domingo, 8 de janeiro de 2017

Subsidio juniores Deus de amor n.3 2017

                      

                          Romanos 8.35-39 Versículos 31-39







                                          Escritor Professor Mauricio Berwald

31 Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem pode ser contra nós? 32 Aquele que não poupou o seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos dará também com ele todas as coisas? 33 Quem acusará os eleitos de Deus? É Deus que justifica. Quem é aquele que condena? É Cristo que morreu, antes ressuscitou, que está mesmo à direita de Deus, que também intercede por nós. 35 Quem nos separará do amor de Cristo? Tribulação ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? 36 Como está escrito: Por amor de ti, somos mortos todo o dia; somos considerados como ovelhas para o matadouro. 37 Em todas estas coisas, somos mais do que vencedores, por meio daquele que nos amou. 38 Pois estou persuadido de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem os poderes, nem as coisas presentes, nem as que estão por vir, 39 nem altura, nem profundidade, nem qualquer outra criatura poderão separar-nos O amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor.

O apóstolo encerra este excelente discurso sobre os privilégios dos crentes com um santo triunfo, em nome de todos os santos. Tendo em grande parte estabelecido o mistério do amor de Deus a nós em Cristo, e os privilégios extremamente grandes e preciosos que desfrutamos por ele, ele conclui como um orador: Que diremos então a estas coisas? Que uso faremos de tudo o que foi dito? Ele fala como um espantado e engolido com a contemplação e admiração dele, perguntando a altura e profundidade, e comprimento e largura, do amor de Cristo, que excede o conhecimento. Quanto mais sabemos de outras coisas, menos nos perguntamos por elas, mas quanto mais somos conduzidos a um conhecimento dos mistérios do evangelho, mais nos afeta com a admiração deles. 
Se Paulo estava sem saber o que dizer a essas coisas, não seria maravilhoso se estivéssemos. E o que ele diz? Por que, se alguma vez Paulo montou em uma carruagem triunfante deste lado do céu, aqui estava: com tal altura sagrada e bravura de espírito, com tal fluência e copiosidade de expressão, ele aqui consolar a si mesmo e todo o povo de Deus , Mediante a consideração desses privilégios. Em geral, ele aqui faz um desafio, joga para baixo a luva, por assim dizer, ousa todos os inimigos dos santos para fazer o seu pior: Se Deus é por nós, quem pode ser contra nós? O fundamento do desafio é o ser de Deus para nós, e ele resume todos os nossos privilégios. Isto inclui tudo, que Deus é para nós não apenas reconciliado conosco, e assim não contra nós, mas em aliança conosco, e tão engajados para nós - todos os seus atributos para nós, suas promessas para nós. Tudo o que ele é, e tem, e faz, é para o seu povo. Ele executa todas as coisas para eles. Ele é para eles, mesmo quando parece agir contra eles. E, em caso afirmativo, quem pode ser contra nós, para prevalecer contra nós, de modo a impedir a nossa felicidade? Sejam eles sempre tão grandes e fortes, tantos, sempre tão poderosos, tão maliciosos, o que eles podem fazer? Enquanto Deus é por nós, e guardamos no seu amor, podemos com uma santa ousadia desafiar todos os poderes das trevas. Deixe Satanás fazer o seu pior, ele está acorrentado deixe o mundo fazer o seu pior, ele é conquistado: principados e poderes são estragados e desarmados, e triunfou sobre, na cruz de Cristo. Quem então ousa lutar contra nós, enquanto o próprio Deus está lutando por nós? E isto dizemos a estas coisas, esta é a inferência que extraímos dessas premissas. Mais particularmente.

I. Temos suprimentos prontos em todas as nossas necessidades (Romanos 8:32): Aquele que poupou, & c. Quem pode ser contra nós, despojar-nos, privar-nos de nossos confortos? Quem pode cortar nossos córregos, enquanto nós temos uma fonte para ir? 1. Observe o que Deus tem feito por nós, em que nossas esperanças são construídas: Ele não poupou seu próprio Filho. Quando ele devia empreender a nossa salvação, o Pai estava disposto a separar-se dele, não achava que ele fosse um dom muito precioso para doar para a salvação de pobres almas, agora podemos saber que ele nos ama, por não ter retido o seu Filho , Seu próprio Filho, seu único Filho, de nós, como ele disse de Abraão, Gênesis 22:12. Se nada menos salvará o homem, do que o homem perecerá, deixá-lo ir, embora fosse fora de seu peito. Assim ele o entregou por todos nós, isto é, por todos os eleitos para todos nós, não só para o nosso bem, mas em nosso lugar, como um sacrifício de expiação para ser uma propiciação pelo pecado. Quando o fez, não o poupou. Embora fosse seu próprio Filho, contudo, sendo feito pecado por nós, agradou ao Senhor feri-lo. Ouk epheisato - ele não lhe abateu um farthing daquela dívida grande, mas carregou o repouso. Desperta, ó espada. Ele não poupou seu próprio Filho que o serviu, para nos poupar, embora o tenhamos feito muito mal. 2. O que podemos, portanto, esperar que ele vai fazer: Ele com ele gratuitamente nos dar todas as coisas.
 (1) Está implícito que ele nos dará Cristo, pois outras coisas lhe são concedidas: não só com ele dado por nós, mas com ele dado a nós. Ele que se colocou para Tanta carga para fazer a compra para nós certamente não hesitará em fazer o pedido para nós.
 (2) Ele com ele nos dará todas as coisas, todas as coisas que ele julga serem necessárias e necessárias para nós, todas as coisas boas, e mais não devemos desejar, Salmos 34:10. E a sabedoria infinita será o juiz se é bom para nós e necessário para nós ou não. Livremente dá livremente, sem relutância, está pronto para dar, encontra-nos com os seus favores - e livremente, sem recompensa, sem dinheiro e sem preço. Como não o fará? Pode-se imaginar que ele deveria fazer o maior e não fazer menos? Que ele nos desse um presente tão grande quando éramos inimigos, e nos negasse qualquer coisa boa, agora que por meio dele somos amigos e filhos? Assim, pela fé, podemos argumentar contra nossos medos de querer. Aquele que preparou uma coroa e um reino para nós, com certeza nos dará o suficiente para suportar nossas acusações no caminho para ela. Aquele que nos projetou para a herança dos filhos quando chegarmos à idade, não nos deixará necessitar de coisas necessárias no meio do tempo. Temos uma resposta pronta para todas as acusações e uma segurança contra todas as condenações (Romanos 8: 33,34): Quem deve colocar alguma coisa? A lei os acusa? Suas próprias consciências os acusam? É o diabo, o acusador dos irmãos, acusando-os perante o nosso Deus dia e noite? Isso é suficiente para responder a todas essas acusações, é Deus que justifica. Os homens podem se justificar, como fizeram os fariseus, e, no entanto, as acusações podem estar em plena força contra eles, mas, se Deus justifica, isso responde a todos. Ele é o juiz, o rei, a parte ofendida, e seu julgamento é segundo a verdade, e mais cedo ou mais tarde todo o mundo será trazido para ser de sua mente, para que possamos desafiar todos os nossos acusadores a vir e colocar na sua carga . Isso os derruba todos, é Deus, o Deus justo e fiel, que justifica. Quem é aquele que condena? Embora eles não podem fazer a acusação boa ainda eles estarão prontos para condenar, mas temos um apelo pronto para mover em prisão de julgamento, um fundamento que não pode ser anulado. É Cristo que morreu, & c. É em virtude de nosso interesse em Cristo, nossa relação com ele, e nossa união com ele, que estamos assim assegurados. 1. Sua morte: É Cristo que morreu. Pelo mérito de sua morte ele pagou nossa dívida eo pagamento da garantia é um bom apelo a uma ação de dívida. É Cristo, um Salvador todo-suficiente capaz. 2. Sua ressurreição: Sim, sim, que ressuscitou. Este é um incentivo muito maior, pois é uma evidência convincente de que a justiça divina foi satisfeita pelo mérito de sua morte. Sua ressurreição foi a sua libertação, foi uma quitação legal. Portanto, o apóstolo menciona com um sim, sim. Se ele tivesse morrido, e não tivesse ressuscitado novamente, estaríamos onde estávamos. 
3. Ele está sentado à direita de Deus: Ele está mesmo à direita de Deus - uma prova mais de que ele fez a sua obra, e um encorajamento poderoso para nós em referência a todas as acusações, que temos um amigo, Tal amigo, no tribunal. À direita de Deus, que denota que ele está pronto lá - sempre à mão e que ele está governando lá - todo o poder é dado a ele. Nosso amigo é ele mesmo o juiz. 4. A intercessão que ele faz lá. Ele está lá, não despreocupado sobre nós, não esquecido de nós, mas fazendo intercessão. Ele é agente para nós lá, um advogado para nós, para responder a todas as acusações, para colocar em nosso apelo, e para processá-lo com efeito, a comparecer para nós e apresentar nossas petições. E não é esta matéria abundante para o conforto? Que diremos a estas coisas? Este é o modo dos homens, ó Senhor Deus? Que espaço resta para duvidar e inquietar? Por que és abatida, ó minha alma? Alguns entendem a acusação e condenação aqui falada daquilo que os santos sofredores encontraram com os homens. Os cristãos primitivos tinham muitos crimes negros postos à sua carga - heresia, sedição, rebelião, e o que não? Para estes, os governantes os condenaram: "Mas não importa por que" (diz o apóstolo) "enquanto estamos bem na barra de Deus, não é de grande momento como estamos nos homens.A todas as duras censuras, as calúnias maliciosas, E as sentenças injustas e injustas dos homens, podemos, com conforto, opor-nos à nossa justificação diante de Deus por meio de Jesus Cristo, como aquilo que abundantemente contrabalança "1 Coríntios 4: 3,4. III. Temos boa garantia de nossa preservação e continuação neste estado abençoado, Romanos 8: 35-39. Os temores dos santos, para que não percam a sua posse de Cristo, muitas vezes são muito desanimadores e inquietantes, e criam-lhes uma grande perturbação, mas aqui é o que pode silenciar seus medos e ainda tais tempestades, que nada pode separá-los. Temos aqui a partir do apóstolo, 1. Um desafio ousado a todos os inimigos dos santos para separá-los, se pudessem, do amor de Cristo. Quem deve? Nenhum deve, Romanos 8: 35-37. Deus tendo manifestado o seu amor ao dar o seu próprio Filho por nós, e não hesitando nisso, podemos imaginar que qualquer outra coisa deveria desviar ou dissolver

E esse amor? Observe aqui, (1).

 As calamidades presentes dos amados de Cristo supostamente - que eles se encontram com tribulação em todas as mãos, estão em perigo, não sabem qual a maneira de procurar qualquer socorro e alívio neste mundo, são seguidos com perseguição de Um mundo malicioso e irado que sempre odiava aqueles a quem Cristo amava, esmagados pela fome e famintos de nudez, despojados de todos os confortos criados, expostos aos maiores perigos, a espada do magistrado traçada contra eles, pronta para ser embainhada na sua Intestinos, banhados em seu sangue. Pode um caso ser suposto mais preto e triste? É ilustrado (Romanos 8:36) por uma passagem citada do Salmo 44:22, Por causa de você somos mortos durante todo o dia, o que indica que não devemos pensar estranho, não a respeito do julgamento ardente e sangrenta. Vemos que os santos do Antigo Testamento tinham a mesma sorte, assim perseguiram os profetas que estavam diante de nós. Morto durante todo o dia, isto é, continuamente exposto e esperando o acidente vascular cerebral fatal. Há ainda todos os dias, e todo o dia, um ou outro do povo de Deus sangrando e morrendo sob a raiva de perseguir inimigos. Considerados como ovelhas para o massacre, eles não fazem mais de matar um cristão do que matar uma ovelha. As ovelhas são mortas, não porque são prejudiciais enquanto vivem, mas porque são úteis quando estão mortas. Eles matam os cristãos para agradar a si mesmos, para ser alimento para a sua malícia. Eles comem o meu povo como eles comem pão, Salmo 14: 4. 

(2) A incapacidade de todas estas coisas para nos separar do amor de Cristo. Eles podem, eles podem fazer isso? Não, de forma alguma. Tudo isso não cortará o vínculo de amor e amizade que existe entre Cristo e os verdadeiros crentes. [1.] Cristo não ama, não nos amará menos por tudo isso. Todos estes problemas são muito consistentes com o amor forte e constante do Senhor Jesus. Eles não são uma causa nem uma evidência da redução de seu amor. Quando Paulo foi açoitado, espancado, aprisionado e apedrejado, Cristo o amava cada vez menos? Seus favores foram interrompidos? Seus sorrisos qualquer whit suspenso? Suas visitas mais tímido? De modo algum, mas o contrário. Essas coisas nos separam do amor de outros amigos. Quando Paulo foi levado diante de Nero todos os homens o abandonaram, mas então o Senhor estava ao seu lado, 2 Timóteo 4: 16,17. Todos os inimigos perseguidores podem roubar-nos, não podem roubar o amor de Cristo, não podem interceptar suas fichas de amor, não podem interromper ou excluir suas visitas: e, portanto, deixá-los fazer o pior deles, eles não podem fazer um verdadeiro crente miserável . [2] Nós não, não, o amamos menos por isso e por isso, porque não pensamos que ele nos ama menos. A caridade não pensa em mal, não entretém pensamentos de desconfiança, não faz conclusões duras, sem construções desagradáveis, leva tudo em boa parte que vem do amor. Um verdadeiro cristão ama Cristo, não obstante menos que ele sofra por ele, não pensa nunca o pior de Cristo, porque ele perde tudo por ele. 

(3) O triunfo dos crentes neste verso 37): Não, em todas estas coisas que são Mais do que vencedores. [1] Nós somos conquistadores, embora mortos durante todo o dia, conquistadores. Uma maneira estranha de conquistar, mas era o caminho de Cristo assim ele triunfou sobre principados e poderes em sua cruz. É um modo mais seguro e mais nobre de conquista pela fé e pela paciência do que pelo fogo e pela espada. Os inimigos às vezes confessaram-se confundidos e superados pela coragem invencível e constância dos mártires, que assim superaram os príncipes mais vitoriosos por não amar suas vidas para a morte, Apocalipse 12:11. [2] Somos mais do que vencedores. Na nossa paciência suportando estas provações não somos apenas conquistadores, mas mais do que vencedores, isto é, triunfos. São mais do que conquistadores que conquistam, Primeiro, Com pouca perda. Muitas conquistas são muito compradas, mas o que os santos sofredores perdem? Por que, eles perdem o que o ouro perde na fornalha, nada além da escória. Não é grande perda perder coisas que não são - um corpo que é da terra, terrena. Em segundo lugar, com grande ganho. Os despojos são uma glória, uma honra e uma paz extraordinariamente ricas, uma coroa de justiça que não se desvanece. Nisto os santos sofredores triunfaram não só não foram separados do amor de Cristo, mas foram levados para os mais sensíveis carinhos e abraços dele. À medida que abundam as aflições, abundam as consolações, 2 Coríntios 1: 5. Há mais do que um conquistador, quando pressionado acima da medida. Aquele que abraçou a estaca e disse: "Acolha a cruz de Cristo, acolhe a vida eterna" - aquele que datou sua carta do delicioso pomar da prisão Leonina, - ele que disse: "Nessas chamas eu não sinto Mais dor do que se estivesse sobre uma cama de baixo "- ela que, um pouco antes de seu martírio, sendo perguntado como ela fez, disse:" Bem e alegre, e indo para o céu ", - aqueles que foram sorrindo Para a estaca, e ficou cantando nas chamas - estes foram mais do que vencedores. [3.] É somente através de Cristo que lo O mérito de sua morte, tirando o aguilhão de todos esses problemas, o Espírito de sua graça fortalecendo-nos, e capacitando-nos a suportá-los com santa coragem e constância, e entrando com confortos e apoios especiais. Assim somos conquistadores, não em nossa própria força, mas na graça que está em Cristo Jesus. Somos conquistadores em virtude do nosso interesse na vitória de Cristo. Ele venceu o mundo por nós (João 16:33), tanto as coisas boas quanto as más coisas dela, de modo que não temos nada a fazer além de perseguir a vitória e dividir o despojo, e assim são mais do que vencedores. 2. Uma conclusão direta e positiva de toda a questão: Porque estou persuadido, Romanos 8: 38,39. Denota uma persuasão plena, forte e afetiva, que surge da experiência da força e doçura do amor divino. E aqui ele enumera todas aquelas coisas que poderiam ser supostamente prováveis ​​de separar entre Cristo e os crentes, e conclui que não poderia ser feito.
 (1) Nem a morte nem a vida - nem os terrores da morte por um lado nem os confortos e prazeres da vida do outro, nem o medo da morte nem a esperança da vida. Ou: Não nos separaremos desse amor nem na morte nem na vida.
 (2) Nem anjos, nem principados, nem poderes. Os bons anjos e os maus são chamados principados e poderes: o bom, Efésios 1:21; Colossenses 1:16 o mau, Efésios 6:12; Colossenses 2:15. E nem o fará. Os bons anjos não, os maus não podem e nem podem. Os bons anjos são amigos engajados, os maus são inimigos contidos.
 (3) Nem coisas presentes, nem coisas vindouras - nem a sensação de problemas presentes nem o medo de problemas futuros. O tempo não nos separará, a eternidade não. As coisas presentes nos separam das coisas vindouras, e as coisas separadas nos separam das coisas presentes, mas não do amor de Cristo, cujo favor está retorcido com as coisas presentes e futuras. 
(4) nem altura, nem profundidade - nem a altura da prosperidade e preferment, nem a profundidade da adversidade e desgraça nada do céu acima, sem tempestades, tempestades nada na terra abaixo, sem pedras, mares, masmorras.
 (5) Nem qualquer outra criatura - qualquer coisa que pode ser nomeado ou pensado. Ela não nos separará do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. Não pode cortar ou prejudicar o nosso amor a Deus, ou Deus para nós nada faz, pode fazê-lo, mas o pecado. Observe, O amor que existe entre Deus e os verdadeiros crentes é através de Cristo. Ele é o Mediador do nosso amor: é através dele e através dele que Deus pode nos amar e que ousamos amar a Deus. Este é o fundamento da stedfastness do amor, portanto, Deus repousa em seu amor (Sofonias 3:17), porque Jesus Cristo, em quem ele nos ama, é o mesmo ontem, hoje e para sempre. Hugh Kennedy, um eminente cristão de Ayr, na Escócia, quando estava morrendo, pediu uma Bíblia, mas, achando a visão perdida, disse: "Vire-me para os oitenta dos romanos e coloque o dedo nessas palavras. Estou persuadido de que nem a morte nem a vida ", & c. "Agora," disse ele, "está o meu dedo sobre eles?" E, quando lhe disseram que era, sem falar mais, ele disse: "Agora, Deus esteja com você, meus filhos eu desjejei com você, e supor com meu Senhor Jesus Cristo esta noite" e assim partiu.(notas comentário bíblico Mathew Henrys).


Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.