segunda-feira, 4 de abril de 2016

Subsidio (3) CPAD juvenis liderança no antigo testamento


                    LIDERANÇA NO ANTIGO TESTAMENTO



Êx 18.18 Desfalecerás, assim tu, como este povo. Havia fadiga coletiva, em resultado do que Moisés estava fazendo. Ele precisava aprender a delegar autoridade, resolvendo somente as questões mais difíceis, como fazem os juízes das cortes supremas.
CHAMPLIN, Russell Norman, Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Hagnos. pag. 381.
Jetro discordava do método que Moisés empregava, e tinha liberdade com ele, para dizer-lhe isto, w. 14,17,18.  A sabedoria é benéfica para orientar, para que não nos contentemos com menos do que o nosso dever, nem nos sobrecarreguemos com aquilo que está além das nossas forças.
2. Jetro o aconselhou a um modelo de governo que melhor serviria à intenção, que consistia em:
(1) Que Moisés reservasse a si mesmo todas as questões referentes a DEUS (v. 19): “Sê tu pelo povo diante de DEUS”.
(2) Que Moisés nomeasse juizes nas diversas tribos e famílias, que deveriam julgar as causas entre os homens, e decidi-las.
(3) Poderia haver uma apelação, se houvesse causa justa para isto, destas cortes inferiores ao próprio Moisés. “Todo negócio grave tragam a ti”, v. 22.
3. Ele acrescenta duas qualificações ao seu conselho:
(1) Que grande cuidado deveria ser tomado na escolha das pessoas a quem esta tarefa seria confiada (v. 21). “homens capazes” Mentes esclarecidas e corações valentes fazem bons juízes. O temor a DEUS é aquele princípio que irá melhor fortificar um homem contra todas as tentações à injustiça, Neemias 5.15; Gênesis 42.18. Para integridade e honestidade - homens de verdade - Para desprezo nobre e generoso da riqueza do mundo - odiando a avareza, não somente não procurando subornos nem desejando enriquecer a si mesmos, mas odiando o simples pensamento disto.
(2) Para que possa receber a instrução de DEUS no caso (v. 23): “Se isto fizeres, e DEUS to mandar”. Jetro sabia que Moisés tinha um conselheiro melhor do que ele, e a este ele o encaminha. Observe que os conselhos devem ser dados com humilde submissão à Palavra e à providência de DEUS, que sempre devem prevalecer.
Moisés não confiou ao povo a escolha dos magistrados, pois o povo já tinha feito o suficiente para provar que não era adequado para tal tarefa. Mas ele mesmo os escolheu, e os indicou - alguns para uma posição mais elevada, outros para uma posição menos elevada, os mais inferiores provavelmente subordinados aos superiores. Temos motivos para considerar o governo como uma misericórdia muito grande, e para agradecer a DEUS pelas leis e magistrados, para que não sejamos como os peixes do mar, onde os maiores devoram os menores.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Antigo Testamento Gênesis a Deuteronômio. Editora CPAD. pag. 287.

II - OS AUXILIARES DE MOISÉS NO MINISTÉRIO
1. DEUS levanta auxiliares (Êx 18.21).
Os recursos humanos dos céus sempre estão cheios de pessoas para que venham trabalhar na obra do Senhor. Quando JESUS disse que a seara era grande e que havia poucos ceifeiros para trabalharem nela, não ordenou aos seus discípulos que fosse atrás de obreiros, mas que orassem a fim de que o Senhor da seara enviasse ceifeiros para a sua seara. E DEUS levantou ajudantes para Moisés.
No Novo Testamento, vemos que DEUS levanta auxiliares e cooperadores nas atividades em sua obra. Quando a igreja em Jerusalém precisou de pessoas para ajudarem os apóstolos a recomendação deles foi: “Escolhei, pois, irmãos, dentre vós, sete varões de boa reputação, cheios do ESPÍRITO SANTO e de sabedoria, aos quais constituamos sobre este importante negócio” (At 6.3).
Aqui está a origem dos diáconos. Enquanto os discípulos se dedicariam à oração e à Palavra, esses homens iriam ajudar a assistência social da igreja.
Estêvão e Felipe, por ezemplo - esses homens tinham a nobre função de auxiliar os apóstolos na esfera social da igreja. Eles deveriam ter como características:
Boa reputação. Ser cheios do ESPÍRITO SANTO. Cheios de sabedoria. Era preciso que fossem apresentados publicamente para prestarem seus serviços. A igreja deveria saber quem eram e respeitá-los, pois tinham o aval dos apóstolos para aquelas atividades.
Lembremo-nos de que, no caso de Moisés, a nação já possuía homens que poderiam ser escolhidos para ajudá-lo, mas só foram escolhidos após a orientação de Jetro e fizeram a diferença no ministério de Moisés.
COELHO, Alexandre; DANIEL, Silas. Uma Jornada de Fé. Moisés, o Êxodo e o Caminho a Terra Prometida. Editora CPAD. pag. 83-85.
Êx 18.21 “Moisés deveria tratar de casos sem precedente legal, que requeriam um oráculo especial (cf. Deu. 17.8-13). Os casos ordinários seriam manuseados por líderes leigos (Núm. 11.16-22; 24.25) ou por juízes nomeados (cf. Deu. 16.18-20)” (Oxford Annotated Bible, in loc.).
Teriam de ser juízes imparciais, que buscassem razões espirituais e morais em seus julgamentos. Teriam de abominar a cobiça, não desejando coisas para si mesmos nem se mostrando parciais.
Devemos entender que os tribunais de apelo formam um poder ascendente. Paralelamente, devemos entender que os casos julgados também deveriam ser dispostos em importância ou dificuldade ascendente. O homem com autoridade sobre dez cuidaria de questões menores. O homem com autoridade sobre mil teria maior autoridade e julgaria os casos mais sérios, da mesma forma que um general tem maior autoridade do que um sargento. Mas cada homem teria uma autoridade absoluta para seu próprio tipo de problemas. Um homem de menor autoridade poderia transferir para outro, de maior autoridade, qualquer caso que não pudesse resolver. Assim, um caso poderia chegar até Moisés.
CHAMPLIN, Russell Norman, Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Hagnos. pag. 382
Êx 3. 21. Procura dentre o povo. “ Procurar” é o sentido mais básico deste verbo, aqui a ideia secundária de “ escolher” .
Homens capazes. O termo hebraico empregado poderia ter significado militar, indicando um soldado de valor. Com o passar do tempo veio a significar “ um homem de bem” . Podemos comparar o uso de frase semelhante em Provérbios 12:4, em relação à esposa ideal.
R. Alan Cole, Ph. D. ÊXODO Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 136-137.
Quem não estivesse satisfeito com uma sentença de instância inferior poderia apelar para um tribunal superior. Isto significaria que inumeráveis sentenças não chegariam a Moisés (22).
Leo G. Cox. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 1. pag. 182.
2. Os auxiliares de Moisés (Êx 18.25).
Dentre os diversos auxiliares de Moisés, podemos destacar:
Miriã. Irmã de Moisés, era profetisa e entoava louvores ao Senhor. Foi uma coluna na história de Moisés.
Arão. Irmão de Moisés, acompanhou sua história desde o Egito e foi escolhido por DEUS para ser sacerdote em Israel.
Os anciãos. Pessoas de mais idade entre o povo, foram pessoas que muito auxiliaram Moisés em sua liderança na condução do povo à Terra Prometida. Espera-se, por esse exemplo, que as pessoas de mais idade estejam aptas a ser bons conselheiros aos líderes mais novos.
Jetro. Jetro era um midianita. Mesmo não sendo israelita, concedeu abrigo a Moisés e lhe deu uma de suas filhas como esposa quando Moisés fugiu do Egito. Pelas palavras que disse a Moisés, mostrou ser uma pessoa sábia e experiente. Ele muito ajudou Moisés em seu ministério, permitindo que no período em que esteve em Midiã aprendesse a pastorear ovelhas e conhecesse os caminhos do deserto.
As palavras de Jetro para com Moisés e a atenção que Moisés deu ao sogro mostram o quanto havia respeito entre eles. Quando Jetro viu o que acontecia com Moisés, falou-lhe com brandura, e Moisés atendeu à voz de seu sogro, sendo posteriormente abençoado por DEUS.
Josué. Este foi um servo de Moisés que é apresentado na Bíblia como aquele que seria o seu substituto na condução do povo à Terra Prometida. Josué era um combatente, um homem de armas, e foi usado por DEUS para abrir o caminho das conquistas ordenadas por DEUS.

Não podemos nos esquecer de Zípora, esposa de Moisés, pois ela cuidava da família de Moisés e lhe dava o amor e carinho básicos para um esposo (observação minha - Ev. Henrique).

COELHO, Alexandre; DANIEL, Silas. Uma Jornada de Fé. Moisés, o Êxodo e o Caminho a Terra Prometida. Editora CPAD. pag. 85-86.
Êx 18.24,25 Moisés, ouvindo os conselhos de Jetro, pôs em ação o método de seu sogro. O vs. 25 repete os números dados no vs. 21. É provável que os anciãos de cada tribo, conhecendo as qualificações das pessoas de suas respectivas tribos, tenham sido postos a trabalhar na seleção de oficiais, ao passo que os próprios anciãos retiveram sua autoridade como oficiais maiores do sistema.
O Targum de Jonathan informa-nos os números envolvidos: seiscentos chefes de mil; seis mil chefes de cem; doze mil chefes de cinquenta; sessenta mil chefes de dez. Jarchi e o Talmude falam no mesmo sentido. A soma total, no Talmude, sobre o sistema coletivo, é de setenta e oito mil homens. Esses números estão baseados no trecho de Números 1.46, mas vários intérpretes não concordam com isso, como Aben Ezra. E não dispomos de meios para saber se esses cálculos estão ou não com a razão.
CHAMPLIN, Russell Norman, Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Hagnos. pag. 382.
Moisés não desprezou este conselho por não ser dado por alguém que não era, como ele, familiarizado com as palavras de DEUS e as visões do Todo-poderoso. Mas “deu ouvidos à voz de seu sogro”, v. 24. Quando considerou o assunto, ele viu como era razoável o que o seu sogro propunha, e decidiu colocar o conselho em prática
- o que fez pouco tempo depois, quando já tinha recebido instruções de DEUS sobre o assunto. Observe que não são tão sábios como julgam ser aqueles que se julgam sábios demais para receberem conselhos. Pois um homem sábio (que verdadeiramente o é) irá ouvir, e continuará ouvindo, e não desprezará bons conselhos.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Antigo Testamento Gênesis a Deuteronômio. Editora CPAD. pag. 287.
Êx 18.24-27 — Podemos ver claramente o caráter de Moisés neste trecho. Ele aceitou de bom grado, ou seja, deu ouvidos ao conselho e decidiu melhorar a maneira como estava fazendo as coisas.
Isso também é um sinal de sua habilidade de liderança e de sua falta de soberba (Nm 12). O registro de que Jetro voltou para sua terra não é uma conclusão moral, mas apenas uma declaração de sua viagem. Ao retornar para sua casa, Jetro disseminaria todo o conhecimento vivenciado acerca do verdadeiro DEUS. Faria isso em uma época em que os israelitas conservavam tal entendimento entre seu povo. Jetro, o sacerdote de Midiã, tornou-se Jetro, o ministro do Senhor.
EarI D. Radmacher: Ronald B. Allen: H. Wayne House. O Novo Comentário Bíblico Antigo Testamento com recursos adicionais. Editora Central Gospel. pag. 162.
MIRIÃ Filha de Anrão e Joquebede, e irmã de Arão e Moisés (Êx 15.20; Nm 26.59). Sem dúvida, ela foi a Miriã que protegeu o cesto de juncos no qual Moisés foi escondido. Foi mencionada pela primeira vez e chamada de profetisa por ocasião da jubilosa celebração que liderou depois da travessia do mar Vermelho (Êx 15.20,21). Ela pecou quando foi insubordinada à vontade de DEUS, e incitou Arão contra Moisés. Ela e Arão se opuseram ao seu destaque e posição de respeito. Como resultado do seu envolvimento e liderança da rebelião, DEUS a castigou com lepra. Moisés orou por sua recuperação e DEUS ouviu sua oração. Durante o tempo da sua recuperação, Israel não prosseguiu em sua peregrinação (Nm 12.1-16). Ela morreu em Cades-Barnéia e foi sepultada ali (Nm 20.1).
PFEIFFER .Charles F. Dicionário Bíblico Wycliffe. Editora CPAD. pag. 1290.
ARÃO.
1. A Família. Arão era o filho mais velho de Anrão e Joquebede. Anrão pertencia à família de Coate, filho de Levi (Êx 6.16). A genealogia dada sugere que Anrão era um dos filhos de Coate. O nome da mãe de Arão era Joquebeque (“Yahweh é glorioso”), que pode ser significativo, visto que os nomes combinados com Yahweh eram raros nesse período inicial. A esposa de Arão era Eliseba, irmã de Naassom, aparentemente o príncipe de Judá que foi um ancestral de Davi (Êx 6.23; Rt 4.20; lCr 2.10). Ele possuía quatro filhos, Nadabe, Abiú, Eleazar e Itamar (Êx 6.23), sendo os primeiros dois mortos por causa de um ato de sacrilégio (Lv 10.Is.).
2. O porta-voz de Moisés. O papel subordinado de Arão, quando comparado com o de Moisés, é indicado claramente. Ele foi completamente ignorado até que Moisés mostrou a sua quase insuperável indisposição de obedecer ao chamado de DEUS para ser o libertador de Israel. “Não é Arão, teu irmão, o levita?” (Êx 4.14 . O modo de construção da pergunta é notável. A expressão “teu irmão” indica que Arão possuía sua posição primariamente pelo seu relacionamento com Moisés. Parentesco e descendência tinham um papel proeminente na história bíblica. Arão foi chamado “irmão de Moisés” onze vezes. A essa altura ele tinha oitenta e três anos de idade (Êx 7.7), e a designação “o levita” sugere que ele ocupava uma posição proeminente nessa tribo específica de israelitas escravizados. O texto simplesmente diz que ele falava fluentemente (heb. “ele pode certamente falar”) e ele substituiria a lentidão de Moisés ao falar (heb. “pesado de boca e pesado de língua”).
3. Arão e o Êxodo. Arão esteve constantemente associado a Moisés na apresentação de atos poderosos que ocasionaram a libertação (Êx 5-13). O cajado como símbolo de autoridade foi manejado algumas vezes por Arão. DEUS frequentemente falou a ambos, Moisés e Arão, mas raramente a Arão sozinho. Arão não teve parte alguma na entrega da lei, mas ele e seus dois filhos mais velhos, juntamente com os setenta anciãos, testemunharam a auto manifestação de DEUS e comeram e beberam na presença de DEUS (Êx 24.9-11).
4. Arão e o Tabernáculo. Para ela foram confeccionadas vestes e para seus filhos também, tudo feito por Bezalel de Judá e por Aoliabe de Dã (Êx 31.1-6) e também pelos que possuíam coração disposto dentre o povo (Ex 35.21-35), “como o Senhor havia ordenado...” (Êx 39.43).
5. A investidura de Arão. Os sacerdotes, e especialmente Arão, usaram uma vestimenta especial. Muito é dito a respeito das roupas que foram confeccionadas para Arão, “para glória e ornamento” (Êx 28.2), especialmente o cinto e o peitoral sobre o qual foram gravados os nomes das doze tribos (Êx 28.9s., 21. 29), e o Urim e o Tumim (q. v.). A “lâmina de ouro” com a gravação “Santidade ao Senhor” (“Yahweh”?) (v.36) que foi colocado na frente da mitra, era simbólico de seu ofício.
6. Arão e o sacerdócio. O livro de Levítico é o manual para os sacerdotes.
7. O Dia da Expiação. O ritual no qual Arão como sumo-sacerdote, e os sumo-sacerdotes que o seguiram, exercia um papel distinto era a cerimônia do Dia da Expiação (Yom Kippur) (Lv 16), quando o sumo-sacerdote fazia expiação pelo Tabernáculo, pelos sacerdotes e pelos filhos de Israel “por causa dos seus pecados uma vez por ano” (Lv 16.34).
8. Meribá. A vida de Arão teve um fim trágico. A viagem no deserto de Zim (Nm 20.1) levou a mais uma das muitas murmurações dos Israelitas — “não há água!” - O capítulo termina com uma breve narrativa da investidura de Eleazar com as roupas do sumo-sacerdote Arão, e com a morte de Arão.
9. Arão, o homem. Se alguém ler corretamente o caráter deste irmão de Moisés, perceberá que Arão possuía sua posição exaltada devido a duas coisas: uma prontidão no falar e seu parentesco com Moisés.
10. Arão, o irmão desleal. Arão tinha a clara e total consciência de que ele possuía a sua posição exaltada graças ao fato de ser irmão de Moisés. Ele mesmo chamou Moisés de “senhor” (Êx 32.22; Nm 12.11). Falou, juntamente com Miriã, contra Moisés (Nm 12) por causa de sua mulher cusita (Zípora).
11. Arão e os críticos. Naquele tempo do Êxodo, ele perdia somente para Moisés em proeminência.
MERRILL C. TENNEY. Enciclopédia da Bíblia. Editora Cultura Cristã. Vol. 1. pag. 417-420.
ARÃO Ele tinha três anos quando seu irmão Moisés nasceu (Êx 7.7). Teve quatro filhos com sua esposa Eliseba. Nadabe, Abiu, Eleazar e Itamar. Arão tinha permanecido no Egito durante os quarenta anos da ausência de Moisés, foi em seguida encontrá-lo na "montanha de DEUS" e o reapresentou à comunidade dos hebreus no Egito (Éx 4.27-31). Moisés deveria receber a mensagem diretamente de DEUS e era obrigação de Arão transmitir essa mensagem ao povo (Êx 4.16).
Arão aparece no Monte Sinai como um ancião que, como representante de seu povo, tinha permissão, juntamente com seus dois filhos, Moisés e mais 70 anciãos de se aproximar da própria presença do Senhor (Ex 24.1-11).
O consequente florescer do poder de Arão serviu para justificá-lo, bem como o seu sacerdócio perante toda a nação (Nm 17). Ele morreu no Monte Hor com a idade de 123 anos (Nm 20.28).PFEIFFER .Charles F. Dicionário Bíblico Wycliffe. Editora CPAD. pag. 171-172.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.