uma névoa equivalente a um chuveiro, e com ele regava toda a face da terra. Assim, ele escolheu para cumprir seu propósito pelos meios mais fracos, para que a excelência do poder pode ser de Deus. A graça divina desce como uma névoa ou orvalho silencioso, e as águas da igreja sem ruído, Deuteronômio 32: 2 .

III. Uma descrição mais específica da criação do homem, Gênesis 2: 7 . O homem é um pequeno mundo, composto de céu e terra, alma e corpo. Ora aqui temos um relato da origem de ambos e a colocação de dois juntos vamos considerá-la seriamente, e dizer, para o louvor de nosso Criador, nós somos assombrosamente maravilhoso me formaste, Salmo 139: 14 . Elihu, na era patriarcal, refere-se a esta história, quando ele diz ( Jó 33: 6 ), eu também fui formado do barro, e ( Jó 33: 4 ), o sopro do Todo-Poderoso me deu vida, e ( Jó 32: 8 ), Há um espírito no homem. Observe então,

1. A origem média, e ainda a estrutura curiosa, do corpo do homem. (1) O assunto era desprezível. Ele foi feito do pó da terra, uma coisa muito pouco provável que faça um homem de mas o mesmo poder infinito que fez o mundo do nada feito homem, sua obra-prima, de quase nada. Ele foi feito do pó, do pó pequeno, tal como está sobre a superfície da terra. Provavelmente, não o pó seco, mas o pó umedecido com a névoa que subia, Gênesis 2: 6 . Ele não era feito de pó de ouro, pó de pérola ou pó de diamante, mas pó comum, pó da terra. Por isso, ele é dito ser da terra, choikos - empoeirado, 1 Coríntios 15:47 . E nós também somos da terra, porque somos sua prole, e do mesmo molde. Tão perto uma afinidade que há entre a terra e os nossos pais terrenos que o ventre de nossa mãe, dos quais nascemos, é chamado a terra ( Salmo 139: 15 ), e a terra, em que temos de ser enterrado, é chamado a nossa ventre da mãe, Jó 1:21 . A nossa fundação há na terra, Jó 04:19 . Nosso tecido é terrena, e a confecção dele como a de um vaso de barro, Jó 10: 9 . Nossa comida é da terra, Jó 28: 5 . Nossa familiaridade é com a terra, Jó 17:14 . Nossos pais estão na terra, e nossa própria tendência final é para ela e de que temos então de nos orgulhar? (2) Contudo, o Criador foi grande, e o faz bem. O Senhor Deus, a grande fonte do ser e do poder, formou o homem. Das outras criaturas, é dito que eles foram criados e feitos , mas do homem que ele foi formado, o que denota um processo gradual no trabalho com grande precisão e exatidão. Para expressar a criação dessa coisa nova, ele assume uma nova palavra, uma palavra (alguns pensam) emprestado do potter de formar o seu vaso em cima da roda de nós somos o barro, e Deus o oleiro, Isaías 64: 8 . O corpo do homem é curiosamente forjado, Salmo 139: 15,16 . Materiam superabat opus - A obra excedeu os materiais. Vamos apresentar nossos corpos a Deus como sacrifício vivo ( Romanos 12: 1 ), como templos de vida ( 1 Coríntios 6:19 ), e, em seguida, estes corpos vis deve em breve ser nova-formado como o corpo glorioso de Cristo, Filipenses 3:21 .

2. A alta origem e a admirável bondade da alma do homem. (1) Ela toma sua ascensão do sopro do céu, e é produzida por ela. Não foi feito da terra, como o corpo era, é uma pena então que ele se unisse à terra, e mente as coisas terrenas. Ele veio imediatamente de Deus deu-o a ser colocado no corpo ( Eclesiastes 12: 7 ), como depois ele deu as tábuas de pedra de sua própria escrita para ser colocado na arca, ea urim do seu próprio enquadramento para ser colocado No peito-placa. Por isso, Deus não é apenas o primeiro, mas o Pai dos espíritos. Que a alma que Deus inspirou em nós, respire depois dele e deixe que seja para ele, pois é dele. Em suas mãos entreguemos nossos espíritos, porque de suas mãos nós os tivemos. (2) Ele leva o seu alojamento em uma casa de barro, e é a vida eo apoio do mesmo. É por ele que o homem é uma alma viva, isto é, um homem vivo para a alma é o homem. O corpo seria uma carcaça inútil, inútil, repugnante, se a alma não a animasse. A Deus que nos deu estas almas devemos logo dar-lhes conta, como as empregamos, as usamos, as proportimos, as dispusemos e se descobrimos que as perdemos, Mundo, seremos desfeitos para sempre. Desde a extração da alma é tão nobre, e sua natureza e faculdades são tão excelente, não sejamos daqueles tolos que desprezam suas próprias almas, preferindo seus corpos antes deles, 15:32 . Quando nosso Senhor Jesus ungiu os olhos do cego com o barro talvez ele insinuou que foi ele quem a primeiro homem formado do barro e quando ele soprou sobre seus discípulos, dizendo: Receba-lhe o Espírito Santo, ele insinuou que foi ele quem No início soprou nas narinas do homem o sopro da vida. Aquele que fez a alma é o único capaz de fazê-lo de novo.

Versículos 8-15
O Jardim do Éden.

8 E o Deus plantou um jardim em Éden Leste e pôs ali o homem que tinha formado. 9 E fora do solo fez o  Deus a crescer a cada árvore que é agradável à vista, e boa para comida a árvore da vida no meio do jardim, ea árvore do conhecimento do bem e do mal. 10 E saiu um rio do Éden para regar o jardim, e dali partiu-se, e tornou-se em quatro cabeças. Nome 11O do primeiro é Pison: que é isso que rodeia toda a terra de Havilá, onde há ouro 12E o ouro dessa terra é bom lá é bdélio ea pedra de ônix. 13 E o nome do segundo rio é Gihon: o mesmo é que rodeia toda a terra da Etiópia. 14 E o nome do terceiro rio é Tigre: este é o que corre pelo oriente da Assíria. E o quarto rio é o Eufrates. 15 E o L ORD Deus tomou o homem, eo pôs no jardim do Éden para o lavrar eo guardar.

O homem que consiste em corpo e alma, corpo feito fora da terra e alma racional imortal, o sopro do céu, temos nesses versículos a provisão que foi feita para a felicidade de ambos que o fez cuidou para fazê-lo Feliz, se ele pudesse ter se mantido assim e conhecido quando estava bem. Aquela parte do homem pela qual ele está aliado ao mundo dos sentidos foi feliz porque ele foi colocado no paraíso de Deus: a parte pela qual ele está aliado ao mundo dos espíritos foi bem providenciada porque ele foi levado em aliança com Deus. Senhor, que é o homem que ele deve ser assim dignificado - o homem que é um verme! Aqui temos,

I. Uma descrição do jardim do Éden, que foi destinado para a mansão e demesne deste grande senhor, o palácio deste príncipe. O penman inspirado, nesta história, escrevendo para os judeus primeiramente, e calculando suas narrativas para o estado infantil da igreja, descreve coisas por suas aparências sensíveis exteriores, e nos deixa, por descobertas mais adicionais da luz divina, para ser conduzido em A compreensão dos mistérios apresentados sob eles. As coisas espirituais eram carne forte, que ainda não podia suportar, mas ele escreve para eles como a carnais, 1 Coríntios 3: 1 . Portanto, ele não insiste tanto sobre a felicidade da mente de Adão como sobre a de seu estado exterior. A história Mosaic, bem como a lei mosaica, tem sim as figuras das coisas celestiais do que as próprias coisas celestiais, Hebreus 09:23 . Observar,

1. O lugar designado para a residência de Adão era um jardim não uma casa de marfim nem um palácio coberto com ouro, mas um jardim, decorado e adornado pela natureza, não por arte. Que pouca razão tem os homens para se orgulhar de edifícios imponentes e magníficos, quando era a felicidade do homem na inocência que ele não precisava de nenhum! Como as roupas entraram com o pecado, assim como as casas. O céu era o telhado da casa de Adão, e nunca foi qualquer telhado tão curiosamente ceiled e pintado. A terra era seu chão, e nunca havia qualquer piso tão ricamente incrustado. A sombra das árvores era a sua aposentadoria debaixo delas eram as suas salas de jantar, as suas habitações, e nunca existiam quaisquer quartos tão finamente pendurados como estes: Salomão, em toda a sua glória, não estavam vestidos como eles. Quanto melhor nos acomodarmos às coisas simples, e quanto menos nos entregarmos àquelas delícias artificiais que foram inventadas para satisfazer o orgulho e o luxo dos homens, mais perto nos aproximamos de um estado de inocência. A natureza está contente com um pouco e o que é mais natural, a graça com menos, mas a luxúria com nada.

2. O arranjo e o mobiliário desse jardim eram obra imediata da sabedoria e do poder de Deus. O Senhor Deus plantou este jardim, que é, ele tinha plantou - sobre o terceiro dia, quando os frutos da terra foram feitas. Podemos muito bem supor que tenha sido o lugar mais bem-sucedido de prazer e deleite que o sol já viu, quando o próprio Deus, em si mesmo, o projetou para ser a felicidade presente de sua amada criatura, o homem, na inocência, um tipo e um Figura da felicidade do remanescente escolhido na glória. Nenhum deleite pode ser agradável e satisfatório para uma alma, mas para aqueles que o próprio Deus providenciou e designou para ela um verdadeiro paraíso, mas do plantio de Deus. A luz de nossos próprios incêndios, e as faíscas de nosso próprio fogo, em breve deixar-nos no escuro, Isaías 50:11 . A terra inteira era agora um paraíso em comparação com o que é desde a queda e desde o dilúvio os melhores jardins do mundo são um deserto comparado com o que toda a face do solo era antes de ser amaldiçoada por causa do homem. Bastante Deus plantou um jardim para Adão. Os escolhidos de Deus terão favores distintivos mostrados.

3. A situação deste jardim era extremamente doce. Foi no Éden, que significa alegria e prazer. O lugar é aqui particularmente apontado por tais marcas e limites que eram suficientes, suponho, quando Moisés escreveu, para especificar o lugar para aqueles que conheciam esse país, mas agora, ao que parece, os curiosos não podem se satisfazer a respeito dele. Que seja nosso cuidado assegurar-se de um lugar no paraíso celestial, e então nós não necessitamos perplex-nos com uma busca após o lugar do paraíso terrestre. É certo que, onde quer que fosse, tinha todas as conveniências desejáveis, e (que nunca houve qualquer casa ou jardim na terra) sem qualquer inconveniente. Bonito para a situação, a alegria ea glória de toda a terra, era este jardim: sem dúvida era a terra em sua mais alta perfeição.

4. As árvores com que este jardim foi plantado. (1.) Tinha todas as melhores e mais requintadas árvores em comum com o resto do solo. Era linda e adornada com todas as árvores que, pela sua altura ou largura, a sua marca ou cor, a sua folha ou flor, era agradável à vista e encantado o olho foi reabastecido e enriquecido com todas as árvores que produziram frutos agradáveis ​​ao sabor E útil para o corpo, e tão bom para o alimento. Deus, como um Pai terno, consultou não só o lucro de Adão, mas seu prazer porque existe um prazer consistente com a inocência, ou melhor, há um prazer verdadeiro e transcendente na inocência. Deus se deleita na prosperidade de seus servos, e gostaria de tê-los fácil é devido a si mesmos se eles ser desconfortável. Quando a Providência nos coloca em um Éden de abundância e prazer, devemos servi-lo com gozo e alegria de coração, na abundância das coisas boas que ele nos dá. Mas, (2) tinha duas árvores extraordinárias peculiares a si mesmo na terra, não havia como elas. [1] Havia a árvore da vida no meio do jardim, que não era tanto um memorando para ele da fonte e autor da sua vida, nem talvez quaisquer meios naturais para preservar ou prolongar a vida, mas foi principalmente destinado Para ser um sinal e um selo a Adão, assegurando-lhe a continuidade da vida e felicidade, até mesmo à imortalidade e felicidade eterna, pela graça e favor de seu Criador, sob a condição de sua perseverança nesse estado de inocência e obediência. Disto ele poderia comer e viver. Cristo é agora para nós da árvore da vida ( Apocalipse 2: 7,22: 2 ), eo pão da vida, João 6: 48,53 . [2] Havia a árvore do conhecimento do bem e do mal, assim chamado, não porque tinha alguma virtude nele para gerar ou aumentar o conhecimento útil (certamente, então ele não teria sido proibida), mas, primeiro, porque há Era uma revelação positiva expressa da vontade de Deus a respeito desta árvore, para que por ela pudesse conhecer o bem e o mal moral. O que é bom? É bom não comer desta árvore. O que é o mal? É mau comer desta árvore. A distinção entre todos os outros bens e males morais foi escrita no coração do homem pela natureza, mas esta, que resultou de uma lei positiva, foi escrita sobre esta árvore. Em segundo lugar, porque, no caso, revelou-se a dar Adam um conhecimento experimental do bem pela perda do mesmo e do mal pelo sentido. Como o pacto de graça tem em si, não somente crer e ser salvos, mas também, não acredita e ser condenado ( Marcos 16:16 ), de modo que o pacto de inocência tinha nele, não só "Faça isso e viver", que foi selado e confirmado pela árvore da vida, mas, "fail e morrer", que Adão foi assegurada por esta outra árvore: "Toque-o em seu perigo" para que, nestas duas árvores, Deus colocou diante dele o bem eo mal , a bênção ea maldição, Deuteronômio 30:19 . Estas duas árvores eram como dois sacramentos.

5. Os rios com o qual este jardim foi regada, Gênesis 2: 10-14 . Estes quatro rios (ou um rio ramificado em quatro córregos) contribuíram muito tanto para o agrado e a fecundidade deste jardim. A terra de Sodoma é dito ser toda bem regada, como o jardim do Senhor, Gênesis 13:10 . Observe, o que Deus planta, ele terá o cuidado de manter regado. As árvores de justiça são definidas pelos rios, Salmo 1: 3 . No paraíso celeste existe um rio infinitamente superando estes pois é um rio da água da vida, não saindo do Éden, como isso, mas que procedia do trono de Deus e do Cordeiro ( Apocalipse 22: 1 ), um rio que alegra a cidade do nosso Deus, Salmo 46: 4 . Hiddekel e Eufrates são rios de Babilônia, que lemos de outros lugares. Por estes os judeus cativos sentou-se e chorou, quando eles se lembraram Sion ( Salmo 137: 1 ), mas me parece que eles tinham muito mais motivos para chorar (e nós também) com a lembrança do Éden. O paraíso de Adão era sua prisão, tal trabalho miserável fez pecado. Da terra do Havilah é dito ( Gênesis 2:12 ), o ouro dessa terra é bom, e há o bdélio, ea ônix pedra: certamente este é mencionado que a riqueza de que a terra de Havilah vangloriou pode ser tão O que era a glória da terra do Éden. Havilah tinha ouro, especiarias e pedras preciosas, mas o Éden tinha o que era infinitamente melhor, a árvore da vida e a comunhão com Deus. Assim podemos dizer dos africanos e dos índios: "Eles têm o ouro, mas temos o evangelho, o ouro da sua terra é bom, mas as nossas riquezas são infinitamente melhores".

II. A colocação do homem neste paraíso de prazer, Gênesis 2:15 , onde observar,

1. Como Deus o colocou na sua posse: O Senhor Deus tomou o homem, eo pôs no jardim do Éden assim Gênesis 2: 8,15 . Note-se aqui: (1) O homem foi feito para fora do paraíso para, depois de Deus lhe tinha formado, ele pôs no jardim: ele foi feito de barro comum, não do paraíso de poeira. Ele viveu fora do Éden antes de morar nela, para que ele pudesse ver que todos os confortos de seu estado de paraíso eram devidos à graça de Deus. Ele não podia invocar um arrendatário-direito para o jardim, pois ele não nasceu nas instalações, e não tinha nada além do que ele recebeu toda a vanglória foi, portanto, para sempre excluídos. (2) O mesmo Deus que foi o autor de seu ser foi o autor de sua bem-aventurança a mesma mão que o fez uma alma viva plantou a árvore da vida para ele, e estabeleceu-o por ela. Aquele que nos fez é o único capaz de nos fazer felizes, aquele que é o primeiro de nossos corpos e o Pai dos nossos espíritos, ele e ninguém além dele, podem efetivamente providenciar a felicidade de ambos. (3) Ela acrescenta muito ao conforto de qualquer condição se vislumbrarmos claramente que Deus vai adiante de nós e nos coloca nele. Se não forçamos a providência, mas a seguimos e tomamos as dicas de direção que nos deu, podemos esperar encontrar um paraíso onde, de outra forma, não poderíamos esperá-lo. Veja Salmo 47: 4 .

2. Como Deus lhe designou negócios e emprego. Ele o colocou ali, não como Leviatã nas águas, para brincar ali, mas para vestir o jardim e guardá-lo. Paraíso em si não era um lugar de isenção do trabalho. Note, aqui, (1.) Nós éramos nenhuns de nós enviados no mundo para ser ocioso. Aquele que nos fez estas almas e corpos nos deu algo para trabalhar e aquele que nos deu esta terra para nossa habitação nos fez algo para trabalhar. Se uma alta extração, ou uma grande propriedade, ou um grande domínio, ou inocência perfeita, ou um gênio para pura contemplação, ou uma pequena família, pudessem ter dado a um homem uma autorização de facilidade, Adão não teria sido posto a trabalhar, mas aquele que nos deu estar nos deu de negócios, para servi-lo e nossa geração, e trabalhar a nossa salvação: se não se importa nosso negócio, somos indignos de nosso ser e manutenção. (2) Os empregos seculares variam bem consistem com um estado de inocência e uma vida de comunhão com Deus. Os filhos e herdeiros do céu, enquanto estão aqui neste mundo, têm algo a ver nesta terra, que deve ter a sua parte de seu tempo e pensamentos e, se o fizerem com um olho para Deus, eles são tão verdadeiramente servindo Nele como quando estão de joelhos. (3) A vocação do lavrador é uma vocação antiga e honrosa que era necessária mesmo no paraíso. O jardim do Éden, embora não precisasse ser desmatado (pois os espinhos e os cardos não eram ainda um incômodo), contudo deve ser vestido e mantido. A natureza, mesmo em seu estado primitivo, deixou espaço para as melhorias da arte e da indústria. Era um chamado para um estado de inocência, fazendo provisão para a vida, não para a luxúria, e dando ao homem uma oportunidade de admirar o Criador e reconhecendo sua providência: enquanto suas mãos estavam em torno de suas árvores, seu coração poderia estar com o seu Deus. (4) Há um verdadeiro prazer no negócio para o qual Deus nos chama e nos emprega. A obra de Adão estava tão longe de ser uma satisfação que era uma adição aos prazeres do paraíso que ele não poderia ter sido feliz se ele tinha sido ocioso: ainda é uma lei, aquele que não vai trabalhar não tem direito a comer, 2 Tessalonicenses 3:10 ; Provérbios 27:23 .

III. O mandamento que Deus deu ao homem na inocência, e a aliança com que ele o levou. Até agora vimos Deus como o poderoso Criador do homem e seu generoso Beneficente, agora ele aparece como seu Governante e Legislador. Deus o colocou no jardim do Éden, não para viver ali como ele poderia listar, mas para estar sob governo. Como não nos é permitido estar ociosos neste mundo, e não fazer nada, então não temos permissão para ser voluntariosos, e fazer o que quisermos. Quando Deus deu ao homem um domínio sobre as criaturas, ele o deixaria saber que ele mesmo estava sob o governo de seu Criador.

Versículos 16-17

A Árvore do Conhecimento Proibida.
         
16 E o Deus ordenou ao homem, dizendo: De toda árvore do jardim comerás livremente: 17 Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que comeres Certamente morrerás.

Observe aqui, I. A autoridade de Deus sobre o homem, como uma criatura que tinha razão e liberdade de vontade. O Senhor Deus ordenou ao homem, que agora era uma pessoa pública, pai e representante de toda a humanidade, receber a lei, como ele havia recebido recentemente uma natureza, para si e para todos os seus. Deus ordenou a todas as criaturas, de acordo com a sua capacidade o curso estabelecido sobre a natureza é uma lei, Salmo 148: 6 ; Salmo 104: 9 . As criaturas brutas têm seus respectivos instintos, mas o homem foi feito capaz de realizar um serviço razoável e, portanto, recebeu não apenas o comando de um Criador, mas o comando de um Príncipe e Mestre. Embora Adão fosse um homem muito grande, um homem muito bom, e um homem muito feliz, contudo, o Senhor Deus lhe ordenou e o comando não era desprezível a sua grandeza, nenhuma repreensão a sua bondade, nem qualquer diminuição de toda a sua felicidade. Reconheçamos o direito de Deus de nos governar, e nossas próprias obrigações de ser governado por ele e nunca permitir qualquer vontade de nossa própria em contradição ou competição com a santa vontade de Deus.

II. O ato particular desta autoridade, ao prescrevê-lo o que ele deve fazer, e em que termos ele deve estar com seu Criador. Aqui está,

1. A confirmação de sua felicidade presente para ele, em que a concessão, de todas as árvores do jardim comerás livremente. Isto não foi apenas um subsídio de liberdade a ele, ao tomar os deliciosos frutos do paraíso, como uma recompensa por seu cuidado e dores no vestir e mantê-lo ( 1 Coríntios 9: 7,10 ), mas foi, além disso, uma garantia De vida para ele, vida imortal, em sua obediência. Para a árvore da vida sendo colocado no meio do jardim ( Gênesis 2: 9 ), como o coração e alma dele, sem dúvida, Deus tinha um olho para que especialmente nesta concessão e, portanto, quando, após a sua revolta, esta concessão é lembrou, nenhum aviso é levado de qualquer árvore do jardim como proibida para ele, exceto a árvore da vida ( Gênesis 3:22 ), do qual é lá disse que ele poderia ter comido e viveu para sempre, isto é, nunca morreu, Nem nunca perdeu a sua felicidade. "Continue santo como tu és, conforme a vontade do teu Criador, e continuarás feliz como tu estás no gozo do favor de teu Criador, seja neste paraíso, seja em um melhor". Assim, sob a condição de perfeita obediência pessoal e perpétua, Adão era certo do paraíso para si mesmo e seus herdeiros para sempre.

2. Os ensaios de sua obediência, sob pena de o confisco de toda a sua felicidade: " Mas da outra árvore que ficava muito perto da árvore da vida (para ambos estão a ser dito no meio do jardim ) e que foi chamado a árvore do conhecimento, no dia tu comeres, certamente morrerás ", como se ele tivesse dito:" Sabe, Adam, que és agora sobre a tua bom comportamento, és colocado em paraíso após julgamento ser observador, seja Obediente, e tu és feito para sempre, tu serás tão miserável como agora és feliz ". Aqui,

(1.) Adam é ameaçado de morte em caso de desobediência: Morrer morrerás, denotando uma frase certa e terrível, como, na antiga parte desta aliança, comendo comerás, denota uma concessão livre e pleno. Observe [1.] Mesmo Adão, em inocência, ficou admirado com um medo ameaçador é um dos punhos da alma, pelo qual é tomado e segurado. Se ele então precisava dessa cobertura, muito mais do que agora. [2] A pena é a morte ameaçada: Tu morrerás, isto é, "Tu serás impedido de a árvore da vida, e tudo de bom que é significada por ele, toda a felicidade tu, quer na posse ou perspectiva e Ficarás sujeito à morte, e todas as misérias que o precedem e o atendem ". [3] Este foi ameaçado como a consequência imediata do pecado: No dia comeres, morrerás, isto é, "Tu a tornar-se mortal e capaz de morrer a concessão da imortalidade deve ser lembrado, e que a defesa deve afastar-se Te tornarás indecente à morte, como um condenado malfeitor que está morto na lei "(só, porque Adão era a raiz da humanidade, ele foi dispensado)", antes, os precursores e precursores da morte imediatamente te pegarão e tua vida, daí em diante, será uma vida de morrer: e isso, certamente , é uma regra estabelecida, a alma que pecar, essa morrerá. "

(2.) Adam é tentado com um direito positivo, para não comer do fruto da árvore do conhecimento. Agora era muito apropriado fazer julgamento de sua obediência por um comando como este, [1] Porque a razão disso é obtida puramente da vontade do Criador da Lei. Adão tinha em sua natureza uma aversão ao que era mau em si mesmo, e, portanto, ele é julgado em uma coisa que era mau apenas porque era proibido e, sendo em uma coisa pequena, era o mais apto para provar a sua obediência por. [2] Porque a restrição dela é colocada sobre os desejos da carne e da mente, que, na natureza corrupta do homem, são as duas grandes fontes de pecado. Esta proibição verificava tanto seu apetite em delícias sensíveis quanto suas ambições de conhecimento curioso, para que seu corpo pudesse ser governado por sua alma e sua alma por seu Deus.

Tão fácil, tão feliz, o homem estava em estado de inocência, tendo todo esse coração desejava fazê-lo assim. Como Deus era bom para ele! Quantos favores ele o carregou! Quão fácil eram as leis que ele lhe deu! Quão amável o pacto que ele fez com ele! Mas o homem, embora esteja em honra, não compreendeu o seu próprio interesse, mas logo tornou-se como os animais que perecem.

Versículos 18-20

Domínio de Adão.
          .
18 E o L ORD Deus disse: É não é bom que o homem esteja só vou dar-lhe uma ajuda para ele cumprir. 19 E fora da terra do L ORD Deus formou todos os animais do campo e todas as aves do céu e trouxe -os ao homem para ver o que lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome. 20 E Adão deu nomes a todo o gado, e às aves do céu, e a todos os animais do campo, mas a Adão, não foi encontrada ajuda para ele.

Aqui temos, I. Uma instância de cuidados do homem do Criador e sua solicitude paterna para seu conforto, Gênesis 2:18 . Embora Deus tinha deixá-lo saber que ele era um sujeito, dando-lhe um comando, ( Gênesis 2: 16,17 ), mas aqui ele permite-lhe saber também, pelo seu encorajamento em sua obediência, que ele era um amigo e um Favorito, e cuja satisfação ele era terno de. Observar,

1. Como Deus graciosamente pena de sua solidão: Não é bom que o homem, este homem, deve estar sozinho. Embora houvesse um mundo superior de anjos e um mundo inferior de brutos, e ele entre eles, contudo, não existia nenhuma da mesma natureza e classe de seres consigo mesmo, nenhum com quem pudesse conversar familiarmente, ele poderia ser verdadeiramente dito ser sozinho. Agora, aquele que o fez conhecia-o tanto quanto o que era bom para ele, melhor do que ele mesmo, e disse: "Não é bom que ele continue assim sozinho". (1) Não é para seu conforto para o homem é uma criatura sociável. É um prazer para ele trocar conhecimento e afeto com os de sua própria espécie, informar e ser informado, amar e ser amado. O que Deus diz aqui do primeiro homem Salomão diz de todos os homens ( Eclesiastes 4: 9-10 ., & C), que dois são melhores do que um, e ai daquele que está sozinho. Se houvesse apenas um homem no mundo, que homem melancólico ele deve precisar! A solidão perfeita transformaria um paraíso em um deserto, e um palácio em uma masmorra. Esses, portanto, são tolos que são egoístas e seriam colocados sozinhos na terra. (2) Não é para o aumento e continuidade de sua espécie. Deus poderia ter feito um mundo de homens em primeiro lugar, para reabastecer a terra, como ele reabastecido céu com um mundo de anjos: mas o lugar teria sido demasiado estreito para o número projetado de homens para viver juntos de uma só vez, Compõem esse número por uma sucessão de gerações, que, como Deus formou o homem, deve ser de dois, e aqueles masculino e feminino um será sempre um.

2. Como Deus graciosamente resolveu prover a sociedade para ele. O resultado deste raciocínio a respeito dele estava presente resolução tipo, eu vou fazer um help-idônea para ele uma ajuda como ele (por isso alguns lê-lo), um da mesma natureza e do mesmo nível dos seres a ajuda perto dele (para que outros ), um de coabitar com ele, e para estar sempre à mão uma ajuda antes de ele (para outros), que ele deveria olhar com prazer e deleite. Observe, portanto, (1.) No nosso melhor estado neste mundo temos necessidade de uma ajuda de outra pois somos membros uns dos outros, e o olho não pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti, 1 Coríntios 12:21 . Portanto, devemos estar contentes de receber ajuda de outros, e dar ajuda aos outros, como há ocasião. (2.) É Deus somente quem conhece perfeitamente as nossas necessidades, e é perfeitamente capaz de fornecer todos eles, Filipenses 4:19 . Só nele está a nossa ajuda, e dele são todos os nossos ajudantes. (3) A esposa adequada é uma ajuda-reunião, e é do Senhor. A relação é então provável que seja confortável quando iminência dirige e determina a escolha, e ajuda mútua é o constante cuidado e esforço, 1 Coríntios 7: 33,34 . (4) A sociedade de família, se é agradável, é uma reparação suficiente para a queixa de solidão. Aquele que tem um bom Deus, um bom coração e uma boa esposa, para conversar com ele, mas queixa-se de que quer conversar, não teria sido fácil e contente no paraíso, pois o próprio Adão não tinha mais; , nós não achar que ele se queixou de estar sozinho, sabendo que ele não estava sozinho, porque o Pai estava com ele. Aqueles que estão mais satisfeitos em Deus e seu favor estão na melhor maneira, e no melhor quadro, para receber as coisas boas desta vida, e terão certeza deles, na medida em que a Sabedoria Infinita vê o bem.

II. Uma instância de sujeição das criaturas para o homem, eo seu domínio sobre eles ( Gênesis 2: 19,20 ): todos os animais do campo e todas as aves do céu Deus trouxe a Adão, quer pelo ministério dos anjos, ou por uma Instinto especial, dirigindo-os para vir ao homem como seu mestre, ensinando o boi betimes para conhecer seu proprietário. Assim, Deus deu ao homem a libação e a permissão da propriedade justa que lhe tinha concedido, e colocou-o em posse de seu domínio sobre as criaturas. Deus os trouxe para ele, que ele poderia nomeá-los, e assim pode dar, 1. A prova de seu conhecimento, como uma criatura dotada de faculdades tanto da razão e da fala, e assim ensinou mais do que os animais da terra e fez sábios do que as aves do céu, Job 35:11 . E, 2. Uma prova de seu poder. É um ato de autoridade para impor nomes ( Daniel 1: 7 ), e de sujeição a recebê-los. As criaturas inferiores faziam agora, por assim dizer, uma homenagem a seu príncipe em sua inauguração, e juram fidelidade e lealdade a ele. Se Adão continuou fiel ao seu Deus, podemos supor que as próprias criaturas tão bem conheceriam e lembrariam os nomes que Adão lhes deu agora, como se tivessem chegado a seu chamado, a qualquer momento, e respondido a seus nomes. Deus deu nomes para o dia e noite, para o firmamento, para a terra e para o mar e ele chama as estrelas pelos seus nomes, para mostrar que ele é o Senhor supremo destes. Mas ele deu a Adão licença para nomear os animais e as aves, como seu senhor subordinado para, tê-lo feito à sua própria imagem, ele assim colocar alguns de sua honra sobre ele.

III. Uma instância da insuficiência das criaturas para ser uma felicidade para o homem: Mas (entre todos eles) para o homem não foi encontrada uma ajuda para ele cumprir. Alguns fazem com que estas sejam as palavras do próprio Adão observando todas as criaturas vindas a ele por casais a serem nomeados, assim ele insinua o desejo dele ao seu Criador: "Senhor, estas têm todas as ajudas para encontrá-las, mas o que devo fazer? Aqui nunca é uma para mim. É mais um julgamento de Deus sobre a revisão. Ele os trouxe todos juntos, para ver se havia alguma vez uma correspondência adequada para Adão em qualquer das numerosas famílias das criaturas inferiores, mas não havia nenhuma. Observe aqui, 1. A dignidade e excelência da natureza humana. Na terra não havia nada parecido, nem o seu par era encontrado entre todas as criaturas visíveis, todas elas eram olhadas, mas não podia ser combinado entre todos eles. 2. A vaidade deste mundo e as coisas dele os unirão todos, e eles não farão uma ajuda para o homem. Não servirão à natureza da sua alma, nem suprirão as suas necessidades, nem satisfazerão os seus justos desejos, nem correrão paralelamente com a sua duração inesgotável. Deus cria uma coisa nova para ser uma ajuda-reunião para o homem - não tanto a mulher como a semente da mulher.

Versículos 21-25

A Formação de Eva     

21 E o L ORD Deus fez cair pesado sono sobre o homem, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas, e fechou a carne em seu lugar 22E da costela que o L ORD Deus tomou do homem, formou uma Mulher, e trouxe-a ao homem. 23 E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos e carne da minha carne; ela será chamada mulher, porque ela foi tirada do homem. 24 Por isso deixará o homem a seu pai ea sua mãe, e se unirá à sua mulher, e serão uma só carne. 25 E ambos estavam nus, o homem ea sua mulher, e não se envergonharam.

Aqui temos, I. A fabricação da mulher, para ser um encontro de ajuda para Adão. Isso foi feito em cima do sexto dia, como também o foi a colocação de Adão no paraíso, embora seja aqui mencionado, após uma conta de descanso no sétimo dia de mas o que foi dito em geral ( Gênesis 1:27 ), que Deus fez o homem do sexo masculino e Feminino, está mais claramente relacionado aqui. Observe-se, 1. Que primeiro foi formado Adão, depois Eva ( 1 Timóteo 2:13 ), e ela foi feita do homem e para o homem ( 1 Coríntios 11: 8-9 ), todos os que são instados há como razões para A humildade, a modéstia, o silêncio e a submissão, desse sexo em geral, e particularmente a submissão e reverência que as esposas devem a seus próprios maridos. Contudo, o homem que está sendo feito na última das criaturas, como o melhor e mais excelente de tudo, véspera de ser feita depois de Adão, e fora dele, coloca uma honra em cima de que o sexo, como a glória do homem, 1 Coríntios 11: 7 . Se o homem é a cabeça, ela é a coroa, uma coroa para seu marido, a coroa da criação visível. O homem era pó refinado, mas a mulher era pó refinado, um se afastava da terra. 2. Que Adão dormia enquanto sua esposa estava na tomada, que nenhum quarto pode ser deixada para imaginar que ele tinha aqui dirigiu o Espírito do Senhor, ou foi seu conselheiro, Isaías 40:13 . Ele se sentira sensível à sua falta de ajuda, mas, tendo-se comprometido a lhe dar um, não se aflige com cuidado, mas se deita e dorme docemente, como alguém que lançou todo o seu cuidado em Deus , Com uma resignação alegre de si mesmo e de todos os seus negócios à vontade e à sabedoria de seu Criador. Jeová-jireh, que o Senhor forneça quando e quem ele quiser. Se graciosamente descansarmos em Deus, Deus trabalhará graciosamente para nós e trabalhará para o bem. 3. Que Deus fez com que um sono a cair sobre Adão, e fez dele um sono profundo, que até a abertura do seu lado pode haver nenhuma queixa a ele enquanto ele não conhece o pecado, Deus cuidará ele deve sentir nenhuma dor. Quando Deus, por sua providência, faz isso ao seu povo que é doloroso para a carne e o sangue, ele não só consulta sua felicidade na questão, mas por sua graça ele pode tão tranquilo e compor seus espíritos como para torná-los fáceis sob a mais nítida operações. 4. Que a mulher foi feita de uma costela do lado de Adão não fez fora de sua cabeça para se pronunciar sobre ele, nem para fora de seus pés para ser pisada por ele, mas fora do seu lado para ser igual a ele, Sob seu braço para ser protegido, e perto de seu coração para ser amado. Adão perdeu uma costela, e sem qualquer diminuição de sua força ou elegância (pois, sem dúvida, a carne estava fechada sem cicatriz), mas em seu lugar teve uma ajuda para ele, que abundantemente compensou sua perda: o que Deus tira De seu povo, ele irá, de uma maneira ou de outra, restaurar com vantagem. Nisto (como em muitas outras coisas) Adão era uma figura daquele que viria para fora do lado de Cristo, o segundo Adão, seu esposo a igreja foi formada, quando dormiu o sono, o sono profundo, da morte Sobre a cruz, para que o seu lado foi aberto, e saiu sangue e água, sangue para comprar a sua igreja e água para purificá-lo para si mesmo. Ver Efésios 5: 25,26 .

II. O casamento da mulher com Adão. O casamento é honroso, mas este foi certamente o casamento mais honrado que já existiu, no qual o próprio Deus tinha uma mão imediata. Casamentos (dizem) são feitos no céu: temos certeza que este foi, para o homem, a mulher, a partida, foram própria toda a obra de Deus que ele, pelo seu poder, fez ambos, e agora, por sua ordenação, fez um. Este foi um casamento feito em perfeita inocência, e assim nunca foi qualquer casamento uma vez que, 1. Deus, como seu pai, trouxe a mulher para o homem, como seu segundo eu, e uma ajuda-idônea. Quando ele a fez, ele não a deixou à sua própria disposição não, ela era sua filha, e ela não deve se casar sem o seu consentimento. É provável que estejam dispostos ao seu conforto, que pela fé e pela oração, e uma humilde dependência da providência, se submetam a uma conduta divina. Essa esposa que é de Deus fazendo por graça especial, e de Deus trazendo por providência especial, é provável que prove um encontro de ajuda para um homem. 2. A partir de Deus, como seu pai, Adam recebeu seu ( Gênesis 2:23 ): " Esta é agora osso dos meus ossos. Agora eu tenho o que eu queria, e que todas as criaturas não poderia me fornecer com um ajudar a satisfazer por mim." Os dons de Deus para nós devem ser recebidos com um reconhecimento humilde e agradecido de sua sabedoria em nos adequar a eles, e seu favor em nos concedê-los. Provavelmente foi revelado a Adão em uma visão, quando ele estava dormindo, que esta criatura encantadora, agora apresentada a ele, era um pedaço de si mesmo, e deveria ser sua companheira e a esposa de sua aliança. Por isso alguns têm buscado um argumento para provar que os santos glorificados no paraíso celestial devem conhecer um ao outro. Além disso, em sinal de sua aceitação dela, ele deu-lhe um nome, não peculiar para ela, mas comum a seu sexo: ela será chamada mulher, Isha, a ela pelo homem, diferindo do homem no sexo apenas, e não na natureza - feito do homem, e unido ao homem.

III. A instituição da ordenança do casamento, ea fixação da lei dele, Gênesis 2:24 . O sábado e o casamento foram duas ordenanças instituídas na inocência, a primeira para a preservação da igreja, a segunda para a preservação do mundo da humanidade. Parece (por Mateus 19: 4,5 ) que foi o próprio Deus que disse aqui: "Um homem deve deixar todas as suas relações, a unirá à sua mulher", mas se ele falou isso por Moisés, o escritor, ou Adam ( que falou, Gênesis 02:23 ), é incerto. Parece que são as palavras de Adão, em nome de Deus, que estabelece esta lei para toda a sua posteridade. 1. Veja aqui quão grande a virtude de uma ordenança divina é que os laços dela são mais fortes do que os da natureza. A quem podemos estar mais firmemente ligados do que os pais que nos geraram e as mães que nos carregaram? No entanto, o filho deve sair deles, para se unir à sua mulher, e a filha esquecê-los, para clivar a seu marido, Salmo 45: 10,11 . 2. Veja como é necessário que as crianças tomem consigo o consentimento de seus pais em seu casamento e quão injustos são para com seus pais, assim como os que não casam, que se casam sem eles, porque lhes roubam o direito que lhes é devido, E interesse neles, e aliená-lo a outro, de forma fraudulenta e antinatural. 3. Veja que necessidade há de prudência e oração na escolha desta relação, que é tão próxima e tão duradoura. Que tinha necessidade de ser bem feito que deve ser feito para a vida. 4. Veja como firme o vínculo do casamento é, para não ser dividido e enfraquecido por ter muitas esposas ( Malaquias 2:15 ), nem para ser quebrado ou cortado pelo divórcio, por qualquer causa, mas a prostituição, ou abandono voluntário. 5. Veja como caro o carinho deve ser entre marido e mulher, como há para nossos próprios corpos, Efésios 5:28 . Esses dois são uma só carne que eles sejam uma só alma.

IV. Uma evidência da pureza e inocência daquele estado em que nossos primeiros pais foram criados, Gênesis 02:25 . Ambos estavam nus. Eles não precisavam de roupas para se defenderem do frio ou do calor, pois nenhum deles poderia ser prejudicial para eles. Eles não precisavam de nenhum ornamento. Salomão, em toda a sua glória, não estava vestido como um desses. Não, eles não precisavam de nenhuma decência porque estavam nus, e não tinham motivo para se envergonharem. Eles não sabiam o que vergonha era, portanto, o Caldeu lê-lo. Blushing é agora a cor da virtude, mas não era então a cor da inocência. Aqueles que não tinham pecado na consciência não podiam ter vergonha em seus rostos, embora não tivessem roupa nas costas.(notas comentário bíblico de Genesis, Mathew Henrys).


Nenhum comentário:

Postar um comentário