sábado, 10 de setembro de 2016

Subsidio CPAD adultos evangelização digital


          EVANGELIZAÇÃO DA ERA DIGITAL TITO 2.11-14


                      SUBSIDIO CPAD ADULTOS N.12

                                         Escritor Mauricio Berwald
versículos 11-14
Nature and Design da Tendência Evangelho O Santo da natureza evangelho da redenção de Cristo. A. D. 66.
11 Porque a graça de Deus se manifestou, trazendo salvação a todos os homens, 12 ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às paixões mundanas, vivamos sóbria, justa e piamente, neste mundo atual 13 Aguardando a bendita esperança e o glorioso aparecimento do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo 14 que se entregou por nós, a fim de remir-nos de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo todo seu, zeloso de boas obras.

Aqui temos os motivos ou considerações sobre o qual todas as indicações anteriores são instados, tiradas da natureza e design do evangelho, e o fim da morte de Cristo.

I. Da natureza e design do evangelho. Vamos jovens e velhos, homens e mulheres, senhores e servos, e ele mesmo Tito, que todos os tipos fazer suas respectivas funções, para isso é a própria finalidade e negócios do cristianismo, para instruir e ajudar, e formar pessoas, em todas as distinções e relações, a um frame da direita e conduta. Por esta,

1. Eles são colocados sob a dispensação da graça de Deus, por isso o evangelho é chamado, Efésios 3: 2. É a graça em relação à primavera de ele - o favor gratuito e boa-vontade de Deus, e não qualquer mérito ou deserto na criatura como manifestando e declarando essa boa vontade de uma maneira eminente e de sinal e como ele é o meio de transmitir e graça trabalhando nos corações dos crentes. Agora a graça é prestativo e restringindo a bondade: Não deixe o pecado reinar, mas apresentai-vos a Deus por não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça, Romanos 6: 12-14. O amor de Cristo, não nos leva a viver para si mesmo, mas para ele (2 Coríntios 5: 14,15), sem este efeito, a graça é recebida em vão.

2. Esta graça evangelho traz a salvação (revela e oferece-lo aos pecadores e assegura aos crentes) - a salvação do pecado e da ira, da morte e do inferno. Por isso, é chamado a palavra da vida que traz para a fé, e assim a vida, a vida de santidade agora e de felicidade futura. A lei é o ministério da morte, mas o evangelho a ministração de vida e paz. Este, portanto, deve ser recebido como salvação (suas regras minded, seus comandos obedecidos), que pode ser obtido no final do mesmo, a salvação da alma. E mais imperdoável que os neglecters desta graça de Deus a salvação trazendo ser agora, uma vez que,

3. Ele já apareceu ou brilhou de forma mais clara e ilustrativamente do que nunca. A antiga dispensação foi relativamente escuro e sombrio esta é uma luz clara e brilhante e, como é agora mais brilhante, tão mais difusa e extensa também. Para,

4. Ele já apareceu a todos os homens não somente dos judeus, como a glória de Deus apareceu no monte Sinai para que as pessoas em particular, e para fora da vista de todos os outros, mas a graça do evangelho é aberto a todos, e todos estão convidados a vir e participar do benefício do mesmo, gentios, assim como os judeus. A publicação do que é livre e geral: fazei discípulos de todas as nações: pregar o evangelho a toda criatura. A pálida é discriminado não existe tal gabinete agora como antigamente. A pregação de Jesus Cristo, que foi mantido em segredo desde que o mundo começou, agora manifesto e, por meio das Escrituras proféticas, segundo o mandamento do Deus, eterno, dado a conhecer a todas as nações para obediência da fé, Romanos 16 : 25,26. A doutrina da graça e da salvação pelo evangelho é para todas as classes e condições de homens (escravos e servos, bem como mestres), portanto, envolver e incentivar a todos para receber e acreditar, e andar adequadamente a ele, adornando-lo em todas as coisas .

5. Esta revelação evangelho é ensinar, e não por meio de informações e única instrução, como um professor faz seus alunos, mas por meio de preceito e de comando, como um soberano que dá leis aos seus súditos. Ele direciona o que evitar eo que a seguir, o que evitar eo que fazer. O evangelho não é para especulação única ou principalmente, mas para a prática e recta ordenação da vida para ela nos ensina,

(1.) Para abandonar o pecado: renunciando à impiedade e às paixões mundanas a renunciar e não têm mais a ver com estes, como tivemos: Coloque fora, quanto ao procedimento anterior, do velho homem que se corrompe ou seja, todo o corpo de pecados, aqui distribuídos em impiedade e às paixões mundanas. "Tirai irreligião impiedade e, toda incredulidade, negligência ou disesteem do Ser divino, não amar, nem temer, nem confiando nele, nem obedecendo a ele como deveríamos, negligenciando os seus juízos, negligenciando a Sua adoração, profanando o seu nome ou o dia. Assim, negar a impiedade (ódio e colocá-lo fora) e às paixões mundanas, todos os desejos e afetos corruptos e cruéis que prevalecem em homens do mundo, e levar a cabo para as coisas do mundo a concupiscência da carne, também, e dos olhos ea soberba da vida , toda sensualidade e imundícia, cobiças e ambição, busca e valorização mais a glória dos homens do que de Deus guardou tudo isso ". Uma conversa terrena sensual se adapte e não uma vocação celestial. Aqueles que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências. Eles têm feito isso por convênio-compromisso e promessa, e tê-lo feito inicialmente e predominantemente no acto que passa no trabalho, limpando-se mais e mais de toda a imundícia da carne e do espírito. Assim, o evangelho em primeiro lugar unteaches o que é mau, a abandonar o pecado e, em seguida,

(2) Para fazer com que a consciência de que o que é bom: Para viver sóbria, justa e piamente, & c. A religião não é composta de negativos lá apenas deve estar fazendo bem, assim como evitando o mal nestes conjuntamente, é sinceridade provado e o evangelho adornada. Devemos viver com sobriedade em relação a nós mesmos, na devida governo dos nossos apetites e paixões, mantendo os limites da moderação e temperança, evitando todos os excessos desordenadas, e justa para com todos os homens, tornando a toda a sua dívida, e ferindo ninguém, mas sim fazer o bem aos outros, de acordo com a nossa capacidade e da sua necessidade: isto parece uma parte da justiça e da justiça, porque não nascemos para nós mesmos e, portanto, não pode viver apenas para nós mesmos. Nós somos membros uns dos outros, e devem procurar cada um o de riqueza, 1 Coríntios 10: 24,12: 25. O público, em especial, que inclui os interesses de todos, deve ter os cumprimentos de todos. O egoísmo é uma espécie de injustiça rouba outros de que a parte em nós que lhes é devido. Quão amável então uma conduta justa e justos ser! Ele protege e promove todos os interesses, não particular só, mas gerais e públicos, e assim contribui para a paz e felicidade do mundo. Viver em retidão, portanto, bem como sobriamente. E piamente em Deus, nos deveres de seu culto e serviço. Que diz respeito a ele, na verdade deve ser executado através de tudo. Quer comais, quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para a glória de Deus, 1 Coríntios 10:31. deveres pessoais e relativos deve ser feito em obediência aos seus comandos, com a devida objetivo de agradar e honrar ele, desde princípios de amor santo e medo dele. Mas há um expresso e dever direta também que temos para com Deus, ou seja, a crença e reconhecimento do seu ser e perfeições, pagando-lhe culto e homenagem interna e externa, - amando, temendo, e confiando nele, - dependendo ele, e dedicar-nos a ele, - observar todos os direitos e preceitos religiosos que ele nomeou, - orando a ele, elogiando-o, e meditar sobre sua palavra e obras. Esta é a piedade, a procura e chegar a Deus, como nosso estado é agora, não imediatamente, mas como ele se manifestou em Cristo o mesmo acontece com o evangelho direta e exigem. Para ir a Deus de qualquer outra forma, ou seja, por santos ou anjos, não é adequado, sim, contrariando a regra evangelho e mandado. Todas as comunicações de Deus para nós são através de seu Filho, e os nossos retornos também deve ser por ele. Deus em Cristo, devemos olhar para como o objeto de nossa esperança e adoração. Assim, devemos nos exercitar a piedade, sem o qual não pode haver adorno desse evangelho, que está de acordo com ele, que ensina e exige tal comportamento. Uma conversa evangelho deve acontecer uma conversa piedosa, expressando nosso amor e temor e reverência a Deus, nossa esperança e confiança nele, tal como se manifesta em seu Filho. Nós somos a circuncisão (que têm na verdade o que foi mostrado por esse sacramento) que adoram a Deus em espírito, e nos gloriamos em Cristo Jesus, e não confiamos na carne. Veja em como pequeno uma bússola nosso dever é composta de ser colocado em poucas palavras, renunciando à impiedade e às paixões mundanas, e viver sóbria, justa e piamente, neste mundo atual. O evangelho nos ensina não só como acreditar e espero bem, mas também para viver bem, como se torna que a fé ea esperança neste mundo, e, como expectadores de um outro e melhor. Não é o mundo que agora é, eo que há de vir o presente é o tempo eo lugar do nosso julgamento, e o evangelho nos ensina a viver bem aqui, não é, contudo, como o nosso estado final, mas com um olho principalmente para um futuro, porque ela nos ensina em todos,

(3) Para olhar para as glórias de um outro mundo, ao qual uma vida sóbria, justa e piedosamente neste processo é preparativa: Aguardando a bendita esperança ea manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Jesus Cristo. A esperança, por uma metonímia, é colocado para a coisa que se esperam, a saber, o céu e as felicidades do mesmo, chamado enfaticamente que a esperança, porque é a grande coisa olhamos e longo e esperar por e uma esperança abençoada, porque, quando atingido, seremos completamente feliz para sempre. Ea manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Jesus Cristo. Isto denota tanto o tempo do efectuarem a nossa esperança e da firmeza e da grandeza dele: será na segunda vinda de Cristo, quando vier na sua glória, e em seu pai, e dos santos anjos, Luke 9:26. Sua própria glória que ele tinha antes que o mundo existisse e seu pai, sendo a expressa imagem da sua pessoa, e como Deus-homem, seu governante delegado e juiz e dos santos anjos, como seus ministros e atendentes gloriosos. Sua primeira vinda foi na maldade, para satisfazer a justiça e comprar a felicidade a sua segunda será em majestade, de doar e instaurar seu povo nele. Cristo foi oferecido uma vez para tirar os pecados de muitos e para os que procurá-lo, ele aparecerá segunda vez, sem pecado, para a salvação, Hebreus 9:28. O nosso grande Deus e Salvador (ou mesmo o nosso Salvador) Jesus Cristo, para que eles não são dois assuntos, mas apenas um, como parece pelo artigo único, tou Megalou Theou kai Soteros, não kai tou Soteros, e assim é kai prestados 1 Coríntios 15:24, quando ele entregar o reino a Deus, ao Pai para Theo kai Patri. Cristo, então, é o grande Deus, não figurativamente, como magistrados e outros às vezes são chamados deuses, ou como aparecendo e agindo em nome de Deus, mas de forma adequada e absolutamente, o verdadeiro Deus (1 João 5:20), o poderoso Deus ( Isaías 9: 6), o qual, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus, Filipenses 2: 6. Em sua segunda vinda ele irá recompensar seus servos, e trazê-los para a glória com ele. Observar, [1] Há uma esperança comum e abençoado para todos os verdadeiros cristãos no outro mundo. Se só para esta vida que eles tinham esperança em Cristo, eles eram de todos os homens os mais miseráveis, 1 Coríntios 15:19. Pela esperança se entende a coisa esperada, isto é, o próprio Cristo, que é chamado a nossa esperança (1 Timóteo 1: 1), e bem-aventurança, e através dele, até mesmo riquezas da glória (Efésios 1:18), portanto, apropriadamente denominado aqui que aventurada esperança. [2] O projeto do evangelho é para agitar tudo para uma boa vida por esta bendita esperança. Cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios, e espero até o fim para a graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo, 1 Pedro 1:13. Para o mesmo significado aqui, negando impiedade e às paixões mundanas, viver sóbria, justa e piedosa, neste mundo, procurando o bem-aventurada esperança e não como mercenários, mas cristã como respeitoso e agradecido. Que tipo de pessoas deveis ser em santidade e piedade, esperando e apressando a vinda do dia de Deus! 2 Pedro 3: 11,12. Olhando e aceleração, isto é, esperando e diligentemente preparando para isso. [3] No e, em, a manifestação da glória de Cristo será a bendita esperança dos cristãos ser atingido por sua felicidade será esta: estar onde ele está, e para contemplar a sua glória, João 17:24. A glória do nosso grande Deus e Salvador, então, sair como o sol. Embora no exercício do seu poder judiciário, ele aparecerá como o Filho do homem, mas ele vai ser poderosamente declarado ser o Filho de Deus também. A divindade, que na terra foi muito velada, vai brilhar para fora, em seguida, como o sol na sua força. Por isso o trabalho e design do evangelho são para elevar o coração para esperar por esta segunda vinda de Cristo. Estamos gerou de novo para uma viva esperança de que (1 Pedro 1: 3), virou-se para servir ao Deus vivo, e esperar por seu Filho do céu, 1 Tessalonicenses 1: 9,10. Os cristãos são marcadas por isso, esperando seu Mestre vindo (Lucas 00:36), amando sua aparência, 2 Timóteo 4: 8. Vamos então olhar para esta esperança deixar os nossos lombos seja cingida, e as nossas luzes acesas, ea nós mesmos como aqueles que esperam o seu senhor o dia ea hora que não sabe, mas o que há de vir virá, e não tardará, Hebreus 10 : 37. [4] O conforto e alegria dos cristãos são de que seu Salvador é o grande Deus, e gloriosamente se manifestar em sua segunda vinda. Poder e amor, majestade e misericórdia, em seguida, aparecem juntos no mais alto brilho, ao terror e confusão dos ímpios, mas para o triunfo eterno e regozijo dos piedosos. Se ele não, portanto, o grande Deus, e não uma mera criatura, ele não poderia ser o seu Salvador, nem sua esperança. Assim, as considerações para fazer cumprir as indicações de todos os tipos para as respectivas funções da natureza e design do evangelho. E com isto está ligado um outro local, ou seja,

II. A partir do final da morte de Cristo: que se entregou por nós, a fim de remir-nos de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo todo seu, zeloso de boas obras, Tito 2:14. Para nos trazer para a santidade ea felicidade era o fim da morte de Cristo, bem como o âmbito da sua doutrina. Aqui temos,

1. O comprador da salvação - Jesus Cristo, para que nosso grande Deus e Salvador, que não poupa simplesmente como Deus, e muito menos como o único homem, mas como Deus-homem, duas naturezas em uma só pessoa: o homem, para que ele pudesse obedecer, e sofrer e morrer, para o homem, e ser reunir-se para lidar com ele e para ele e Deus, para que pudesse apoiar a virilidade, e dar valor e eficácia às suas empresas, e ter em devida conta os direitos e honra da divindade, bem como o bem da sua criatura, e trazer o último para a glória do primeiro. Tal pessoa tornou-se a nós e este foi,

2. O preço da nossa redenção: Ele deu a si mesmo. O Pai deu a ele, mas ele deu a si mesmo e também, na franqueza e voluntariedade, assim como a grandeza da oferta, lançar a aceitabilidade eo mérito dele. Por isto o Pai me ama, porque dou a minha vida, para que eu possa levá-la novamente. Ninguém ma tira de mim, mas eu a dou de mim mesmo, João 10: 17,18. Então, John 17:19, "Por eles eu me santifico, ou separada e me dedicar a este trabalho, para ser um sacerdote e sacrifício a Deus pelos pecados dos homens." A natureza humana foi a oferta, e do divino no altar, santifica a oferta, eo todo o ato da pessoa. Ele deu a si mesmo em resgate por todos, 1 Timóteo 2: 6. Uma vez no fim do mundo tem ele apareceu, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo. Ele era o sacerdote e sacrifício também. Somos redimidos, não com prata e ouro, mas pelo precioso sangue de Cristo (1 Pedro 1: 18,19), chamado de sangue de Deus (Atos 20:28), isto é, daquele que é Deus.

3. As pessoas para quem: para nós, pobres pecadores perdem, saído de Deus e se rebela contra ele. Ele deu a si mesmo por nós, não só para o nosso bem, mas em nosso lugar. Messias foi cortado, não para si mesmo, mas para nós. Ele sofreu, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus, 1 Pedro 3:18. Ele foi feito pecado por nós (como oferta e sacrifício pelo pecado), para que fôssemos feitos justiça de Deus nele, 2 Coríntios 5:21. condescendência maravilhosa e graça! Ele nos amou e se entregou por nós o que podemos fazer menos do que amor e dar-se-nos a Ele? Especialmente considerando,


4. As extremidades de seu dando a si mesmo por nós, (1) Que ele possa nos resgatar de toda iniqüidade. Este está equipado com a primeira lição, renunciando à impiedade e às paixões mundanas. Cristo deu a si mesmo para nos redimir destes, portanto, colocá-los fora. Para amar e viver em pecado é pisar sob sangue redentor pé, a desprezar e rejeitar um dos maiores benefícios da mesma, e agir contra a sua concepção. Mas como poderiam os curtas sofrimentos de Cristo resgata-nos de toda a iniqüidade? Responder, por meio da infinita dignidade de sua pessoa. Aquele que foi Deus sofreu, embora não como Deus. Os atos e as propriedades de qualquer natureza são atribuídas à pessoa. Deus comprou sua igreja com seu próprio sangue, Atos 20:28. Poderia pagamento seja feito de uma só vez, não há necessidade de sofrer para sempre. A mera criatura não poderia fazer isso, a partir da finitude de sua natureza, mas poderia Deus-homem. O nosso grande Deus e Salvador deu a si mesmo por nós: este é responsável por isso. Com uma só oferta tem aperfeiçoado para sempre os que são santificados, Hebreus 9: 25,26,10: 14. Ele não precisava oferecer a si mesmo muitas vezes, nem podia ser retido por morte, quando ele havia passado por isso. final feliz e fruto da morte de Cristo, a redenção de toda a iniqüidade! Cristo morreu para isso: e, (2) Para purificar para si um povo todo. Isso reforça a segunda lição: viver sóbria, justa e piamente, neste mundo atual. Cristo morreu para purificar, bem como a perdoar - para obter a graça, para curar a natureza, bem como para libertar da culpa e condenação. Ele deu a si mesmo para a sua igreja, para purificá-la. Assim, faz ele faz para si um povo todo, purificando-los. Assim, eles são distinguidos do mundo que está no maligno que nascem de Deus, e equiparado a ele, levar a sua imagem, são santos como o Pai celestial é santo. Observe-se, a redenção do pecado e da santificação da natureza andam juntos, e ambos fazem o povo adquirido para Deus: liberdade da culpa e condenação, a liberdade do poder do concupiscências, e purificação da alma pelo Espírito. Estes são a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, e assim o povo adquirido. E, (3) zeloso de boas obras. Esta especificidade pessoas, como eles são feitos de modo pela graça purificando-os, por isso, eles devem ser vistos para ser assim, fazendo o bem, e um zelo nele. Observe, O evangelho não é uma doutrina de licenciosidade, mas de santidade e de boa vida. Somos redimidos de nossa vã maneira de viver, para servir a Deus em santidade e justiça todos os dias da nossa vida. Vejamos então o que fazemos bem, e têm zelo em apenas olhando aquele zelo ser guiado pelo conhecimento e espirituoso com amor, direcionado para a glória de Deus, e sempre em alguma coisa boa. E, portanto, o motivo das atribuições dirigido, a partir do final da morte de Cristo.(notas comentário de Tito , Mathew Henrys).

Nenhum comentário:

Postar um comentário