quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Historia da igreja Jacob Arminius (1560-1609)



          Jacob Arminius(1560-1609) Contadores Calvinismo



                                               INTRODUÇÃO
Nascido em 1560, James (ou Jacob) Armínio, perdeu o pai na infância. Um clérigo compassivo educado o menino. Enquanto Armínio foi na Universidade de Marburg, o espanhol destruiu sua cidade natal. Ele voltou para casa para encontrar sua mãe, irmão e irmã entre aqueles que foram massacrados.

Nesse mesmo ano, 1575, a Universidade de Leyden foi formado. Ele entrou como um estudante, subindo alta na estimativa de seus professores e colegas. As autoridades municipais de Amsterdam assumiu a despesa de seus estudos acadêmicos, em troca de sua promessa de passar o resto de sua vida ao serviço da igreja de Amesterdão. Ele começou seu ministério público em 1588.

Um ano depois, o senado eclesiástico de Amesterdão fez um pedido fatídico quando pediram Armínio para responder aos ensinamentos de Dirck Coornhert. Coornhert era um homem-Deus amoroso, que arriscou sua vida por seu país e da Reforma, mas rejeitou algumas das doutrinas de Calvino sobre predestinação, justificação e punição dos hereges pela morte.

Pesando os argumentos, Armínio pensou Coornhert direito, mas não iria comprometer-se até que ele havia feito um estudo diligente das escrituras, os pais da igreja primitiva, e teólogos posteriores. Como resultado, ele adotou a teoria da predestinação, que leva seu nome.

Por quatorze anos de Armínio ministrou em Amsterdam com sucesso e popularidade, embora suas visões teológicas, por vezes, fez entrar em colisão com os ministros calvinistas.

Perto do final de 1602, a morte de abrir o professor de Teologia em Leyden, os curadores convidados Armínio para preencher a cadeira. Amsterdam estava relutante em liberá-lo de seu contrato, e ele estava disposto a ficar, mas, no final, as autoridades concordaram não só para o movimento, mas mesmo garantida a sua mulher uma pensão.

Seus esforços para transformar os alunos de discussões escolásticas para estudos bíblicos, e os seus pontos de vista sobre a predestinação, levou a acusações de que ele foi a introdução de inovações. Arminius suportou esses ataques pacificamente, e não se defendeu publicamente até 1608.

Em 1609 sua saúde quebrou, e, sofrendo muita dor, ele morreu com a idade de quarenta e nove, mantendo-se alegre para o fim, e submissos à vontade de Deus.

Seu sistema teológico, conhecido como Arminianismo, é acusado por seus adversários com cinco erros: (1) em que nega o pecado original; (2) Que se nega a justificação pela fé; (3) Que nega predestinação absoluta; (4) que nega a graça de Deus para ser irresistível; e, (5) que afirma um crente pode cair da graça.

De acordo com John Wesley, ele mesmo um arminiano, "Nenhum homem que já viveu, não o próprio João Calvino, já afirmou tanto pecado original, ou a justificação pela fé, em termos mais fortes, mais claras e expressam, de Armínio fez. Estes dois pontos, portanto, estão a ser definido fora de questão: Nestes ambas as partes concordam ".

Onde eles discordam é o terceiro ponto. Wesley disse: "O primeiro acredita absoluta, esta última apenas condicional, predestinação." Isso afeta necessariamente a resposta do teólogo dá para as duas últimas perguntas.

Esta sinopse da vida Armínio foi adaptado da biografia introdutória em suas obras.

Após a selecção das obras de Armínio é apresentada porque expressa brevemente suas opiniões. Concebida como uma resposta concisa a perguntas específicas, não apelar para escritura tão frequentemente como seus trabalhos normalmente fazia.

NOVE PERGUNTAS EXPÔS,
pelos Deputados do Sínodo, a Suas Senhorias os curadores da Universidade de Leyden, para efeitos de obtenção de uma resposta para cada um deles a partir dos Professores da Divindade; e as respostas que James Armínio deu-lho, em novembro de 1605, juntamente com outros nove perguntas frente

OS NOVE PERGUNTAS: NOVE PERGUNTAS OPOSTOS
Pergunta dos deputados 1. Qual é o primeiro, eleição, ou a fé verdadeiramente previsto, de modo que Deus elegeu seu povo de acordo com a fé prevista?

Armínio 'Counter Pergunta 1. É o decreto "para conferir a fé em qualquer um", anterior àquele pelo qual é nomeado "a necessidade da fé para a salvação?"

RESPOSTA Armínio à questão 1

O equívoco na palavra "eleição", torna impossível responder a esta pergunta de qualquer outra forma, do que pela distinção. Se, portanto, "eleição" denota "o decreto que está de acordo com a eleição, relativo à justificação e salvação dos crentes," eu digo a eleição é anterior à fé, como sendo aquele pelo qual a fé é apontado como a forma de obter a salvação. Mas se isso significa "o decreto pelo qual Deus determina para conceder a salvação em alguém", então fé prevista é anterior à eleição. Porque, assim como os crentes só são salvos, então somente os crentes são predestinados para a salvação. Mas as escrituras sabe nenhuma eleição pelo qual Deus precisamente e absolutamente determinou para salvar ninguém sem ter previamente analisado-o como um crente. Para tal eleição estaria em contradição com o decreto pelo qual ele tem determinado a salvar ninguém, mas crentes.

PERGUNTA PERGUNTA OPOSTO

Pergunta dos deputados 2. Se for dito, "que Deus, por seu eterno decreto, determinou e governa todas as coisas e todas as coisas, mesmo as vontades depravadas dos homens, para bons fins designados", segue-se a partir desta, que Deus é o autor do pecado?

Armínio 'Counter Pergunta 2. É "determinar ou dirigir todas as coisas e todas as coisas, mesmo as vontades depravadas dos homens, para bons fins designados," a mesma coisa que "para determinar que o homem ser corrupto, por que uma forma pode ser aberto para a execução de decreto absoluto de Deus a respeito condenando alguns homens através de cólera, e salvar os outros através da misericórdia? "

RESPOSTA ARMINIUS 'à pergunta 2

O pecado é a transgressão da lei; portanto, Deus será o autor do pecado, se Ele causar qualquer homem a transgredir a lei. Isso é feito por negar ou tirar o que é necessário para o cumprimento da lei, ou pela impelindo os homens ao pecado. Mas se esta "determinação" ser o de uma vontade que já é depravada, uma vez que não significa a negação ou a remoção da graça nem uma impulsora corrupto para o pecado, segue-se que a consequência desta não pode ser que Deus é o autor do pecado. Mas se esta "determinação" denotam o decreto de Deus pelo qual Ele resolveu que a vontade deve tornar-se depravada, e que o homem deve cometer pecado, então segue-se daí que Deus é o autor do pecado.

PERGUNTA PERGUNTA OPOSTO

Dos deputados Pergunta 3. O pecado original, por si só, tornar o homem desagradável para a morte eterna, mesmo sem a adição de qualquer pecado real? Ou é a culpa do pecado original tirado de todos e cada um dos benefícios de Cristo, o Mediador?

Armínio 'Counter Pergunta 3. Se alguns homens são condenados apenas por conta do pecado cometido por Adão, e outros por causa de sua rejeição do Evangelho, não existem dois decretos peremptórios relativos à condenação dos homens, e dois julgamentos, um legal , a outra evangélica?

RESPOSTA ARMINIUS 'à pergunta 3

Estas coisas que nesta questão são colocados em oposição um ao outro, facilmente concordam em conjunto. Porque o pecado original pode tornar o homem desagradável para a morte eterna, e sua culpa pode ser tirado de todos os homens, por Cristo. Com efeito, a fim de que a culpa pode ser removido, é necessário que os homens ser previamente rendeu culpados. Mas para responder a cada parte separadamente: É perversamente é dito, que "o pecado original torna um homem desagradável para a morte", uma vez que o pecado é o castigo do pecado real de Adão, que a punição é precedida por culpa, ou seja, a obrigação de o punição denunciada pela lei. No que diz respeito ao segundo membro de questão, é muito facilmente respondida pela distinção da solicitação, obtendo-se, e a aplicação dos benefícios de Cristo. Porque, assim como uma participação dos benefícios de Cristo consiste só em fé, segue-se que, se entre esses benefícios "libertação deste culpa" ser um, somente crentes são entregues a partir dele, uma vez que são aqueles sobre os quais a ira de Deus não permanece.

PERGUNTA PERGUNTA OPOSTO

Dos deputados Pergunta 4. As obras do não regenerado, que procedem os poderes da natureza, tão agradável a Deus, como para induzi-lo por causa deles para conferir graça sobrenatural e salvar sobre aqueles que as realizam?

Armínio 'Counter Pergunta 4. É uma consciência séria do pecado, e um medo inicial, de modo agradável a Deus, que por eles Ele é induzido a perdoar os pecados, e para criar um temor filial?

RESPOSTA ARMINIUS 'à pergunta 4

Cristo diz: "Para o que tem será dado, e ao que não tem será tirado até mesmo o que ele tem." Não, na verdade, porque essa é a dignidade e a excelência do uso de qualquer bênção conferida por Deus , quer de acordo com a natureza ou a graça, que Deus deve ser movido por seus méritos para conferir maior benefícios; mas, porque essa é a benignidade e liberalidade de Deus, que, embora estes trabalhos são indignos, no entanto, Ele os recompensa com uma bênção maior. Portanto, como a palavra "agradável" admite dois significados, podemos responder à questão proposta de duas maneiras - seja afirmativa, se essa palavra ser vista como significando "para agradar", "para encontrar favor em seus olhos", e "para obter a complacência para si mesmo;" ou negativamente se "placeo" ser recebido para o que também significa ", para agradar por sua própria excelência." no entanto, pode-se dizer, que as boas obras são recompensados, numa vista moral, não tanto através dos poderes da natureza, como por alguma operação em si do Espírito Santo.

PERGUNTA PERGUNTA OPOSTO

Dos deputados Pergunta 5. Pode Deus agora, em seu próprio direito, exigem fé de homem caído em Cristo, que ele não pode ter de si mesmo? Mas será que Deus conceda a todos e cada um, a quem o Evangelho é pregado, graça suficiente pelo qual eles podem acreditar, se eles vão?

Armínio 'Counter Pergunta 5. Pode Deus requer que o homem a crer em Jesus Cristo, por quem Ele foi determinada por um decreto absoluto que Cristo não deveria morrer, e para quem pelo mesmo decreto Ele determinou a recusar a graça necessária para acreditar?

RESPOSTA ARMINIUS 'à pergunta 5

As partes desta questão não são opostos entre si; pelo contrário, eles estão no acordo mais perfeito. De modo que a última cláusula pode ser considerada a prestação de uma razão, por que Deus pode exigir da fé homem caído em Cristo, que ele não pode ter de si mesmo. Porque Deus pode exigir isso, já que ele determinou para conceder ao homem graça suficiente pelo qual ele pode acreditar. Talvez, por isso, a questão pode ser assim corrigido: "Pode Deus, agora, em seu próprio direito, a demanda da fé homem caído em Cristo, que ele não pode ter de si mesmo, se Deus não concede a ele, nem está pronto para doar, graça suficiente pelo qual ele pode acreditar? "Essa pergunta será respondida por um negativo direto. Deus não pode, por qualquer demanda desde fé o homem caído em Cristo, que ele não pode ter de si mesmo, a não ser que Deus seja concedido, ou está pronto para doar, graça suficiente pelo qual ele pode acreditar se ele vai. Nem eu perceber o que é falso em que a resposta, ou em que a heresia que tem afinidade. Não tem nenhuma aliança com a heresia pelagiana: para Pelágio mantida, que, com exceção da pregação do Evangelho, sem graça interna é necessária para produzir a fé nas mentes dos homens. Mas o que é de mais conseqüência, esta resposta não se opõe à doutrina da predestinação de Santo Agostinho; "No entanto, esta doutrina de sua, que não levam em conta que é necessário estabelecer", como Inocêncio, o Romano Pontífice, observou.

PERGUNTA PERGUNTA OPOSTO

Pergunta dos deputados 6. É a fé que justifica o efeito eo mero dom de Deus somente, que chama, ilumina, e as reformas a vontade? e é peculiar aos eleitos somente desde toda a eternidade?

Armínio 'Counter Pergunta 6. Pode que ser chamado um mero dom que, embora oferecido pela pura liberalidade daquele que faz a oferta, ainda é capaz de ser rejeitado por aquele a quem é oferecido? Mas será que a aceitação voluntária tornam indignos do nome de um presente? Pode igualmente ser perguntado, "É a fé concedida a estes que são para ser salvo? Ou é a salvação concedida a aqueles que têm fé? "Ou pode ambas as perguntas serem respondidas afirmativamente em uma relação diferente? Se eles podem, como é então que não existe nesses decretos um círculo, em que nada é em primeiro lugar e nada passada?

RESPOSTA ARMINIUS 'para a pergunta 6

A dupla questão exige uma resposta dupla.

(1.) Para o primeiro eu respondo, Faith é o efeito de Deus que ilumina a mente e selando o coração, e é o seu mero presente.

(2) Para o segundo eu respondo, fazendo uma distinção na palavra da eleição. Se ele ser entendida como significando eleição para a salvação; uma vez que este, de acordo com as escrituras, é a eleição dos crentes, não pode ser dito, "A fé é agraciado com o eleito, ou sobre aqueles que devem ser salvos", mas que "os crentes são eleitos e salvos." Mas se ser recebido para o decreto pelo qual Deus determina variadamente para administrar os meios necessários para a salvação; neste sentido que eu digo que a fé é um dom de Deus, que é conferido aos única que ele escolheu para isso, para que ouçam a palavra de Deus, e ser feitos participantes do Espírito Santo.

PERGUNTA PERGUNTA OPOSTO

Pergunta dos deputados 7. Que todo aquele que é um verdadeiro crente ter certeza nesta vida de sua salvação individual; e é seu dever ter essa certeza?

Armínio 'Counter Pergunta 7. Será justificando preceder a fé, na ordem da natureza, a remissão dos pecados, ou não é? E pode alguém ser ligado a qualquer outra fé do que aquela que justifica?

RESPOSTA ARMINIUS 'à pergunta 7

Uma vez que Deus promete a vida eterna a todos os que crêem em Cristo, é impossível ao que crê, e que sabe que ele acredita, a duvidar de sua própria salvação, a menos que ele duvida da vontade de Deus [para executar sua promessa.] Mas Deus não exige que ele seja melhor assegurada de sua salvação individual como um dever que deve ser realizado para si mesmo ou para Cristo; mas é uma consequência dessa promessa, pelo qual Deus compromete-se a conceder a vida eterna em que crê.

PERGUNTA PERGUNTA OPOSTO

Pergunta 8. dos deputados Maio verdadeiros crentes e eleger pessoas inteiramente perder a fé por uma temporada?

Armínio 'Counter Pergunta 8. Que qualquer homem que tem fé e mantém-lo, chegar a tal momento, como, se fosse seguida a morrer, ele seria condenado?

RESPOSTA ARMINIUS 'à pergunta 8

Desde a eleição para a salvação compreende dentro de seus limites, não só fé, mas da mesma forma perseverança na fé; e desde Santo Agostinho diz: "Deus escolheu para a salvação aqueles que ele vê irá posteriormente acreditar com a ajuda da sua prevenção ou anterior graça, e quem irá perseverar com a ajuda de sua posterior ou na sequência de graça; "crentes e os eleitos não sejam correctamente tomadas pelas mesmas pessoas. Omitindo, portanto, todas as notícias da palavra "eleição", eu respondo, os crentes são por vezes tão circunstanciado, como não produzir, por uma temporada, qualquer efeito da verdadeira fé, nem mesmo a apreensão real de graça e as promessas de Deus, nem confiança ou de confiança em Deus e Cristo; no entanto, esta é a mesma coisa que é necessário para obter a salvação. Mas o apóstolo diz, sobre a fé, em referência a seu ser uma qualidade e uma capacidade de crer, "alguns, tendo rejeitado a boa consciência em relação à fé, fizeram naufrágio."

PERGUNTA PERGUNTA OPOSTO

Dos deputados Pergunta 9. Pode crentes sob a graça da Nova Aliança, perfeitamente observar a lei de Deus nesta vida?

Armínio 'Counter Question 9. Que Deus, ou podem Ele não exigem daqueles que são participantes da Nova Aliança, que a carne não cobiçar contra o Espírito, como um dever correspondente com a graça de que a aliança?

RESPOSTA Armínio à questão 9

O desempenho da lei é para ser estimado de acordo com a mente daquele que a obriga a ser observado. A resposta será duas vezes, uma vez que Ele quer quer que ela seja rigorosamente observado no mais alto grau de perfeição, ou apenas de acordo com a clemência epieikeian; isto é, se ele exigir isto de acordo com clemência, e se a força ou poderes que confere ser proporcional à demanda.

(1.) O homem não pode perfeitamente realizar tal lei de Deus, se for considerado a ser realizada de acordo com rigor.

(2.) Mas, se ele exigir isso de acordo com clemência, e se os poderes conferidos ser proporcionais, (que deve ser reconhecido, uma vez que Ele exige isso de acordo com a aliança evangélica), a resposta é, ele pode perfeitamente ser observado. Mas a questão sobre a capacidade não é de tão grande importância ", desde um homem confessa que é possível ser feito pela graça de Cristo", como Santo Agostinho observa com justiça.

OBSERVAÇÕES SOBRE ÀS QUESTÕES ANTERIORES, E SOBRE OS OPOSTOS A ELES
Em resposta a algumas consultas que Uytenbogard tinha dirigidas a Armínio, relativos a estas nove perguntas e seus opostos, este último deu o seu amigo a seguinte explicação, numa carta datada de 31 de janeiro de 1606:

1. Em resposta à primeira pergunta, esta é a ordem dos decretos.

(1) É a minha vontade de salvar os crentes.

(2.) Nesta homem que irá conferir fé e preservá-lo na mesma.

(3.) Vou guardar este homem.

Porque assim faz o primeiro desses decretos prescrevem, que devem necessariamente ser colocados acima de tudo; porque, sem isso, a fé não é necessário para a salvação, e portanto não há necessidade existe para administrar os meios para a fé. Mas para isso é diretamente oposta a opinião que afirma que a fé é concedido a ele em quem Deus já havia quis conceder salvação. Pois, neste caso, seria a sua vontade de salvar alguém que não acreditava. Tudo o que foi dito sobre a diferença do decreto e sua execução, é inútil; como se, de fato, Deus quis salvação a qualquer um antes da fé, e ainda não para conceder a salvação em nenhum outro do que crentes. Pois, ao lado do acordo consistente destes, [o decreto e sua execução,] é certo que Deus não pode desejo de doar aquilo que, por conta de seu decreto anterior, Ele não pode conceder. Portanto, assim como a fé é, de um modo geral, colocado antes da salvação pelo primeiro decreto; por isso, deve, em especial e, em particular, ser colocada antes da salvação deste e que o homem, mesmo no decreto especial que tem a posterior execução.

3. Para a terceira pergunta que devem de preferência se opõem a seguinte: Tem Deus determinou peremptoriamente a agir com alguns homens de acordo com o estrito rigor da lei, como fez com os anjos caídos, e agir com os outros de acordo com a graça de o Evangelho? Se eles negam isso, eu tenho o que eu desejo. Mas se eles afirmam, tal sentimento deve ser sobrecarregado com absurdos; porque em tal caso, Deus teria agido no sentido de muitos homens com maior gravidade, do que para os anjos caídos, que, como sendo criaturas puramente espirituais, cada pecado de si mesmo, através de sua própria maldade, sem persuasão a partir de qualquer um.

4. Eles não serão capazes de negar a minha quarta questão oposto. Para a remissão é prometida para aqueles que confessam seus pecados; e o medo é chamada inicial em referência ao temor filial que se segue. Se eles reconhecem isso, mas dizer: "No entanto, Deus não é induzido por eles," Eu, então, comandá-los para apagar a mesma palavra fora do seu interrogatório, e de uma forma melhor de enunciar a sua própria opinião.

5. Eles não consideram seu dever inteiramente ao negar a minha quinta questão adversária. Se eles afirmam, eles vão declarar uma mentira, e vai incorrer na má opinião de todas as pessoas prudentes, mesmo daqueles que são fracos. Deixe-os, portanto, procurar o que eles podem colocar como um postulado intermediário entre os seus e os meus, e eu, então, mostrar que coincide tanto com o seu postulado ou com o meu.

6. Eu coloquei duas perguntas em oposição à sexta, porque a sua pergunta é também um duplo. No primeiro deles, você não necessitam de observação. Sobre o segundo já disse, por uma questão de explicação ", que é um círculo, em que nada é o primeiro e nada passado", mas em cada parte dela um princípio e um fim são encontrados - o que não pode, sem absurdo , tem lugar nos decretos de Deus. Eu pergunto, se Deus determinou para conceder a salvação para aqueles que acreditam, ou para conceder fé sobre aqueles que estão para ser salvo? Se esses dois se afirmar, eu pergunto, qual deles é o primeiro, e que o último? Eles vão responder, nem; e é, em seguida, um círculo. Se eles afirmam a este último, que Deus determinou para conceder fé naqueles que devem ser salvos; Vou provar que Ele determinou para conceder a salvação para os que crêem, e deve, em seguida, formaram um círculo, não obstante a sua falta de vontade. Se eles apresentar os diferentes respeito, eu vou me esforçar para refutar-lo; que não pode ser uma obra de muita dificuldade em modo muito simples uma questão.

7. Na sétima questão oposto, eu tinha em conta a expressão, é seu dever? por cerca de sua possibilidade não existe contenção. Mas justificando a fé não é aquele pelo qual acredito que meus pecados foram remidos; para, assim, a mesma coisa vai ser o objecto e como efeito de justificar fé. Por este [fé justificadora] Eu obter a remissão dos pecados, portanto, precede o outro objeto; [A remissão dos pecados;] e ninguém pode acreditar que seus pecados são remetidos, a menos que ele sabe que ele acredita que por uma fé que justifica. Por esta razão, também, ninguém pode acreditar que seus pecados futuros será igualmente remetido, a menos que ele sabe que vai acreditar até o fim. Para pecados estão perdoados àquele que crê, e só depois de terem sido cometidos; Portanto, a promessa de perdão, que é a do Novo Testamento, deve ser considerada como dependendo de uma condição estipulada por Deus, que é a fé, sem a qual não há nenhuma aliança.

8. No que respeita à oitava questão, vamos ser feita uma distinção entre a Fé, pois é uma qualidade ou hábito, e entre a mesma que é uma arte. justifica crentes reais, ou o ato de crer é imputado para justiça. Porque Deus requer a fé real; para a nossa capacidade de executar o que, Ele infunde o que é habitual. Portanto, como a fé real não consiste com o pecado moral, aquele que cai em pecado mortal pode ser condenado. Mas é possível que um crente a cair em pecado mortal, do qual David é visto como uma instância Portanto, ele pode cair em um momento como, se fosse seguida a morrer, ele seria condenado. "Se o nosso coração não nos condena, temos confiança para com Deus." Portanto, se ele não nos condena, temos nenhuma confiança, não podemos ter qualquer; porque "Deus é maior do que o nosso coração, e conhece todas as coisas." O que é dito sobre a impossibilidade de este evento, pois, Deus determinou para não tomar essas pessoas fora do mundo naquele momento, conduz nada em favor de sua hipótese . Por esta se opõe à destruição final, para não temporário, e à sua destruição total para a temporada, que é o tema da sua oitava questão.

9. Se for respondeu à minha pergunta adversária nona, que, no pacto da graça, Deus requer um dever que é impossível ao homem; eles serão forçados a confessar que, para além desta aliança, outro é necessário, segundo a qual Deus perdoa o dever de não realizado de acordo com que o pacto da graça; como era necessário que deve haver outro pacto, pelo qual Deus pode perdoar o dever de não realizadas de acordo com o pacto legal. E assim vamos continuar ad infinitum. Por fim, temos de chegar ao ponto a partir do qual podemos dizer, Deus salvar os pecadores, em sua infinita misericórdia, que é limitado por não condições prescritas por seu patrimônio. Esta parece ser uma expressão que será totalmente adaptável a toda a doutrina daqueles que insistem predestinação absoluta, Para, uma vez que a ira e misericórdia são opostos um ao outro, como ira é infinito, não pode misericórdia também, ser infinito? De acordo com a sua doutrina, o que quer que eles se opõem ao contrário, ira torna os homens pecadores, que ele pode ter aqueles a quem ele pode punir. Mas eles dizem expressamente, a misericórdia torna os homens crentes por uma força onipotente, e preserva-os da possibilidade de cair, que ele pode ter aqueles a quem ele pode salvar. Mas, como diz Nicasius Van der Schuer, se Deus poderia fazer um pecador, para que pudesse ter alguém a quem Ele poderia punir; Ele também poderia punir sem pecado; Ele, portanto, poderia também misericordiosamente salvar sem fé. E, como ira quis ter um pouco título para a condenação, através da intervenção do pecado, por isso tornou-se misericórdia para salvar, sem a intervenção de qualquer direito, que poderia ser manifesto que o todo é de misericórdia, sem a aparência de justiça. Eu digo, sem a aparência de justiça; porque gera a fé por uma força irresistível, e por uma força irresistível que faz com que o homem a continuar na fé até o fim, e, portanto, necessariamente, de ser salvo, de acordo com o decreto, "aquele que crê e persevera, será salvo." Este sendo previsto, todo o patrimônio é excluído, assim a partir do decreto de predestinação à salvação, a partir daquela da predestinação à morte. Essas objeções, estou consciente de opinião, pode, sem calúnia, ser feita para os seus sentimentos; e estou preparado para manter esta mesma coisa contra qualquer patrono qualquer desses sentimentos. Para eles não libertar-se quando dizem que o homem espontaneamente pecados, e acredita que por um movimento espontâneo. Pois o que é espontânea, e que o que é natural, não estão em oposição. E o que é coincide espontâneos com o que é absolutamente necessário; como, uma pedra é movido para baixo; um bicho come, e propaga suas espécies; homem ama o que é bom para si mesmo. Mas todas as desculpas terminar nesta matéria espontânea.
Fonte WWW.christianhistoryinstitute.org 
WWW.MAURICIOBERWALDOFICIAL.BLOGSPOT.COM             


Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.