quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Discipulado (43) ESCATOLOGIA( 9)

                  




                                A GRANDE TRIBULAÇÃO 
                                   Apocalipse 6.1-8.




1 - E, havendo o Cordeiro aberto um dos selos, olhei e ouvi um dos quatro animais, que dizia, como em voz de trovão: Vem e vê!
2 - E olhei, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele tinha um arco; e foi-lhe dada uma coroa, e saiu vitorioso e para vencer.
3 - E havendo aberto o segundo selo, ouvi o segundo animal, dizendo: Vem e vê!
4 - E saiu outro cavalo, vermelho; e ao que estava assentado sobre ele foi dado que tirasse a paz da terra e que se matassem uns aos outros; e foi-lhe dada uma grande espada.
5 - E, havendo aberto o terceiro selo, ouvi o terceiro animal, dizendo: Vem e vê! E olhei, e eis um cavalo preto; e o que sobre ele estava assentado tinha uma balança na mão.
6 - E ouvi uma voz no meio dos quatro animais, que dizia: Uma medida de trigo por um dinheiro; e três medidas de cevada por um dinheiro; e não danifiques o azeite e o vinho.
7 - E, havendo aberto o quarto selo, ouvi a voz do quarto animal, que dizia: Vem e vê!
8 - E olhei, e eis um cavalo amarelo; e o que estava assentado sobre ele tinha por nome Morte; e o inferno o seguia; e foi-lhes dado poder para matar a quarta parte da terra com espada, e com fome, e com peste, e com as feras da terra.

A Grande Tribulação será após o arrebatamento da Igreja. Não há qualquer base bíblica que fundamente a ideia de que a Igreja passará por aqueles tenebrosos e angustiantes dias. Segundo a visão pré-tribulacionista, a Igreja, tanto os santos que agora dormem no Senhor, quanto os que estiverem vivos na ocasião do arrebatamento, serão retirados da terra “antes” de se iniciar a 70ª Semana de Daniel. Entretanto, alguns negam esta realidade, são: os mesotribulacionistas (acreditam que a Igreja será arrebatada no final do primeiro período da Tribulação); e os pós-tribulacionistas (que admitem a passagem da Igreja pela Grande Tribulação, sendo arrebatada na manifestação de Jesus em Glória). A Igreja de Cristo está isenta deste período profético pelas seguintes razões: Ela será arrebatada antes (2 Ts 2.3,6-8); é a Noiva do Cordeiro, não será maculada (2 Co 11.2); é luz e sal da terra, não ficará nas trevas espirituais (Mt 5.13,14); é santa, não sofrerá nas mãos do iníquo (2 Ts 2.8); tem o penhor e o selo do Espírito Santo (Ef 1.13,14); e guarda com paciência a Palavra de Deus (Ap 3.10).

Os profetas e apóstolos discorreram de tal forma sobre a Grande Tribulação, que basta uma leitura de seus escritos para conscientizar-nos de sua realidade escatológica. Haja vista o livro de Sofonias que, em termos proporcionais, foi o autor sagrado que mais tratou deste importante tema.
A Grande Tribulação é o “dia do Senhor”, no qual Deus entrará em juízo com um mundo altivo, rebelde e impenitente (Is 13.9-11; Ml 4.1).
Tendo como base as Sagradas Escrituras, observemos, como poderemos definir esta tão importante doutrina.

1.       O QUE É A GRANDE TRIBULAÇÃO

1.       Definição.A Grande Tribulação é o período de maior angústia da história humana, em que os ímpios serão obrigados a reconhecer quão terrível é cair nas mãos do Deus vivo. Na língua hebraica, a palavra angústia é particularmente forte: tsará, que significa, ainda, necessidade e esposa rival. Evoca este termo as contendas que havia, por exemplo, entre Penina e Ana, que levaram esta a uma aflição quase que indescritível (1 Sm 1.15).
A Grande Tribulação recebe, outrossim, as seguintes denominações na Bíblia Sagrada:
1.       a) Dia do Senhor.“O grande dia do Senhor está perto, está perto, e se apressa muito a voz do dia do Senhor; amargamente clamará ali o homem poderoso” (Sf 1.14).
2.       b) Dia da Angústia de Jacó.“Ah! Porque aquele dia é tão grande, que não houve outro semelhante! E é tempo de angústia para Jacó; ele, porém, será salvo dela” (Jr 30.7).
3.       c) Ira do Cordeiro.“E os reis da terra, e os grandes, e os ricos, e os tribunos, e os poderosos, e todo servo, e todo livre se esconderam nas cavernas e nas rochas das montanhas e diziam aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós e escondei-nos do rosto daquele que está assentado sobre o trono e da ira do Cordeiro, porque é vindo o grande Dia da sua ira; e quem poderá subsistir?” (Ap 6.15-17).

1.       QUANDO TERÁ INÍCIO A GRANDE TRIBULAÇÃO

A Bíblia é clara a respeito da Grande Tribulação, que terá início:
1.       Após o arrebatamento da Igreja.“Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra” (Ap 3.10). Logo: a Igreja de Cristo não terá de experimentar a Grande Tribulação. Neste período, estaremos recebendo nossos galardões consoante ao trabalho que executamos na expansão do Reino de Deus. A promessa de Jesus à sua Igreja é a de preservá-la desse sofrimento (1 Ts 1.10; 5.9; Lc 21.35,36).
2.       Na metade da 70ª Semana de Daniel.“E ele firmará um concerto com muitos por uma semana; e, na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador” (Dn 9.27).
A 70ª Semana de Daniel pode ser dividida em duas metades distintas.
9.       a) A primeira metadeda semana será marcada pelo reinado absoluto do Anticristo que, assentado no Santo Templo em Jerusalém, será aceito tanto pelos judeus quanto pelos gentios. Aqueles, tê-lo-ão como o seu messias; estes, como o seu salvador. Essas duas metades da semana profética de Dn 9.27 são mencionadas diversas vezes em Ap 11.2,3; 12.6,14; 13.5.
10.     b) A Segunda metadeserá ocupada pela Grande Tribulação propriamente dita: “Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então, lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida; e de modo nenhum escaparão” (1 Ts 5.3).

III. QUAL O OBJETIVO DA GRANDE TRIBULAÇÃO

A Grande Tribulação será deflagrada, visando a aplicação dos juízos divinos sobre a terra e a reconciliação de Israel com o seu verdadeiro Messias. Ela também possui como objetivos:
1.       Levar os homens a se arrependerem de seus pecados.“E, por causa das suas dores e por causa das suas chagas, blasfemaram do Deus do céu e não se arrependeram das suas obras” (Ap 16.11).
2.       Destruir o império do Anticristo.“E o quinto anjo derramou a sua taça sobre o trono da besta, e o seu reino se fez tenebroso; e os homens mordiam a língua de dor” (Ap 16.10).
3.       Desestabilizar o atual sistema mundial.“Estavas vendo isso, quando uma pedra foi cortada, sem mão, a qual feriu a estátua nos pés de ferro e de barro e os esmiuçou. Então, foi juntamente esmiuçado o ferro, o barro, o cobre, a prata e o ouro, os quais se fizeram como a pragana das eiras no estio, e o vento os levou, e não se achou lugar algum para eles; mas a pedra que feriu a estátua se fez um grande monte e encheu toda a terra” (Dn 2.34,35).
4.       Implantar o reino de Nosso Senhor Jesus Cristo.“Mas, nos dias desses reis, o Deus do céu levantará um reino que não será jamais destruído; e esse reino não passará a outro povo; esmiuçará e consumirá todos esses reinos e será estabelecido para sempre” (Dn 2.44).

1.       QUEM PASSARÁ PELA GRANDE TRIBULAÇÃO

Há dois grupos distintos que passarão pela Grande Tribulação:
1.       Os judeus que não tiverem aceitado a Cristo.“Ah! Porque aquele dia é tão grande, que não houve outro semelhante! E é tempo de angústia para Jacó; ele, porém, será salvo dela” (Jr 30.1-7). Leia também Apocalipse 12.1-7. Nesta passagem, Israel é tipificado pela mulher que, perseguida pelo dragão, vai procurar refúgio no deserto. E o dragão, que é o próprio Diabo, buscando sempre arruinar os planos de Deus, sai para fazer guerra aos descendentes da mulher que se acham espalhados pelo mundo.
2.       Os gentios.“Depois destas coisas, olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas suas mãos” (Ap 7.9,13,14). Nesta passagem, somos apresentados aos gentios que serão salvos durante a Grande Tribulação.

1.       AS QUATRO FASES DA GRANDE TRIBULAÇÃO

Durante a 70ª Semana de Daniel, na qual situa-se a Grande Tribulação, haverá quatro fases distintas:
1.       A falsa paz oferecida pelo Anticristo.“E olhei, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele tinha um arco; e foi-lhe dada uma coroa, e saiu vitorioso e para vencer” (Ap 6.2).
Não podemos confundir este cavaleiro com o Senhor Jesus Cristo que, em Apocalipse 19.11, aparece gloriosamente, voltando à terra para implantar o Reino de Deus (Ap 19.11). A paz a ser oferecida pelo Anticristo é ilusória e passageira (1 Ts 5.3).
2.       A guerra.“E saiu outro cavalo, vermelho; e ao que estava assentado sobre ele foi dado que tirasse a paz da terra e que se matassem uns aos outros; e foi-lhe dada uma grande espada” (Ap 6.4).
3.       A fome.“E, havendo aberto o terceiro selo, ouvi o terceiro animal, dizendo: Vem e vê! E olhei, e eis um cavalo preto; e o que sobre ele estava assentado tinha uma balança na mão. E ouvi uma voz no meio dos quatro animais, que dizia: Uma medida de trigo por um dinheiro; e três medidas de cevada por um dinheiro; e não danifiques o azeite e o vinho” (Ap 6.5,6).
4.       A morte.“E, havendo aberto o quarto selo, ouvi a voz do quarto animal, que dizia: Vem e vê! E olhei, e eis um cavalo amarelo; e o que estava assentado sobre ele tinha por nome Morte; e o inferno o seguia; e foi-lhes dado poder para matar a quarta parte da terra com espada, e com fome, e com peste, e com as feras da terra” (Ap 6.7,8).
Os quatro primeiros selos do Apocalipse são uma admirável síntese do que ocorrerá durante a Grande Tribulação. Em primeiro lugar, há a falsa paz oferecida pelo Anticristo. Paz esta, aliás, que, por ser estabelecida com base na injustiça, acabará por gerar guerras e desinteligências entre as nações. Como acontece em períodos de conflagrações, os conflitos armados trarão a fome que, por seu turno, haverá de gerar epidemias e pestilências.

1.       HAVERÁ SALVAÇÃO DURANTE A GRANDE TRIBULAÇÃO

Quando se estuda a Grande Tribulação, a pergunta é inevitável: haverá salvação neste período? O livro do Apocalipse mostra dois grupos distintos de salvos: os israelitas e os gentios (Ap 7.4-14). Isto significa que, apesar da oposição do Anticristo, a Bíblia continuará a ser divulgada em escala mundial. Enganam-se, portanto, os que afirmam que, após o arrebatamento da Igreja, as Sagradas Escrituras perderão a sua inspiração sobrenatural e única. Tal ensinamento não conta com qualquer respaldo bíblico. Afirma o profeta Isaías: “Seca-se a erva, e caem as flores, mas a palavra de nosso Deus subsiste eternamente” (Is 40.8).
Estejamos devidamente apercebidos, a fim de que não sejamos pegos de surpresa no arrebatamento da Igreja. Os que não subirem, terão de enfrentar a ira do Cordeiro. Infelizmente, muitos são os que se acham adormecidos espiritualmente. É hora de despertar deste sono! Caso contrário, como haveremos de escapar dos horrores da Grande Tribulação?
Senhor, não permitas que sejamos dominados pela sonolência espiritual. Queremos estar apercebidos, a fim de que, naquele grande dia, possamos estar para sempre contigo. Amém! 

“Após o arrebatamento, haverá um tempo de terrível tribulação e angústia predito pelos profetas do Antigo Testamento. Daniel refere-se a uma tribulação jamais dantes experimentada (Dn 12.1). Mateus 24.21-29 descreve-a como a Grande tribulação. E Apocalipse 3.10 descreve-a como ‘a hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra’. Jeremias, por sua vez, predisse que essas trevas seriam o ‘tempo de angústia para Jacó’ (Jr 30.4-7). Tanto Isaías quanto Zacarias falaram acerca desta indignação de Deus contra os habitantes da terra (Is 24.17-21 e Zc 14.1-3).
Quando terá início a Grande Tribulação?
Mateus 24.30 localiza a Grande tribulação como tendo lugar por ocasião do glorioso retorno de Cristo. É evidente, pois, que a tribulação ocorra entre o arrebatamento e a revelação de Cristo. Temos outras garantias de que o arrebatamento, realmente, ocorrerá antes da tribulação (1 Ts 5.9-11).
[...] Fica evidente, pois, que nenhuma parte da Igreja de Cristo será deixada na terra para sofrer os julgamentos de Deus durante a tribulação” (NOTAS MENZIES, W. W.; HORTON, S. M. Doutrinas bíblicas: Uma perspectiva pentecostal. RJ: CPAD, 1995, pp.232-3).FONTE CPAD 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.