quinta-feira, 28 de maio de 2015

Lições Bíblicas CPAD 4º Trimestre de 2011 Liderança em tempos de crise



            Lições Bíblicas CPAD  4º Trimestre de 2011

Título: Neemias — Integridade e coragem em tempos de crise
Comentarista: Elinaldo Renovato


Lição 2: Liderança em tempos de crise
Data: 9 de Outubro de 2011

TEXTO ÁUREO

Então, lhes respondi e disse: O Deus dos céus é o que nos fará prosperar; e nós, seus servos, nos levantaremos e edificaremos; mas vós não tendes parte, nem justiça, nem memória em Jerusalém (Ne 2.20).

VERDADE PRÁTICA

Na expansão e consolidação do Reino de Deus, é imprescindível que ajamos com sabedoria, coragem, entusiasmo e fé.

HINOS SUGERIDOS

467, 600, 601

LEITURA DIÁRIA

Segunda - 2Tm 2.15
Homens aprovados por Deus


Terça - Pv 6.16,19
Deus abomina os contenciosos


Quarta - Pv 24.10
É preciso ter coragem nas tribulações


Quinta - Rm 8.37
Mais que vencedores por Cristo


Sexta - 2 Cr 15.7
Não desfalecer as mãos no trabalho


Sábado - 1 Co 15.57
Deus nos dá a vitória

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Neemias 2.11-18.

11 - E cheguei a Jerusalém e estive ali três dias.
12 - E, de noite, me levantei, eu e poucos homens comigo, e não declarei a ninguém o que o meu Deus me pôs no coração para fazer em Jerusalém; e não havia comigo animal algum, senão aquele em que estava montado.
13 - E, de noite, sai pela Porta do Vale, para a banda da Fonte do Dragão e para a Porta do Monturo e contemplei os muros de Jerusalém, que estavam fendidos, e as suas portas, que tinham sido consumidas pelo fogo.
14 - E passei à Porta da Fonte e ao viveiro do rei; e não havia lugar por onde pudesse passar a cavalgadura que estava debaixo de mim.
15 - Então, de noite, subi pelo ribeiro e contemplei o muro; e voltei, e entrei pela Porta do Vale, e assim voltei.
16 - E não souberam os magistrados aonde eu fui nem o que eu fazia; porque ainda até então nem aos Judeus, nem aos nobres, nem aos magistrados, nem aos mais que faziam a obra tinha declarado coisa alguma.
17 - Então, lhes disse: Bem vedes vós a miséria em que estamos, que Jerusalém está assolada e que as suas portas têm sido queimadas; vinde, pois, e reedifiquemos o muro de Jerusalém e não estejamos mais em opróbrio.
18 - Então, lhes declarei como a mão do meu Deus me fora favorável, como também as palavras do rei, que ele me tinha dito. Então, disseram: Levantemo-nos e edifiquemos. E esforçaram as suas mãos para o bem.

INTERAÇÃO

A liderança eficaz em tempos de crise — exemplificada na vida de Neemias — revela a prudência, a sabedoria e a coragem como elementos essenciais na vida de um líder. Podemos, de acordo com as palavras de Harris W. Lee, dizer que a “liderança é o que move as pessoas e as organizações para que cumpram seus alvos”.
Tal padrão de liderança é indispensável para que a igreja local faça o seu caminho e cumpra o seu propósito, dirigida pelo Espírito Santo. Portanto, precisamos de lideres que reflitam o caráter íntegro da liderança de Cristo Jesus, o nosso Senhor!

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
  • Descrever as principais características da liderança de Neemias.
  • Compreender os aspectos gerais da liderança de Neemias.
  • Saber que Neemias possuía um plano bem elaborado para reconstruir Jerusalém.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor, vivemos em um tempo em que o relacionamento interpessoal está em extinção. No entanto, a relação entre a liderança cristã e os membros da igreja local não pode se dar numa perspectiva medieval, ou seja, de clero e laicato. Pelo contrário, o espírito do Novo Testamento demonstra que o modelo bíblico e cristão de uma liderança eficaz é o do “líder-servidor”. Por isso, para introduzir a aula de hoje, reproduza o quadro abaixo (na lousa, data show ou tire cópias para os alunos) e mostre a eles a importância dos três elementos básicos para uma liderança eficaz. Boa aula!


COMENTÁRIO

introdução

Palavra Chave
Liderança: Função de líder; capacidade de liderar; espírito de chefia.

Nesta lição, estudaremos algumas características da liderança de Neemias. Abnegado e fiel servo de Deus, ele tornou-se um exemplo para a liderança da igreja atual. Neemias destacava-se por um elevado senso de organização, humildade e coragem. Era um líder completo.
Ao chegar a Jerusalém, ele procurou agir com muita prudência e cuidado. A ninguém revelou o que Deus lhe havia posto no coração (Ne 2.12,16). Em nenhum momento prevaleceu pelo fato de lá estar sob a autoridade do rei. Neemias sabia exatamente em quem confiar.

I. AS CARACTERÍSTICAS DO LÍDER NEEMIAS

1. Um líder corajoso. Neemias entristeceu-se profundamente ao tomar conhecimento do lamentável estado em que se achava Jerusalém. E Artaxerxes logo percebeu que havia algo de errado com o seu copeiro, pois não se podia demonstrar contrariedade diante do rei. Embora estivesse se arriscando perigosamente, Neemias, com muita coragem e ousadia, contou ao rei o motivo de seu abatimento. Intrépido e resoluto, pediu-lhe permissão para ajudar o seu povo que se encontrava na terra de Israel. Solicitou-lhe também cartas que lhe dessem salvo-conduto em sua viagem e lhe propiciassem o patrocínio da restauração de Jerusalém (Ne 2.7,8). Sua coragem e ousadia vinham da confiança que depositava em Deus. Você tem confiado inteiramente no Senhor?
2. Um líder prudente. Ao chegar a Jerusalém, Neemias agiu com muita discrição e prudência. Como não queria chamar a atenção dos inimigos, observou, durante vários dias, sempre à noite, o estado em que se encontravam os muros e as portas da cidade. A ninguém contou a respeito dos seus planos (Ne 2.16). Ele só veio a revelar o que Deus lhe havia posto no coração, no momento oportuno (Ne 2.18). O verdadeiro líder age e fala na hora certa e o faz sábia e discretamente.
3. Um líder que sabia lidar com a oposição. Sambalate, Tobias e Gesém, não queriam o bem dos filhos de Israel (Ne 2.10). Por isso, tentaram várias vezes paralisar a reconstrução dos muros de Jerusalém. Primeiro, buscaram desanimar os judeus, ridicularizando-os e lançando-lhes impropérios (Ne 2.19). Depois, os acusaram de traição e, por fim, tudo fizeram por ganhar a amizade de Neemias, oferecendo-lhe, inclusive, ajuda na restauração da cidade. Ele, porém, sempre prudente e sábio, respondeu-lhes: “O Deus dos céus é o que nos fará prosperar” (Ne 2.20). Neemias não perdeu tempo discutindo com seus opositores, pois a missão que recebera do Senhor exigia muito trabalho, esforço e dedicação.
Obreiro do Senhor, não perca tempo com os adversários. Dedique-se fielmente ao seu ministério.


SINOPSE DO TÓPICO (I)

No retorno a Jerusalém, a liderança de Neemias destacou-se pelas seguintes características: coragem, prudência e sabedoria.


II. ASPECTOS DA LIDERANÇA DE NEEMIAS

1. Neemias motiva seus liderados. Segundo J. Packer “todo líder verdadeiro é um mestre da motivação”. Arrancar o povo da apatia não era tarefa fácil. Entretanto, Neemias soube como motivar seus liderados, levando-os a se comprometerem de tal forma com a obra, que “o coração do povo se inclinava a trabalhar” (Ne 4.6). Ele fez com que todos se sentissem importantes na realização de suas tarefas. Você tem motivado seus auxiliares?
Neemias também demonstrou possuir um elevado senso de justiça. Ele não usou de sua posição para dominar seus conterrâneos. Para dar exemplo de austeridade, veio a renunciar até mesmo ao sustento a que tinha direito (Ne 5.14-18).
2. Neemias estabelece parcerias. Neemias tinha consciência de que, sozinho, não poderia cumprir a sua missão. Por isso, estabeleceu parcerias. Ele não disse “vão”, “façam”, “que eu ficarei olhando e orando”, mas participou ativamente dos trabalhos: “Levantemo-nos e edifiquemos” (Ne 2.18). Líder não é o que manda, mas o que comanda; líder não é o que ordena: “façam”, mas o que motiva: “façamos”. O pseudo líder esbraveja: “Aqui, quem manda sou eu!”. Quem assim age, jamais será um líder, mas um capataz. Sozinho, não temos como completar a nossa missão. Precisamos de cooperadores.
3. Neemias prima pela organização. Neemias tinha um grande senso de organização. Observe como ele fez a escalação dos construtores (Ne 3). Sua estratégia organizacional permitiu que todas as partes do muro fossem edificadas simultaneamente. E possibilitou, também, uma maior unidade, pois todos foram envolvidos no trabalho: sacerdotes, levitas, serventes e o povo. Até as mulheres deram a sua contribuição (Ne 3.12).


SINOPSE DO TÓPICO (II)

Neemias motivou seus liderados a reconstruir o muro de Jerusalém estabelecendo boas parcerias e um rigoroso sistema de organização.


III. É HORA DE RECONSTRUIR

1. Uma cidade destruída. A situação de Jerusalém era caótica. A cidade havia sido tomada pela miséria espiritual, moral, social e econômica. Tudo isso acontecera como resultado da rebeldia de Israel contra o Senhor. O pecado só produz destruição e morte. Infelizmente, algumas igrejas vivem situação semelhante. Elas precisam saber que o caminho da reconstrução passa, necessariamente, pelo arrependimento, confissão de pecados e o imediato abandono destes. Deus haverá de restaurar prontamente o seu povo: “Eu vejo os seus caminhos e os sararei; também os guiarei e lhes tornarei a dar consolações” (Is 57.18).
2. Dedicação total ao trabalho. Por que os judeus se renderam à liderança de Neemias? Porque liderança se faz com exemplo e Neemias era um grande e admirável exemplo para o seu povo. Como a reconstrução dos muros requeria dedicação total, ele jamais deixou de labutar junto ao povo: “E nem eu, nem meus irmãos, nem meus moços, nem os homens da guarda que me seguiam largávamos as nossas vestes; cada um ia com suas armas à água” (Ne 4.23).
Segundo J. Packer, “a extensão dos muros era de quase dois quilômetros, e os novos deveriam ter cerca de um metro de largura, e cinco ou seis metros de altura”. Neemias, que jamais temera o trabalho, tinha uma incomum disposição para realizar a obra de Deus.
3. A divisão do trabalho. Neemias tinha um plano de trabalho muito bem elaborado. No capítulo terceiro de seu livro, há uma lista detalhada dos construtores. Em seu planejamento, Neemias dividiu as tarefas de tal modo que todos sabiam, com precisão, o que deveriam fazer. Assim, cada israelita deu o seu melhor para a reconstrução dos muros da cidade, pois sabia estar empenhado na obra de Deus.


SINOPSE DO TÓPICO (III)

Neemias possuía um plano bem elaborado para reconstruir a Cidade Santa: Dividir precisamente as tarefas de modo que todos soubessem o que cabia a cada um.


CONCLUSÃO

Não é fácil ser líder em tempo de crise, principalmente quando se tem de enfrentar adversários com o espírito de Sambalate, Tobias ou Gesém. No entanto, quando o homem de Deus está no centro de sua vontade, o Senhor permanece ao seu lado, assegurando-lhe plena vitória.

VOCABULÁRIO

Interpessoal: Que existe ou se efetua entre duas ou mais pessoas.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

HARRISON, R. K. Tempos do Antigo Testamento. Um Contexto Social, Político e Cultural. 1.ed., RJ: CPAD, 2010.
MACARTHUR, Jr. J.
 Ministério Pastoral. Alcançando a excelência no ministério cristão. 4.ed., RJ: CPAD, 2004.
TRASK, T., et alii, eds.
 Manual Pastor Pentecostal. Teologia e Práticas Pastorais. 3.ed., RJ: CPAD, 2005.

EXERCÍCIOS

1. Cite três características do líder Neemias.
R. Neemias era corajoso, prudente e sábio.

2. Quais foram os resultados da estratégia organizacional de Neemias?
R. Permitiu que todas as partes do muro fossem edificadas simultaneamente e possibilitou uma maior unidade entre os sacerdotes, levitas, serventes e o povo.

3. Qual era a situação da cidade de Jerusalém?
R. Era caótica.

4. Por que os judeus se renderam à liderança de Neemias?
R. Porque liderança se faz com exemplo e Neemias era um grande e admirável exemplo para o seu povo.

5. Qual ensinamento você pode extrair, para a sua vida, da liderança de Neemias?
R. Resposta pessoal.

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I

Subsídio Teológico

“Uma Nobre Missão
Paulo considerava a posição de ‘ancião’ ou ‘presbítero’ como um papel muito importante, e qualquer que desejasse servir desta maneira deveria almejar um ministério valoroso, justo e responsável. No entanto, Paulo apresenta de maneira clara e inequívoca que todo aquele que servir nesta posição deve demonstrar em seu caráter qualidades que reflitam uma maturidade semelhante à de Cristo. Aparentemente, alguns desses homens que já eram ‘anciãos’ ou ‘presbíteros’ — talvez alguns dos que Paulo exortou em Mileto — estavam distorcendo a verdade ‘para atraírem os discípulos após si’ (At 20.30). Também havia, obviamente, outros homens em Éfeso que queriam ser líderes espirituais, mas que definitivamente não demonstravam uma ‘nobreza de caráter’, o que os desqualificava e não permita que estivessem envolvidos nesta ‘excelente obra’ (1 Tm 3.1). [...] Aqui vão duas importantes observações. Primeira — Paulo acreditava que qualquer cristão poderia assumir esta tarefa. Não havia nenhum chamado especial ou divino associado a esta função. Segunda — o principal critério para a seleção e aprovação era a maturidade em Jesus Cristo” (GETZ, G. A. Pastores e Líderes — O Plano de Deus para a Liderança da Igreja. A liderança da Igreja em uma perspectiva bíblica, histórica e cultural. 1.ed., RJ: CPAD, 2004, p.110).

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II

Subsídio de Ética Cristã

“Caráter e Ação
O caráter nunca é comprovado por uma declaração escrita ou oral de convicções. É demonstrado pelo modo como vivemos, pelo comportamento, pelas escolhas e decisões. Caráter é a virtude vivida.
O caráter ruim ou o comportamento pouco ético tem sido comparado ao odor do corpo: ficamos ofendidos quando o detectamos nos outros, mas raramente o detectamos em nós mesmos. Os líderes espirituais sempre devem ser sensíveis ao fato de que suas ações falam muito mais alto do que as palavras ditas do púlpito. Visto que as ações que praticamos raramente são percebidas como provas de caráter defeituoso, fazem-se essenciais à introspecção e à auto-avaliação, não porque desejamos agradar ou evitar ofender os outros, mas porque a reputação e o caráter do ministro devem estar acima da repreensão (1 Tm 3.2,7). Nossas palavras e pensamentos devem ser agradáveis perante a face de Deus (Sl 19.14), mas nossas ações revelam nosso caráter aos outros. As características do caráter exigido por Deus daqueles que querem habitar em sua presença são ações, e não um estado passivo do ser. ‘Senhor, quem habitará no teu tabernáculo? Quem morará no teu santo monte? Aquele que anda em sinceridade, e pratica a justiça, e fala verazmente segundo o seu coração; aquele a cujos olhos o réprobo é desprezado; mas honra os que temem ao Senhor; aquele que, mesmo que jure com dano seu, não muda. Aquele que não empresta o seu dinheiro com usura, nem recebe subornos contra o inocente; quem faz isto nunca será abalado’ (Sl 15).
Reflexão Ética:
“Quando um irmão leva muito tempo para fazer algo, é lento. Quando eu levo muito tempo, sou cuidadoso.
Quando um irmão não faz o que deve ser feito, é preguiçoso. Quando eu não faço, estou muito ocupado.
Quando um irmão sustenta com firmeza seu ponto de vista, é estúpido. Quando eu sustento com vigor, estou sendo firme.
Quando um irmão ignora algumas normas de etiqueta, é mal-educado. Quando eu negligencio algumas normas, sou original e independente.
Quando um irmão realiza bem uma tarefa e agrada o chefe, está bajulando. Quando eu ajo assim, faço parte da equipe.

Quando um irmão tem sucesso, certamente foi um golpe de sorte. Quando eu consigo prosperar, foi porque trabalhei com afinco” (TRASK, T., et alii, eds. Manual Pastor Pentecostal. Teologia e Práticas Pastorais. 3.ed., RJ: CPAD, 2005, pp.114-15).

Nenhum comentário:

Postar um comentário