sexta-feira, 14 de novembro de 2014

METODO ENSINO-APRENDIZAGEM

                      

                              METODOLOGIAS DE ENSINO                                                           APRENDIZAGEM


INTRODUÇÃO:
O presente texto trará uma abordagem teórico-prática dos métodos de aprendizagem na prática docente, e tem por finalidade propiciar aos professores das Escolas Bíblicas Dominicais, uma reflexão de suas referidas práticas pedagógicas, bem como, trazer sugestões que poderão ser aplicadas em suas ações docentes em sala de aula. É dever do professor conhecer a fundo não só a matéria que vai ensinar, mas também como ensiná-la; é aqui que os métodos prestam o seu serviço.

1. CONCEITO DE MÉTODO E METODOLOGIA
1.1. Método
Deriva-se de duas palavras gregas metas, “fim”, e hodos, “caminho”, trata-se, portanto do caminho determinado para se alcançar um fim. Poderíamos ainda definir como a maneira de se realizar uma tarefa. Essa tarefa pode ser ministrar uma aula de Escola Dominical.
1.2. Metodologia
É a ciência que estuda os métodos, ou seja, é o estudo detalhado dos métodos. Ela está dividida em Metodologia Geral e Metodologia Especial.
1.2.1. Metodologia Geral - É aquela que trata dos princípios do método, aplicáveis a qualquer conhecimento humano. Ela pode ser classificada em Dedutiva e Indutiva.
Dedutiva - É aquela que parte do geral para o particular.
Indutiva - É aquela que parte do particular para o geral.
1.2.2. Metodologia Especial - É aquela que trata dos problemas metodológicos de algum campo do conhecimento em particular. Ela apresenta dois tipos de métodos: os dogmáticos e os heurísticos.
Métodos dogmáticos - São os que consistem na exposição do professor, enquanto o aluno ouve, silenciosamente.
Métodos heurísticos - São aqueles em que o aluno participa da aula, trabalha, faz pesquisas.

2. ELEMENTOS PRESENTES EM TODA CLASSE DE ESCOLA DOMINICAL
2.1. O Espírito Santo.
A presença e a influência do Espírito Santo é algo necessário em todo processo pedagógico, negligenciar o ministério do Espírito Santo no ensino é desprezar um dos aspectos mais importantes da educação cristã. Quantos professores negligenciam a obra do Espírito Santo, confiando apenas em seus métodos. Para ensinarmos em uma escola secular precisamos apenas de uma boa pedagogia, mas na Escola Bíblica Dominical precisamos também da capacitação divina (2 Co 3.5), pois estamos tratando de necessidades intelectuais e espirituais que só o Espírito Santo conhece.
É necessário, porém destacarmos que ensinar é um processo divino-humano, assim é importante também que o professor faça a sua parte, preparando-se espiritualmente, mas também materialmente, pois um professor que se utiliza de princípios pedagógicos adequados, estará mais bem preparado para ser uma ferramenta afiada nas mãos de Deus. Despreparo material não é símbolo de espiritualidade e sim de negligência.
2.2. Os alunos.
São aqueles que estão na sala de aula para aprenderem à matéria. Os alunos são os elementos de grande importância da Escola Bíblica Dominical. A Escola existe por causa deles.
2.3. O assunto a ser estudado.
É todo o conteúdo a ser aprendido. É aquilo que deverá ser transmitido aos alunos.
2.4. O método.
É a maneira através da qual o assunto será ensinado. É o caminho para atingir um alvo.
2.5. O Professor.
É o responsável em conduzir o aluno ao aprendizado.

3. FINALIDADE DOS MÉTODOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM
É adaptar a lição ao aluno. Nunca ao contrário.

4. O USO DOS MÉTODOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM
Uma aula apresentada normalmente deve ter uma combinação de dois ou três métodos, nunca um só. Jesus também ensinou usando métodos, mas, é preciso saber que os métodos somente não resolvem, é preciso que o professor tenha também uma vida no altar de Deus para que o ensino possa surtir o efeito desejado. Outra coisa importante sabermos é que não existe um “método padrão”, o melhor método de ensino é aquele que possa alcançar o aluno e atender as características individuais ou grupais de cada faixa etária.



5. A ESCOLHA E A COMBINAÇÃO DOS MÉTODOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM
A escolha do método depende de vários fatores, tais como:
5.1. O grupo de idade.
Cada grupo de idade tem suas características próprias, variando conforme seu desenvolvimento físico, mental, social e espiritual. Assim, os métodos devem estar em conformidade com o seu grupo de idade.
5.2. O material que vai ser usado.
Temos hoje no mundo moderno os mais variados tipos de materiais que poderão ser utilizados no ensino.
5.3. A habilidade do professor.
É preciso que o professor saiba utilizar bem os métodos, como também esteja bem preparado a fim alcançar o objetivo da lição.
5.4. O tempo disponível.
No preparo e exposição da lição deve-se levar em conta o tempo que o professor terá a sua disposição.
5.5. O tamanho do grupo.
Há, por exemplo, métodos que só dar para ser utilizado em uma classe pequena, outros em classe maior.
5.6. As instalações de ensino da escola.
Não se deve jamais aplicar determinados tipos de métodos em ambiente que não ofereçam condições para isso.

Os métodos de ensino afetam os sentidos físicos, os quais são meios de comunicação da alma com o mundo exterior. É por meio desses sentidos que a alma explora o mundo em volta de si, bem como recebe suas impressões.

Na próxima semana estaremos fazendo a classificação dos métodos de ensino-aprendizagem e detalhando cada um deles.


 

OS MÉTODOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM (continuação)



Os métodos de ensino-aprendizagem afetam os sentidos físicos, os quais são meios de comunicação da alma com o mundo exterior. E por meio deles que ela explora o mundo em volta de si, bem como recebe suas impressões. A partir desta semana  estaremos classificando alguns deles:

1. Método de exposição verbal ou aula expositiva. Também chamado de preleção. (Mt 5.1,2 - ARC; Lc 4.22). Nunca deve ser usado só. Em combinação com outros métodos, como Jesus usou, é de grande valor no ensino. Sozinho, tem mais desvantagens do que vantagens.

Neste método, os conhecimentos, habilidades e tarefas são apresentadas, explicadas ou demonstradas pelo professor. A atividade dos alunos é receptiva, embora não necessariamente passiva. O método expositivo é bastante utilizado em nossas escolas, apesar das críticas que lhe são feitas, principalmente por não levar em conta o princípio da atividade do aluno. Entretanto, se for superada esta limitação, é um importante meio de obter conhecimentos. A exposição lógica da matéria continua sendo, pois, um procedimento necessário, desde que o professor consiga mobilizar a atividade intenda do aluno de concentrar-se e de pensar, e a combine com outros procedimentos, como o trabalho independente, a conversação e o trabalho em grupo.
Entre as formas de exposição, mencionamos a exposição verbal, a demonstração, a ilustração e a exemplificação. Essas formas, em geral, podem ser conjugadas, possibilitando o enriquecimento da aula expositiva.
A exposição verbal ocorre em circunstâncias em que não é possível prover a relação direta do aluno com o material de estudo. Sua função principal é explicar de modo sistematizado quando o assunto é desconhecido ou quando as ideias que os alunos trazem são insuficientes ou imprecisas. A palavra do professor, em muitos casos, serve também como força estimuladora para despertar nos alunos uma disposição motivadora para o assunto em questão. Nesse caso, o professor estimula sentimentos, instiga a curiosidade, relata de forma sugestiva um acontecimento, descreve com vivacidade uma situação real, faz uma leitura expressiva de um texto etc.
A explicação da matéria deve levar em conta dois aspectos: proporcionar conhecimentos e habilidades que facilitem a sua assimilação ativa e desenvolver capacidades para que o aluno se beneficie da exposição de modo receptivo-ativo.
A exposição do professor pode conjugar-se com a exposição do aluno, a partir de um certo momento da escolarização. A exposição ou relato de conhecimentos adquiridos ou de experiências vividas é um exercício útil para desenvolver a relação entre o pensamento e a linguagem, a coordenação de ideias e a sistematização de conhecimentos.
A demonstração é uma forma de representar fenômenos e processos que ocorrem na realidade. Ela se dá seja através de explicações em um estudo do meio (excursão), seja através de explicação coletiva de um fenômeno por meio de um experimento simples, uma projeção de slides. Por exemplo, explicar o processo de germinação de uma planta mostrando por que e como se desenvolveu um grão de feijão.
A ilustração é uma forma de apresentação gráfica de fatos e fenômenos da realidade, por meio de gráficos, mapas, esquemas, gravuras etc., a partir dos quais o professor enriquece a explicação da matéria. Aqui, como na demonstração, é importante que os alunos desenvolvam a capacidade de concentração e de observação.
A exemplificação é um importante meio auxiliar da exposição verbal, principalmente nas séries iniciais do ensino de 1.° grau. Ocorre quando o professor faz uma leitura em voz alta, quando escreve ou fala uma palavra, para que os alunos observem e depois repitam. Ocorre, também, quando ensina o modo correto de realizar uma tarefa: usar o dicionário, consultar o livro-texto, organizar os cadernos, preparar-se para uma prova, observar um fato de acordo com normas e tirar conclusões, fazer relações entre fatos e acontecimentos etc.
O método de exposição verbal ou aula expositiva, do modo como o descrevemos, é um procedimento didático valioso para a assimilação de conhecimentos. Se o conteúdo da aula é suficientemente significativo para canalizar o interesse das crianças, se vincula-se com conhecimentos e experiências que os alunos trazem, se os alunos assumem uma atitude receptivo-ativa, a exposição verbal deixa de ser simplesmente um repasse de informações.
Entretanto, sendo a aula expositiva um método muito difundido em nossas escolas, toma-se necessário alertar sobre práticas didaticamente incorretas, tais como: conduzir os alunos a uma aprendizagem mecânica, fazendo-os apenas memorizar e decorar fatos, regras, definições, sem ter garantido uma sólida compreensão do assunto; usar linguagem e termos.

2. Método de Discussão. É também chamado Debate Orientado. A sequência na condução do Método da Discussão, é: pergunta, seguida de argumentação, seguida de análise, seguida de RESPOSTA. (Lc 24.15-27,32; At 17.3,17; 18.4; 19.9). Para discutir um assunto, subentende-se que os alunos já têm informação sobre o mesmo. O professor precisa notar as palavras ou frases chaves da argumentação e não permitir que o tema seja desviado, ou que um aluno fale mais tempo que o estritamente necessário. Se o método não for habilmente conduzido pelo professor resultará em desorganização, confusão, e até aborrecimentos.
-Como usar a técnica:
a. Conhecer a amplitude do problema a ser debatido, fixando as linhas de discussão e o tempo disponível para a reunião;
b. Estabelecer um ambiente informal que facilite a comunicação e a cooperação entre os membros;
c. Interpretar a técnica a ser usada na reunião;
d. Escolher um encarregado para fazer as anotações e registros das ideias apresentadas;
e. esclarecer que são normas da discussão livre:
f. As ideias têm de ser expressas sem qualquer limitação quanto às possibilidades de execução;
g. As ideias só serão rejeitadas se não se relacionarem com o assunto em discussão, ou seja, podem ser desenvolvidas e detalhadas, mas não restringidas.
-Use este método...
1. Quando tiver tempo suficiente.
2. Para treinar a resolver problemas.
3. Para ajudar a formar pensamento lógico.
4. Quando um problema estiver devidamente esclarecido.
5. Quando um problema tiver de ser definido.
6. Para despertar eficiência na solução de problemas.
7. Quando o líder tiver habilidade suficiente para usar o método.
8. Quando o grupo for pequeno, para que todos tomem parte.
-Vantagens
1. Incita pensamento lógico.
2, Incita análise completa.
3. Pode ser empregado para diversos tipos de problema.
4. Incita alto grau de concentração aos membros do grupo.
5. Desenvolve habilidade em identificar problemas.

-Limitações
1. Gasta bastante tempo.
2. Requer liderança habilidosa.
3. É difícil usá-lo com grandes grupos.
4. Requer conhecimento de causa por todos os membros do grupo.
5. Pode estender o assunto por vários períodos de discussão.




Métodos de Ensino 2


3. Método Equipes de observadores
São equipes formadas pelo professor antes da apresentação de um assunto, compostas de pelo menos três alunos. Cada grupo deve ser orientado a ouvir a exposição de um assunto com específicas observações em mente. A pessoa que expõe pode ser o professor ou um aluno previamente escolhido e preparado. Depois, cada equipe apresenta o resultado das observações previamente determinadas.

Use este método.
1. Quando importantes ideias puderem de outra maneira passar despercebidas
2. Quando vários aspectos de um problema necessitarem de ênfase
3. Quando o grupo for grande
4. Para dar direção à discussão
5. Para apresentar informação

Vantagens
1. Pode ser usado com grupos grandes ou pequenos
2. Destaca certas ideias à parte do todo
3. Dá aos ouvintes um propósito específico
4. Desenvolve a atenção
5. Orienta ordenadamente as observações
6. Cria interesse
7. Permite a participação de todos os membros do grupo
8. Estimula a discussão que se segue
9. Reduz a possibilidade de uma pessoa ou grupo dominar a discussão
10. Dá ao líder a possibilidade de considerar interesses dos membros do grupo
11. Provê repetição através da informação das observações

Limitações
Os observadores podem apenas prestar atenção aos pontos que foram solicitados a observar
Tende a depreciar o todo
Limita o intercâmbio de ideias

4. Método Explosão de ideias ou Tempestade Metal
É o método de estudar um problema no qual os membros do grupo sugerem, em tempo limitado, todas as possíveis soluções que lhes vêm à mente, limitando-se apenas a sugerir, deixando para depois a avaliação. Sua principal característica é explorar as habilidades, potencialidades e criatividade de uma pessoa, direcionado ao serviço de acordo com o interesse.
No ensino escolar essa técnica pode ser usada como estratégia. Em cada início de assunto pode-se colocar em prática. A execução ocorre a partir de questionamentos realizados no início de cada tema da lição. O conjunto de perguntas deve ser respondido pelos alunos de forma oral, baseados nas experiências e nos conhecimentos adquiridos ao longo da vida. Tudo que eles forem expressando deve ser anotado no quadro, pois cada palavra registrada será usada como ponto de partida para o conhecimento do conteúdo que se pretende estudar.
Durante as anotações todas as frases e palavras devem ser consideradas, o ideal é que todos participem e exponham sua opinião. Logo após o professor analisa cada opinião sem constranger nenhum aluno nos comentários, mesmo que não tenha nenhuma ligação o que foi expresso.
Esse tipo de dinâmica é importante, pois o aluno expõe seus conhecimentos adquiridos ao longo de sua vida. Além de fazer com que o aluno se posicione diante de um determinado tema, respeite as ideias do colega e também exercite a prática da participação no cotidiano das aulas.
Use este método. . .
1. Para encorajar pensamento criativo
2. Para encorajar participação
3. Para determinar possíveis soluções para problemas
4. Em conexão com outros métodos
5. Para encorajar apresentação de novas ideias
6. Para criar um ambiente cordial e sentimento fraternal no grupo

Vantagens
1. Desperta novas ideias
2. Dá oportunidade para participação de todos
3. Produz espontaneidade de ideias
4. Não gasta muito tempo
5. Pode ser usado com grandes grupos
6. Não requer necessariamente uma liderança altamente habilidosa
7. Requer pouco equipamento

Limitações
1. Pode facilmente fugir do assunto focalizado
2. Torna-se indispensável uma avaliação das ideias sugeridas
3. Os membros não compreendem logo que qualquer ideia é legítima para se considerar

4. As pessoas tendem a começar a avaliação imediatamente após a apresentação de uma ideia
FONTE ESCRIBA DIGITAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAZ DO SENHOR

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.