quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Discipulado (18) Perseverar em oração


                         

                           

                                    O QUE É ORAÇÃO ?
´
                    1 Crônicas 16.8,10-17; João 15.16.



1 Crônicas 16
8 - Louvai ao SENHOR, invocai o seu nome, fazei conhecidos entre os povos os seus feitos.
10 - Gloriai-vos no seu santo nome; alegre-se o coração dos que buscam o SENHOR.
11 - Buscai ao SENHOR e a sua força; buscai a sua face continuamente.
12 - Lembrai-vos das suas maravilhas que tem feito, dos seus prodígios, e dos juízos da sua boca.
13 - Vós, semente de Israel, seus servos, vós, filhos de Jacó, seus eleitos.
14 - Ele é o SENHOR, nosso Deus; em toda a terra estão os seus juízos.
15 - Lembrai-vos perpetua-mente do seu concerto e da palavra que prescreveu para mil gerações;
16 - do concerto que fez com Abraão e do seu juramento a Isaque;
17 - o qual também a Jacó ratificou por estatuto, e a Israel por concerto eterno.

João 15
16 - Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça, a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vos conceda.


Palavra ChaveOração: [Do lat. orationem]. “É o meio que Deus proveu ao homem a fim de que este viesse a estabelecer um relacionamento de comunhão contínua com Ele.”

A oração é o meio que Deus proveu ao homem, a fim de que este viesse a estabelecer um relacionamento de comunhão contínua com Ele. Tanto mais o cristão ora com fé em Deus, mais desenvolve sua comunhão e submissão com o seu Criador, Pai, Senhor, Intercessor e Conselheiro, manifestando, assim, o senhorio de Cristo Jesus em sua vida, por amor e devoção. Quando isso ocorre, o homem passa a ter sua vida espiritual e emocional estáveis, e sua perspectiva e objetivos naturalmente mudam. A oração quando associada à obediência dos preceitos das Santas Escrituras e à vigilância espiritual é também um meio de vitória sobre o pecado (cf. Mc 11.24-26; Mt 26.41).

1.              A QUEM ORAR E QUANDO ORAR?
1.       Devemos orar a Deus.
2.        
3.       São muitos os textos bíblicos que lembram, ensinam, advertem e estimulam o homem a buscar a Deus, em oração em todo o tempo (Dt 4.29,30; 1 Cr 16.4; Sl 119.2; Jr 29.1 3; Ef 6.18). A Bíblia ensina que devemos orar somente a Deus e a ninguém mais, pois não há nenhum outro deus além do nosso, que possa ouvir e responder às nossas orações. Aliás, a Palavra de Deus condena a adoração e a oração a qualquer outro ser que não seja o Deus Eterno, Criador, Sustentador do universo e Redentor da humanidade (Êx 20.3; Dt 6.4; Is 44.8-20). Tudo isso, já representa um bom e grande motivo para o crente orar (Fm v.4; Lc 2.37,38).
4.        
5.       Quando tudo está bem.
6.        
7.       Não há dúvida de que devemos orar em todo tempo e em qualquer circunstância (Ef 6.18; 1 Tm 2.1-3; Sl 118.5). Jesus ensinou essa verdade dando seu exemplo aos discípulos (Mc 6.45-48; Lc 22.39-46). Entretanto, parece que descuidamos da prática da oração quando as coisas estão indo bem. Ainda que tudo pareça tranquilo, o crente deve estar vigilante, consciente de suas fragilidades e na presença do Senhor, em constante oração, pois, entre as muitas bênçãos da oração, destaca-se o fato de que ela preserva-nos do mal (Mt 26.41). Sansão, por exemplo, não é alguém para ser imitado (Jz 14-16). Ele só clamava ao Senhor quando estava em grandes apuros (Jz 15.18; 16.28). Para muitos, a oração só deve ser feita quando alguém se acha enfermo, desempregado, sofrendo algum tipo de problema no seu trabalho, quando seus bens são subtraídos ou quando desaparece um membro da família e coisas semelhantes acontecem. Atitudes como essas privam o crente das bênçãos divinas através da oração preventiva (Mt 26.36; Lc 21.36; Rm 15.30,31).
8.        
9.       No dia da angústia e da adversidade.
10.      
11.     O verdadeiro discípulo do Senhor enfrenta nesta vida, lutas, provas e aflições, e Jesus mesmo afirmou que não seria diferente (Jo 16.33). Os discípulos, inclusive, eram conscientes desse fato (1 Pe 4.12-16; Rm 5.3). O apóstolo Paulo dá-nos a receita bíblica para vencermos no dia da adversidade: perseverar na oração (Rm 12.12). A comunhão com o Senhor, cultivada através da oração, muda no crente sua visão acerca das coisas que o cercam. Os problemas e as circunstâncias contrárias não abatem a sua fé em Deus e a sua confiança firme de que Ele é poderoso para que, caso não o livre, o fará, da situação problemática, vencedor ou tornará o mal em bem (Rm 8.28; Gn 50.20). Nossa oração deve ser para que o Senhor nos abra os olhos, para que possamos ver o invisível e assim, pela fé descansar nEle, sabendo que todas as coisas estão sob seu domínio.
12.      
1.       COMO ORAR? 
1.       Com reverência.Todo crente deve saber que não se pode chegar à presença de Deus sem reverência, sem fé, e sem santo temor. Quando o homem foi criado, Deus já era adorado e reverenciado pelos anjos. A reverência para com Deus é um princípio bíblico (Sl 96.9; 132.7; Mt 4.10; 1 Tm 1.17). Todo o relacionamento do homem com o Senhor deve levar em consideração a reverência que lhe é devida, inclusive não somente na oração, mas também no seu serviço (Hb 12.28). Considerando que o Senhor é Deus, Ele próprio espera esse tipo de atitude do homem (Ec 3.14). Orar a Deus com fé, reverência e temor é falar com Ele pelo novo e vivo caminho provido por Jesus (Hb 10.20-22) e ajudado pelo Espírito Santo (Rm 8.26,27).
2.       Com fé e humildade.É uma contradição um crente entrar na presença de Deus em oração, duvidando do seu poder, da sua graça e das suas promessas. De um crente se espera entrar na presença de Deus crendo que Ele é poderoso para fazer tudo, muito mais, além daquilo que pedimos ou pensamos, pelo seu poder que opera em nós, a nossa fé (Ef 3.20; Tg 1.6). Deve o crente reconhecer a sua insignificância em si mesmo, suas tendências, suas fragilidades, necessidades e estar disposto a confessar seus pecados e deixá-los, e buscar fazer a boa, perfeita e agradável vontade de Deus para a sua vida (Lc 18.13,14; Rm 12.1,2).
3.       Priorizando o Reino de Deus e seus valores eternos.De todo o cristão espera-se que quando se encontrar no altar do Senhor em oração, dê prioridade ao Reino de Deus e aos valores eternos que o constitui (Lc 11.2; Mt 6.19-21). Primeiro, porque isso deve fazer parte do caráter cristão; segundo, porque com esta atitude aquelas coisas essenciais que foram pronunciadas por Jesus Cristo serão acrescentadas à sua vida (Mt 6.33).

        III. ONDE ORAR E POR QUEM ORAR?

1.       O lugar da oração.É uma necessidade o crente ter um lugar próprio e adequado para fazer as suas orações devocionais diárias (Mt 6.6; Mc 1.35; At 10.9). O homem que assim faz é tido como bem-aventurado (Pv 8.34,35). O crente também precisa sempre estar na casa do Pai para a oração congregacional, considerando o que disse o próprio Deus a respeito (quando da consagração do Templo construído por Salomão): “Agora, estarão abertos os meus olhos e atentos os meus ouvidos à oração deste lugar” (2 Cr 7.15). Próximo do momento de sua crucificação, Jesus entrou no Templo e, repreendendo os vendilhões que ali estavam, referiu-se ao texto de Isaías 56.7: “A minha casa será chamada casa de oração” (Mt 21.13). O Espírito Santo desceu no cenáculo onde estavam os discípulos em oração há dias. Foi assim que a Igreja teve o seu início (At 1.12-14). Os crentes do primeiro século oravam juntos regularmente no Templo (At 3.1).
No altar da oração devemos ter em mente ao menos três propósitos: adorar a Deus, agradecer-lhe e pedir algo para nós ou para outrem (intercessão). Ao pedir, o crente deve:
1.       a) Orar por si próprio.Ninguém melhor do que o próprio crente para conhecer as suas necessidades espirituais, sociais, afetivas, familiares, econômicas e físicas. Há necessidades que, por sua natureza e estratégias espirituais, não podem ser do conhecimento de mais ninguém, devendo o crente, orar ao Senhor no seu íntimo.
2.       b) Pelos amigos.Nem todo crente se comporta como Jó, que estando sob severo sofrimento e com necessidades múltiplas, dedicava um tempo em suas orações para orar pelos seus amigos (Jó 42.10).
3.       c) Orar pelos inimigos.Esta é uma tarefa que demanda muito amor, renúncia, e propósito de agradar a Deus, obedecer a sua Palavra e dominar seu próprio coração (Mt 5.44; Rm 12.14). Nesse aspecto Jesus também deixou o seu exemplo (Lc 23.34; 1 Pe 2.23).
4.       Orar pela igreja de Deus.O profeta Samuel orou pelo povo de Deus (1 Sm 7.5-14). Em o Novo Testamento, vemos em Paulo um intercessor exemplar à medida que ora pelas diferentes igrejas, apresentando as suas necessidades específicas (Fp 1.1-7,9; Rm 1.8-12; Ef 1.16).
5.       Orar por todos os homens e pelas autoridades constituídas (1 Tm 2.1,2).A vida de oração torna o crente sensível às necessidades dos que lhe rodeiam e dos que estão distantes, sejam eles conhecidos ou não e em qualquer esfera social, como, por exemplo, o profeta Eliseu (2 Rs 4.12-36).


        Objetivos da oração
         “[...] Todos já nos sentimos impulsionados a orar com mais          intensidade nos momentos de decisão e de angústias; não podemos viver distanciados da presença divina.
1.       Buscar a presença de Deus.‘Quando tu disseste: Buscai o meu rosto, o meu coração te disse a ti: O teu rosto Senhor, buscarei’ (Sl 27.8). Seja nos primeiros alvores do dia, seja nas últimas trevas da noite, o salmista jamais deixava de ouvir o chamado de Deus para contemplar-lhe a face. Tem você suspirado pelo Senhor? Ou já não consegue ouvi-LO? O sorriso de Deus é tudo o que você precisa para vencer as insídias humanas.
2.       Agradecê-lo pelos imerecidos favores.Se nos limitarmos às petições, nossa oração jamais nos enlevará ao coração do Pai. Mas se, em tudo, lhe dermos graças, até mesmo pelas tribulações que nos sitiam a alma, haveremos de ser, a cada manhã, surpreendidos pelos cuidados divinos. J. Blanchard é mui categórico: ‘nenhum homem pode orar biblicamente, se orar egoisticamente’.
3.       Interceder pelo avanço do Reino de Deus.Na Oração Dominical, insta-nos o Senhor Jesus a orar: ‘Venha teu Reino’ (Mt 6.10). No Antigo Testamento, os judeus rogavam a Deus que jamais permitisse que suas possessões viessem a cair em mãos gentias. Basta ler o Salmo 136 para se enternecer com o cuidado dos israelitas por sua herança espiritual e territorial”.(ANDRADE, C. As Disciplinas da vida Cristã. Como alcançar a verdadeira espiritualidade. RJ: CPAD, 2008, pp.36-8)  

fonte 


Nenhum comentário:

Postar um comentário