quarta-feira, 27 de maio de 2015

Lições Bíblicas CPAD 4º Trimestre de 2010 A oração da Igreja e o trabalho do Espírito Santo


 

 

         Lições Bíblicas CPAD  4º Trimestre de 2010


Título: O Poder e o Ministério da Oração — O relacionamento do cristão com Deus
Comentarista: Eliezer de Lira e Silva


Lição 7: A oração da Igreja e o trabalho do Espírito Santo
Data: 14 de Novembro de 2010

TEXTO ÁUREO


E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações (At 2.42).

VERDADE PRÁTICA


A expansão contínua do evangelho completo é um distintivo da igreja que não se descuida da oração.

LEITURA DIÁRIA


Segunda - At 1.24,25
A escolha de obreiros através da oração


Terça - At 4.31
A igreja foi cheia do Espírito em oração


Quarta - At 12.11-14
A igreja ora por livramento


Quinta - At 13.2-4
A oração expande a obra missionária


Sexta - At 20.36-38
Uma oração comovente da igreja


Sábado - At 28.8,9
A oração por cura divina

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE


Atos 1.12,14; 2.4,38,40,41; 4.32.

Atos 1
12 - Então, voltaram para Jerusalém, do monte chamado das Oliveiras, o qual está perto de Jerusalém, à distância do caminho de um sábado.
14 - Todos estes perseveravam unanimemente em oração e súplicas, com as mulheres, e Maria, mãe de Jesus, e com seus irmãos.

Atos 2
4 - E todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a faiar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.
38 - E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para perdão dos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo.
40 - E com muitas outras palavras isto testificava e os exortava, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa.
41 - De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e, naquele dia, agregaram-se quase três mil almas.

Atos 4
32 - E era um o coração e a alma da multidão dos que criam, e ninguém dizia que coisa alguma do que possuía era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns.

INTERAÇÃO


Prezado professor, na lição de hoje veremos que a inauguração da igreja deu-se no dia de Pentecostes. Como já é do seu conhecimento, os crentes perseveraram unânimes em oração e súplicas (At 1.14). Após esse período de oração perseverante, todos foram cheios do Espírito Santo, e os crentes passaram a propagar poderosamente o evangelho (At 4.31). Durante a lição, procure enfatizar que da mesma forma, o Espírito Santo quer fazer nestes dias com a Igreja do Senhor que persevera em oração e jejum. Oremos, crendo que Deus ouvirá e atenderá as nossas súplicas.

OBJETIVOS


Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
·        Explicar como se deu o início da Igreja cristã.
·        Compreender que a oração perseverante resultou na atuação poderosa do Espírito Santo.
·        Conscientizar-se de que o Espírito Santo reveste a Igreja de poder para a disseminação do evangelho.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA


Providencie algumas cópias do quadro abaixo para os alunos. Utilize as cópias ao introduzir o Tópico II. Mostre o quadro aos alunos, e explique a proporção que o evangelho alcançou após o derramamento do Espírito Santo. Ressalte que as principais nações do primeiro século estavam presentes na festa de Pentecostes através dos judeus dispersos (Roma, países da Ásia, Egito, etc). Eles estavam entre as quase três mil almas que o Senhor acrescentou à sua igreja. Conclua, explicando que por meio da oração Deus quer revestir os seus filhos com poder para anunciar o evangelho em todo o mundo, cumprindo a Grande Comissão.

NAÇÕES MENCIONADAS NO DIA DE PENTECOSTE

ROMA
Capital do império que chegou a ser conhecido pela ambição política de seus governantes e a degeneração de sua sociedade. Os imperadores haviam imposto sua Pax Romana, fazendo-se aliados dos países que conquistavam, porém foram particularmente cruéis com os cristãos. O império romano estava no seu apogeu no dia de Pentecoste.

ÁSIA
No Novo Testamento, esta terminologia não se refere a todo o continente, mas à parte Oeste da chamada Ásia Menor. Éfeso era a capital e, embora fizesse parte do império romano, era governada por seu próprio procônsul. Por At 2.9,10 sabemos que Capadócia. Ponto e Panfília não pertencial à “Ásia”. Sem dúvida, as sete igrejas mencionadas em Apocalipse estão nesta área. O apóstolo Paulo dedicou muito tempo de seu ministério a esta região.

EGITO
Nos dias do Novo Testamento, o Egito já não era uma potência militar, porém continuava sendo um centro cultural e religioso. A Osíris, deus das profundezas e do Nilo, representava-se pela figura de um touro. É provável que os israelitas, ao caírem em idolatria no deserto, escolheram a forma de um bezerro devido à tradição egípcia. Seus conceitos de morte e reencarnação voltaram a ser populares na atualidade.

ELÃO
Este país, também chamado Pérsia em outra época, teve como capital a cidade de Susã. Mais tarde, uniu-se às Média para derrotar o império babilônico.

PÁRTIA
Entre 40 e 37 a.C., os partos invadiram a Ásia Menor e a Síria, e saquearam a cidade de Jerusalém. O império parto durou mais de cinco séculos. Dissolveu-se por causa da sua corrupção.



Nota: Os números entre parêntesis referem-se à ordem em que aparece cada lugar em At 2.9-11.

COMENTÁRIO


introdução

Palavra Chave
Espírito Santo: [Do heb. Ruah Kadosh; do gr. Hagios Pneumathos]. Terceira pessoa da Santíssima Trindade.

A Igreja foi instituída no dia de Pentecostes, e sua formação inicial deu-se pelo derramamento do Espírito Santo. A característica principal da Igreja Primitiva era a poderosa atuação do Espírito, resultante da oração perseverante da comunidade cristã em Jerusalém. Após o Pentecostes, a Igreja passou a propagar poderosamente o evangelho (At 2.47).

I. O INÍCIO DA IGREJA CRISTÃ

1. Derramamento do Espírito. O Espírito Santo encheu a todos os que se encontravam unânimes orando no cenáculo, em Jerusalém, como o Senhor Jesus havia determinado (At 1.4,12-14). A obediência ao Senhor é uma das condições para o recebimento do batismo no Espírito Santo (At 5.32). Toda igreja, que se propõe a orar em busca do revestimento do Espírito Santo, será abençoada com a resposta divina da mesma maneira que aquela dos primeiros dias.
2. Preparação para o serviço do Reino. O Senhor enche o crente do seu Santo Espírito, equipando-o para o serviço do Reino de Deus. O Espírito Santo não está subordinado a nenhum capricho humano, pois Ele é Deus e, como tal, é o Senhor da Igreja (At 13.1,2). Um crente, pelo fato de ser batizado no Espírito Santo não tem permissão para realizar missão alguma na igreja sem a direção do Espírito (1 Co 12.11). O crente maduro espiritualmente tem sua vida pautada na Palavra de Deus e direcionada pelo Espírito Santo (1 Jo 3.22). Ele está apto para realizar todo o serviço em prol do Reino.
3. Evidências da ação do Espírito Santo. Estando os discípulos reunidos após o dia de Pentecostes, veio do céu um vento veemente e impetuoso e encheu toda a casa. Todos foram cheios do Espírito Santo, ouviu-se manifestações sobrenaturais (audíveis e visíveis) nunca antes experimentadas (At 2.1-4). O batismo no Espírito Santo e as manifestações espirituais são o cumprimento das promessas de Deus proferidas pelo profeta Joel (Jl 2.28). A fé dos discípulos estava alicerçada na promessa divina, que agora se cumpria através de suas orações. Quando o Espírito de Deus age no meio do seu povo com manifestações sobrenaturais, Ele suscita o santo e reverente temor, despertando a coragem, a ousadia e maior desempenho no trabalho do Senhor (At 4.31).


SINOPSE DO TÓPICO (I)

O início da igreja cristã foi marcado pelo derramamento do Espírito Santo.


II. A DISSEMINAÇÃO DA PALAVRA

1. O Espírito Santo prepara pregadores. Após a descida do Espírito Santo, Pedro cheio do Espírito colocou-se de pé, levantou a sua voz e falou corajosamente do genuíno evangelho. Naquele dia agregaram-se quase três mil almas ao Reino dos céus (At 2.41). Estevão, cheio de conhecimento, fé e poder (At 6.3,5,8), Filipe (At 8.6-8) e outros mais foram preparados pelo Santo Espírito. Esse mesmo Espírito continua a capacitar homens e mulheres para a obra da evangelização, do ensino e da literatura, a fim de proporcionar a expansão do Reino de Deus. A igreja deve orar sem cessar para que o Senhor a enriqueça com obreiros aprovados, que manejam bem a Palavra da Verdade (2Tm 2.15) e sejam irrepreensíveis (1 Tm 3.1-13).
2. O Espírito concede intrepidez. A autoridade com que os apóstolos expunham a Palavra de Deus e o seu poder de persuasão são virtudes que somente o Espírito Santo pode conceder. Tomemos como exemplo a história de Pedro, compare seu comportamento antes do dia de Pentecostes e após a sua excelente e maravilhosa transformação ocorrida depois daquele dia. Estevão pregava a Palavra diante dos seus opositores com destemor e muita autoridade divina (At 7.1-60). Tudo isso ocorreu porque a igreja orava com determinação. Da mesma forma, o Espírito Santo quer fazer nestes dias com a igreja que perseverar em oração e jejum diante dEle.
3. Escolhendo e enviando homens para a obra missionária (At 13.1-5). A descida do Espírito Santo no dia de Pentecostes é o acontecimento impulsor da obra missionária da igreja. A missão atingiria em pouco tempo a escala mundial, visto que naquele dia estavam em Jerusalém pessoas de dezesseis nacionalidades (At 2.5,9-11). Jesus disse aos discípulos que, capacitados pelo poder do Espírito Santo, seriam suas testemunhas até aos confins da terra (At 1.8).


SINOPSE DO TÓPICO (II)

O Espírito Santo prepara pregadores, concede intrepidez, escolhe e envia homens para a disseminação da Palavra de Deus no mundo.


III. O ESPÍRITO E O CRESCIMENTO DA IGREJA

1. A igreja cresce (At 2.41,47). Não é a capacidade do homem que faz a Igreja do Senhor crescer, mas a unção e a autoridade do Espírito Santo operando através de seus instrumentos humanos. Todo crente, para exercer qualquer atividade no Reino de Deus, necessita depender do Espírito Santo mediante a oração (Cl 4.2,3,12). Não são os líderes que tornam a igreja poderosa nas suas ações, mas a oração da igreja com um propósito unânime (At 1.14; 2.46,47).
2. Crescimento x Perseguição. Após o revestimento de poder, os discípulos estavam prontos para executarem a ordem de Jesus, registrada no Evangelho de Marcos 16.15. Os discípulos, agora destemidos, não mais se escondiam em casas, com portas cerradas. Pelo contrário, com ousadia e intrepidez anunciavam o evangelho. Foi em meio à perseguição que a igreja teve o seu início, cresceu e continuou crescendo. Em meio a essas adversidades, a igreja continuava orando, como em Atos 12.1-17.
3. A integridade da igreja. Lucas declara que, tendo a igreja orado, todos foram cheios do Espírito Santo (At 4.31). O predomínio do Espírito Santo no crente leva-o a ser generoso e solidário (At 2.44-46; 4.32-35). Neste ambiente abençoado, propício e promissor surge Ananias e Safira, um casal da igreja que não tinha nenhuma obrigação de vender sua propriedade (At 5.1-4), como fez Barnabé, e nem entregar na igreja todo o valor da venda. Ambos tinham apenas o dever de serem unânimes como os demais (At 1.14; 2.46; 4.24; 5.12). Por meio do dom de discernimento do Espírito, Pedro percebeu toda a mentira deles e veio um repentino juízo divino sobre o casal. Quando a igreja está orando (At 4.31), Deus aniquila os problemas que podem enfraquecê-la.


SINOPSE DO TÓPICO (III)

Não é a capacidade humana que faz a Igreja do Senhor crescer, mas é a ação e o poder do Espírito Santo.


CONCLUSÃO

Quando o crente tem uma vida de oração e se dispõe a ser um intercessor, não somente suas necessidades são supridas, mas também as do Corpo de Cristo são atendidas. A respeito do batismo no Espírito Santo, o servo de Deus deve buscar perseverantemente em oração, crendo que Deus atenderá as suas súplicas e o revestirá de poder.

VOCABULÁRIO


Diáspora: dispersão dos judeus, no decorrer do Século I.
Intrepidez: ausência de temor, coragem, ousadia.
Suscitar: fazer nascer ou aparecer, criar.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA


PEARLMAN, M. Atos: E a Igreja se Fez Missões. 1.ed. RJ: CPAD, 2006.
HORTON, S. A Doutrina do Espírito Santo. 1.ed. RJ: CPAD, 2001.

EXERCÍCIOS


1. Quando a Igreja foi instituída?
R. No dia de Pentecoste.

2. Qual fator impulsionou o início da Igreja?
R. A descida do Espírito Santo no dia de Pentecoste.

3. Quem prepara e capacita os obreiros para a obra do Senhor?
R. O Espírito Santo.

4. Como a igreja pode se tornar poderosa em suas ações?
R. Mediante a oração com propósito unânime.

5. O que leva o crente a ser generoso e solidário?
R. O predomínio do Espírito Santo.

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO


Subsídio Histórico Cultural

“Cumprindo-se o dia de Pentecoste... (2.1). Esta festa acontecia 50 dias depois da Páscoa, e marcava o final da colheita de grãos. A ideia era que fosse como uma festa de ação de graças, marcada pela oferta de sacrifícios e a doação de contribuições voluntárias da colheita recente (cf. Lv 23.15-22; Nm 28.26-31; Dt 16.9-12). O Pentecostes era uma das três ‘festas de peregrinos’ a que os homens adultos de Israel deviam comparecer. Na tradição rabínica, o Pentecostes também marcava a data em que Deus entregou a Lei a Moisés. Não é de admirar que muitos milhares de peregrinos que vinham dos judeus espalhados por todo o império romano e pelo oriente estivessem presentes para este, o mais significativo de todos os Pentecostes!
Textos rabínicos relatam que aproximadamente 12 milhões de pessoas reuniam-se para celebrar a Páscoa. Josefo estima que fossem 3 milhões. Estes números são elevados, considerando a área dentro e ao redor de Jerusalém. Mas fica claro que a população da cidade de cerca de 55.000 pessoas no século I era dobrada ou triplicada pelos visitantes, dos quais muitos vinham para a Páscoa e permaneciam até Pentecostes.
A referência de Lucas às terras nativas das quais vinham muitos dos peregrinos judeus (2.8-11) está em completa harmonia com o que conhecemos da diáspora judaica do século I”.

(RICHARDS, L. O. Comentário Histórico Cultural do Novo Testamento. 1.ed. RJ: CPAD, 2007, p.253)

Nenhum comentário:

Postar um comentário