quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Lições BETEL adultos Dorcas 3 trim- n.11 13/9/2015



                                 ESCOLA DOMINICAL 
 Conteúdo da Lição 11 - Revista da Editora Betel

                                       



          O Milagre da Ressurreição de Dorcas

                  13 de setembro de 2015
Texto Áureo.
“Pedro atendeu e foi com eles. Tendo chegado, conduziram-no para o cenáculo; e todas as viúvas o cercaram, chorando e mostrando-lhe túnicas e vestidos que Dorcas fizera enquanto estava com elas”. Atos 9.39

Verdade aplicada.
Dorcas era tão útil e importante que seus irmãos de fé não puderam suportar a sua morte. Por isto, Deus permitiu o retorno à vida de Dorcas.

Texto de referência.

Atos 9.36, 37, 40, 41.
36 E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que, traduzido, se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia.
37 E aconteceu, naqueles dias, que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado,a depositaram num quarto alto.
40 Mas Pedro, fazendo sair a todos, pôs-se de joelhos e orou; e, voltando-se para o corpo, disse: Tabita, levanta-te. E ela abriu os olhos e, vendo a Pedro, assentou-se.
41 E ele, dando-lhe a mão, a levantou e, chamando os santos e as viúvas, apresentou-lha viva.

Introdução.
A ajuda prestada a outros mostra que a Palavra de Deus está na vida do servo de Deus. O cuidado com as necessidades diárias das pessoas prepara o solo do coração delas para que a Palavra de Deus crie raízes.

1. Dorcas, a notável discípula.
Dorcas era fervorosa e abnegada. Para ela, tudo era fácil. Ela não contava o tempo, nem media esforços. Não barganhava com a s pessoas, nem com Deus. O que ela tinha não era absolutamente dela e sentia um prazer tremendo em ajudar os outros, em deixar os outros felizes.

1.1. O reflexo da vida abundante.
Dorcas era uma pessoa que procurava sempre elevar o espírito e o ânimo daqueles que a rodeavam. Ela sabia como suprir as necessidades de cada um. Era extremamente caprichosa e tudo quanto fazia refletia sua beleza interior. Para Dorcas, ser cristã era uma aventura nova a cada dia. Na verdade, ela não era assim antes de sua conversão. Foi Jesus que implantou nela essa vida abundante e, todos aqueles que conviviam com ela, podiam beber dessa fonte de água viva que fluía do seu interior. Ela era verdadeiramente a mulher virtuosa (Pv 31.10). Ela era uma discípula notável. Onde Dorcas colocava as mãos, ficavam as marcas de sua graça e beleza interior.

1.2. Uma discípula de Jesus.
Em Atos 9.36 a Bíblia diz que Dorcas era uma “discípula” – uma pessoa da Igreja que se dedicava a aprender e viver os ensinamentos de Jesus Cristo. Após sua morte, um grupo de discípulos teve a ideia de mandar chamar o apóstolo Pedro que estava em Lida, cidade vizinha a Jope, cerca de 14 Km de distância (At 9.38). No decorrer do texto, os discípulos são chamados de “os santos” – separados para Deus (At 9.41). Assim, Dorcas era uma discípula de Jesus, fazia parte de uma comunidade de santos e tinha o testemunho de todos, especialmente de um grupo de viúvas, do quão bondosa e prestativa ela era.

1.3. Um exemplo de vida.
Dorcas é um exemplo na Bíblia de como devemos viver nossas vidas. A Palavra de Deus afirma que há pessoas de quem “o mundo não é digno” (Hb 11.38). Ou seja, gente especial, útil, que dignifica a existência humana. Prova disto é que a igreja em Jope decidiu buscar em Deus algo até então inédito: a ressurreição da discípula morta. Inédito porque, desde que Jesus fora para o céu, este milagre ainda não havia acontecido.

2. Dorcas, o exemplo de fé e obras.
O cristão não pode viver uma vida de fachada. O cristão deve incluir em sua conduta de vida a oração, a Palavra de Deus, as boas obras e a fé. É preciso entender que o exercício da fé deve ser demonstrado com obras para ser genuíno (Tg 2.21, 22). A irmã Dorcas nos deixou essa excelente lição: uma vida de fé cheia de boas obras (Tt 2.14).

2.1. A prática de boas ações.
É bem certo que Dorcas ajudava muito as pessoas que precisavam dela e doou bastante de si mesmo. Havia muitas viúvas que não tinham agasalhos e roupas e Dorcas recolhia os tecidos e fazia túnicas ou vestidos para elas. Dorcas também ajudava os mais pobres, que não podiam comprar nem os tecidos e fazia roupas para eles. Essa valorosa mulher nos desfia a deixarmos as teorias a respeito de amar a Deus e amar ao próximo e colocarmos em prática o cuidado pelas pessoas.

2.2. O desafio da generosidade.
Aprendemos com esta passagem bíblica que Dorcas era uma serva que ajudava financeiramente os mais pobres. Ela expressava sua piedade e amor ao Senhor cuidando dos mais necessitados. Muitas pessoas ganharam de presente de Dorcas as roupas de que precisavam e gostavam muito dela. Dorcas amava ao Senhor Jesus e fazia tudo com amor e boa vontade. A lição que podemos extrair da vida desta abnegada mulher é que, sempre que fazemos alguma coisa, devemos fazer com amor, porque fazemos para o Senhor. Essa generosa serva do Senhor nos desfia a amarmos mais a Deus e as pessoas do que ao dinheiro ou aos bens materiais (Mt 6.33).

2.3. O progresso do Reino de Deus.
O mundo já se esqueceu de muitas coisas que aconteceram, mas as obras de Dorcas sempre serão lembradas, pois são citadas na Palavra de Deus (1Jo 2.17). A ferramenta de Dorcas era uma agulha com a qual trabalhava para vestir os pobres. A discípula que pregava o evangelho com a agulha era Dorcas e fazia isto porque amava Jesus e amava os pobres. A nossa pregação somente por meio de palavras pouco vale. Se amamos a Jesus nunca nos esqueceremos da beneficência (Hb 13.16), principalmente para com os domésticos da fé (Gl 6.10). Não importa qual seja nosso dom. O que importa é saber manejá-lo bem, para o progresso do Reino de Deus e não para nosso próprio interesse. Dorcas usava seu talento com a maior graça. Após sua ressuscitação, certamente Dorcas voltou a servir às viúvas, aos órfãos e todos que necessitavam dela. Ela poderia interromper seu ministério, mas seu amor pela obra de Deus nos permite concluir que ela continuou servindo ao Senhor com alegria (Sl 100.1).

3. Dorcas, a mulher ressuscitada.
Através da ressuscitação de Dorcas, muitas vidas foram sacudidas de seu sono interior e se entregaram a Jesus. Aquele lugar de luto voltou a ser lugar de vida; um lugar de festa. Onde Deus está operando, torna-se um lugar bom para se viver. Todos querem estar onde o poder de Deus é sentido.

3.1. Morrer sem deixar saudades.
O capítulo 21 do segundo livro de Crônicas apresenta para nós a história de Jeorão, filho de Josafá, rei de Judá. Este monarca foi tão maligno e cruel que morreu sem deixar saudades em ninguém (2Cr 21.20). Em contraste com a história de Jeorão, a virada de Dorcas foi bem diferente. Ela era discípula, santa e amorosa. Sua morte trouxe profundo pesar à Igreja. Ela era tão querida e estimada que enviaram emissários até o apóstolo Pedro para que viesse urgentemente a Jope. Eles criam na ressurreição daquela serva preciosa. Se havia alguém digno de tal milagre, este alguém era Dorcas.

3.2. O despertamento da fé.
Pedro foi um discípulo aplicado de Jesus. Ele procedeu exatamente como o Mestre na casa de Jairo (Mt 9.25). O apóstolo pediu que todos saíssem do quarto, a fim de interceder e exercer a fé no nome de Jesus. Ele sabia que a incredulidade impede a obra de Deus (Hb 3.12; 4.11). Para que o milagre seja notório e muitos possam crer no agir de Deus (At 9.42), a incredulidade precisa ser urgentemente afastada do nosso meio. Somente assim, o Senhor terá a liberdade de manifestar o Seu poder e a fé de muitos será despertada (Mt 13.58).

3.3. Compaixão, oração e fé.
Três fatores foram essenciais para que o milagre ocorresse. Primeiro, o poder da compaixão. Este fez com que Pedro tomasse uma atitude e assim houve uma reviravolta no episódio. Se Pedro não tivesse se deixado afetar pela dor daquelas viúvas, Tabita teria sido sepultada. Segundo, o poder da oração. Por quê? Porque por melhores que sejam nossos desejos, eles não têm o poder de mudar as coisas. Por isso, Pedro precisava orar. Pedro mandou que todos saíssem, o sonho era dele e portanto, a luta em oração era dele. Por último, o agir pela fé. Pedro não orou e ficou esperando desconfiado para ver o que iria acontecer. Uma vez convicto de que Deus ouvira sua oração, ele começou a agir, ordenando àquele corpo inerte que se levantasse.

Conclusão.

A Igreja adiou o sepultamento da amada discípula Dorcas na esperança da intervenção divina. O apóstolo Pedro havia pouco tempo antes curado o paralítico Enéas e os devotos cristãos esperavam que ele, através da oração e da fé, restituísse a vida de Dorcas na autoridade do nome de Jesus.

domingo, 6 de setembro de 2015

lições CPAD jovens a midiatica da igreja 3 trim- n.11 13/9/2015




                            Lições Bíblicas CPAD
                         Jovens 3º Trimestre de 2015


Título: Novos Tempos, Novos Desafios — Conhecendo os desafios do Século XXI
Comentarista: César Moisés Carvalho 

Lição 11: A superexposição midiática da Igreja
Data: 13 de Setembro de 2015

TEXTO DO DIA

E, perseverando unânimes todos os dias no templo e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus e caindo na graça de todo o povo" (At 2.46,47a).

SÍNTESE

A ordem de Jesus Cristo de pregar o evangelho a todas as pessoas pode ser obedecida com a utilização, sábia e prudente, dos meios de comunicação.

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA — Mt 5.14-16
Somos a luz do mundo


TERÇA — Jo 13.15
Jesus é o nosso referencial


QUARTA — 1Ts 1.6,7
Uma igreja exemplar


QUINTA — At 10.1-48
Um “ímpio” exemplar


SEXTA — 1Pe 2.12
A Igreja deve ter um bom exemplo


SÁBADO — 1Pe 5.1-3
A liderança deve servir de exemplo

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
·        CONHECER a respeito da reputação de Cristo e da igreja do primeiro século.
·        DISCUTIR a respeito dos malefícios da superexposição midiática da igreja evangélica.
·        COMPREENDER que devemos utilizar a mídia de forma sábia e prudente.

INTERAÇÃO

Prezado professor, nesta lição estudaremos acerca da exposição midiática da igreja. É importante enfatizar, no decorrer da lição, que utilizar a mídia para anunciar a Palavra de Deus não é errado, desde que o objetivo seja glorificar o nome do Senhor. A tevê é um veículo de comunicação de massa, seu poder de alcance é muito grande. Porém, precisamos utilizar este recurso midiático com sabedoria e coerência, nunca para proveito próprio. Infelizmente alguns utilizam este veículo com o objetivo de se tomarem famosos. A fama é efêmera e existe uma diferença entre ser famoso e ser bem-sucedido. Os cristãos do primeiro século não lutaram para se tomarem famosos, porém eles foram bem-sucedidos em sua missão. Muitos, erroneamente, acreditam que o crescimento de uma igreja ou denominação se dá apenas pela utilização da mídia, em especial a TV, mas quem sustenta a Igreja e faz com que ela cresça de modo saudável é o Senhor Jesus Cristo.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Escreva no quadro os perigos da superexposição midiática da igreja evangélica, relacionados abaixo. Discuta com os alunos esses pontos. Conclua explicando que só devemos fazer uso da mídia, em especial a televisão, para glorificar o Nome do Senhor.

Os perigos da superexposição midiática da igreja evangélica:
  •   A briga pela audiência e a necessidade de apresentar sempre algo novo que agrade o público.
  •   Buscar a fama e o sucesso pessoal e não glorificar o nome do Senhor.
  •   Ter um discurso que agrade a todos, dando enfoque às mensagens de autoajuda.
  •   Criar a impressão de que o crescimento da igreja se dá única e exclusivamente pela utilização da mídia.
  •   Utilizar todos os recursos financeiros para pagar programas de televisão e não investir em missões ou na própria igreja.

TEXTO BÍBLICO

1 Tessalonicenses 1.6-10.

6 — E vós fostes feitos nossos imitadores e do Senhor, recebendo a palavra em muita tribulação, com gozo do Espírito Santo,
7 — de maneira que fostes exemplo para todos os fiéis na Macedônia e Acaia.
8 — Porque por vós soou a palavra do Senhor, não somente na Macedônia e Acaia, mas também em todos os lugares a vossa fé para com Deus se espalhou, de tal maneira que já dela não temos necessidade de falar coisa alguma;
9 — porque eles mesmos anunciam de nós qual a entrada que tivemos para convosco, e como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir ao Deus vivo e verdadeiro,
10 — e esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura.

COMENTÁRIO DA LIÇÃO

INTRODUÇÃO

Neste domingo estudaremos acerca da exposição midiática da Igreja. Desde os tempos de Constantino, em nenhum outro tempo a Igreja foi tão amplamente exposta. Milagres, ou algo parecido, dividem o horário nobre da TV aberta com novelas e outras programações. Até quando a “espetacularização da fé” auxilia o verdadeiro Evangelho?
Como buscar formas alternativas de evangelização sem parecer que estamos envolvidos na mesma competição religiosa por “almas”? Eis o nosso desafio.

I. A REPUTAÇÃO DE CRISTO E DA IGREJA DO PRIMEIRO SÉCULO

1. João Batista e Jesus Cristo. A postura de João Batista em relação a Jesus, e a do último a respeito do primeiro, demonstram nitidamente o que significa saber conviver com a “fama” e com o “declínio” desta (Jo 1.26,27,29-34; 3.22-30; Lc 7.28).
Na realidade, a fama de ambos não era algo que eles buscassem, pois ela veio em função do ministério de cada um (Mt 3.4-6; Lc 4.14; 7,17). Quanto ao que vulgarmente poderíamos classificar como declínio, na verdade é o cumprimento da vocação soberana de Deus para ambos (Mt 16.21-23; Jo 3.28,30). Acabando-se o tempo de trabalho de cada um, inicia-se um novo ciclo e, com ele, vem a saída de um sendo a oportunidade estendida a outro.
2. Os pilares da notoriedade da igreja que nasceu no Cenáculo. A Palavra de Deus revela-nos que a igreja nascida no cenáculo, após ter sido revestida de poder (At 1.8; 2.1-13), e ter um crescimento inicial que saltou dos “quase 120” para os quase três mil, perseverava “na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações” (At 2.42). Esses quatro pilares — doutrina, comunhão, partilha e espiritualidade — proporcionaram segurança à igreja, resultando na confiança e na adesão popular que ela passou a desfrutar na sociedade daquela época (At 2.47).
3. Uma igreja formada por pessoas comuns. É muito perigoso idealizar o passado ou pessoas. Tiago falou acerca desse assunto ao dizer que o profeta Elias era um homem comum, ou seja, como qualquer um de nós (Tg 5.17,18). Uma vez que a igreja do primeiro século era formada por pessoas, ela não era perfeita, pois também possuia os seus problemas e dificuldades (At 15.1-39; Gl 2.9-14). Não obstante, é preciso destacar que na perseguição, nas lutas e até nas desavenças essa igreja jamais deixou de cumprir a sua missão (At 8.4; 15.36-39).


Pense!

Como se deu a influência da Igreja do primeiro século se ela não era numericamente volumosa?


Ponto Importante

Saber respeitar o período de atuação de cada ministério, ou de cada pessoa ou grupo, que serve a Deus em uma determinada sociedade e tempo, também é uma forma de adoração.


II. A SUPEREXPOSIÇÃO MIDIÁTICA DA IGREJA EVANGÉLICA

1. A mídia como meio de divulgação. É impossível ignorar o valor da mídia no que díz respeito à comunicação. Contudo, é fato que há diferentes públicos, e estes reclamam programações específicas. Quem apresenta um programa e quer manter a audiência sabe que precisa garantir a satisfação do público-alvo. Assim, se o objetivo de quem comunica é alcançar um grupo e cativá-lo, certamente deverá criar uma identidade de forma que as pessoas possam ter certeza de que sempre haverá, no mesmo programa, algo novo. De acordo com esse raciocínio, como é que a igreja deve portar-se ao utilizar os meios de comunicação? (Mt 5.13-16).
2. E a igreja descobriu a mídia. Sem falar da mídia impressa, que é utilizada desde o surgimento da igreja evangélica brasileira, há mais de sessenta anos as igrejas começaram a utilizar o rádio. Vinte anos depois, foi a vez da televisão. A partir de então, muitas igrejas passaram a utilizar os meios de comunicação como forma de alcançar as pessoas com a Palavra de Deus.
3. Qualidade da programação evangélica. Com o crescimento exponencial das denominações evangélicas, há uma diversidade de mídias utilizadas. Estas são definidas segundo a filosofia de trabalho e as condições financeiras de cada denominação. É inevitável também reconhecer que as prioridades inverteram-se. A programação não é mais totalmente voltada para os não crentes. Para garantir audiência e, principalmente, cooptar novos contribuintes, é possível perceber algumas apelações sensacionalistas que, em vez de glorificarem o nome de Cristo, acabam por envergonhá-lo (Rm 2.24).


Pense!

É legítimo utilizar os meios de comunicação, e nestes, apelar para o sensacionalismo como forma de propagar a mensagem evangélica?


Ponto Importante

No afã de conquistar adeptos, muitas denominações se excedem na mídia, e isso tem trazido escândalo ao Evangelho de Cristo.


III. USANDO A MÍDIA DE FORMA SÁBIA E PRUDENTE

1. Uma igreja famosa pelas suas boas ações. Estarmos expostos é uma consequência inevitável, mas a questão é: Como estamos sendo vistos? Por qual razão, ou motivo, estamos sendo conhecidos? A igreja em Tessalônica tornou-se notória pelas suas ações positivas e benéficas (1Ts 1.6-9).
2. O cuidado na utilização da mídia. Na edição de novembro de 2004, o jornal Mensageiro da Paz, publicou um artigo do pastor José Wellington Costa Júnior sobre o “papel da mídia evangélica”, do qual destacamos o seguinte: “Sob o aspecto do ‘Ide’ de Jesus, é interessante que procuremos o maior número possível de caminhos para a divulgação de sua mensagem salvadora, mas sem precisar ‘inventar’ milagres ou usar o Evangelho para fazer sensacionalismo. Sabemos que Jesus Cristo cura enfermos, transforma vidas, expulsa demônios, mas a sua principal mensagem é que Ele salva e perdoa pecados. O próprio Jesus, quando operava algum milagre, orientava para que não houvesse divulgação. Isso quer dizer que as pessoas devem se sentir atraídas não pelo sensacionalismo evangélico, que às vezes temos visto em programas de televisão, mas pelo poder da mensagem da Palavra de Deus”.
3. O Evangelho deve ser pregado através da midia? Não há dúvida de que devemos utilizar os meios de comunicação para anunciar o Evangelho. Contudo, que o façamos de maneira sábia e relevante, pois não podemos lidar com vidas como se estivéssemos negociando, atitude esta que, inclusive, é condenada na Bíblia (1Tm 6.1-21; 2Pe 2.3). Além disso, temos de ter cuidado para não envergonharmos o nome de Cristo pela forma de nos apresentarmos.


Pense!

Como os evangélicos têm se tornado conhecidos no país?


Ponto Importante

Em termos de Evangelho e na perspectiva de Cristo, é preciso entender que a relação entre relevância e número, nem sempre será tão evidente.


CONCLUSÃO

Utilizar a mídia para pregar o Evangelho não é uma questão de sobrevivência, pois quem sustenta a Igreja é o Senhor Jesus Cristo (Mt 16.18). Pregar utilizando a mídia é algo estratégico, mas só devemos fazê-lo se isso glorificar o nome do Senhor.

ESTANTE DO PROFESSOR

PALMER, Michael D. (Org). Panorama do Pensamento Cristão. 1ª Edição. RJ: CPAD. 2001.

COLSON, Charles; PEARCEY, Nancy. O Cristão na Cultura de Hoje: Desenvolvendo uma visão de mundo autenticamente cristã. 1ª Edição. RJ: CPAD. 2006.

HORA DA REVISÃO

1. Quais são os quatro pilares da notoriedade da Igreja do primeiro século?
Esses quatro pilares são: ensinamento, fraternidade, partilha e espiritualidade.

2. Quais critérios utilizam as igrejas para definir suas mídias e as programações?
A filosofia de trabalho e as condições financeiras de cada denominação.

3. Por que a igreja de Tessalônica ficou conhecida?
A igreja em Tessalônica tornou-se notória pelas suas ações positivas e benéficas.

4. Quais os principais cuidados na utilização da mídia para pregar o Evangelho?
Não “inventar” milagres ou usar o Evangelho para fazer sensacionalismo.

5. Quais são os principais perigos da má utilização da mídia pela igreja?
Resposta pessoal.

SUBSÍDIO I

“O papel da mídía evangélica
A mídia evangélica no Brasil é um assunto que deve ser abordado pelo menos sob dois aspectos. Em primeiro lugar, tomemos como base o texto de Marcos 16.15, que assim nos diz: ‘E disse-lhes: Ide por todo mundo, pregai o Evangelho a toda a criatura’. Todos sabem que estas são palavras do Senhor Jesus incentivando os discípulos a divulgarem o seu Evangelho. E para isso não podem existir barreiras ou limitações. A divulgação da Palavra de Deus tem de ser feita através de todos os meios de comunicação possíveis que estiverem ao nosso alcance, e esses meios estão em nossos dias, e cada vez mais sofisticados e penetrantes. Hoje é possível alcançar um executivo no seu local de trabalho com a Palavra de Deus sem deixar, no entanto, de alcançar um trabalhador rural.
É necessário que o trabalho de divulgação da Palavra de Deus através da mídia seja feito com muita responsabilidade, e aqui eu abordo o segundo aspecto, lembrando o que Jesus disse no Sermão da Montanha: ‘Vós sois o sal da Terra’ (Mt 5.13}” (COSTA, JR, José Wellington. O Papel da Mídia Evangélica. Mensageiro da Paz. ano 74, nº 1.434. RJ: CPAD. 2004, p.6).

SUBSÍDIO II

“A nossa preocupação na questão da comunicação do Evangelho é: o que e como comunicar. Trata-se do conteúdo da mensagem e a forma de apresentá-lo. A forma deve prender o interesse e a atenção do espectador. O rádio, a televisão e os computadores, que possibilitam o acesso à internet, representam meios importantes para a divulgação da Palavra de Deus, mas não devemos copiar nada do que os programas seculares oferecem. Temos de conservar a nossa identidade, que caracteriza a nossa seriedade e responsabilidade. Já temos a melhor mensagem a ser transmitida: a salvação em Cristo Jesus e a vida eterna com Deus.

O nosso público alvo são as pessoas desgostosas com a vida, carregando o peso do pecado, sem esperança, cansadas de sofrer e de serem enganadas pelas religiões que, em alguns casos, estão mais interessadas no poder aquisitivo de seu público, não se importa com a sua situação espiritual. Portanto, o nosso papel na midia deve ser o mais transparente possível, não utilizando-a para promoções pessoais, não demonstrando interesse no retorno financeiro, mas pregando o Evangelho com responsabilidade” (COSTA, JR. José Wellington. O Papel da Midia Evangélica. Mensageiro da Paz. ano 74, nº 1.434. RJ: CPAD, 2004, p.6).